Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 26 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Obra da Sabesp está 75% executada

Andréa Iseki/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Interligação entre os sistemas Rio Grande e
Alto Tietê tem previsão de entrega para setembro


Yara Ferraz
Do Diário do Grande ABC

08/08/2015 | 07:00


 As obras para interligação e tranferência de água entre os sistemas Rio Grande e Alto Tietê, realizadas pela Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo), estão 75% concluídas. A intervenção possibilitará o envio de 4 m³/s da Represa Billings, que atende à maioria da população do Grande ABC, para a ETA (Estação de Tratamento de Água) Taiaçupeba, em Suzano. A expectativa é de que os trabalhos, que demandam R$ 130 milhões, sejam concluídos em setembro.

Conforme explicou o gerente da unidade de negócios Sul da Sabesp, Roberval Tavares de Souza, já estão colocados 7.700 metros de tubos dos 10 quilômetros previstos. “A obra está bastante adiantada na captação, onde vamos instalar as bombas, na infraestrutura elétrica e mecânica, principalmente no sistema de bombeamento. Já executamos metade da infraestrutura na captação”, explicou.

Segundo Souza, as obras que foram iniciadas em maio têm prazo de quatro meses para serem concluídas e estão dentro do previsto. Todo o projeto para a execução da interligação foi desenvolvido no período de nove meses. Atualmente estão envolvidos 150 profissionais da Sabesp mais 120 trabalhadores terceirizados em toda a extensão das obras.

O prefeito de Rio Grande da Serra, cidade onde 80% das obras estão concentradas, Gabriel Maranhão (PSDB), garantiu que as autorizações solicitadas foram entregues pela Prefeitura antes do prazo de início dos trabalhos. “A autorização já foi fornecida antes das obras. Nós estamos caminhando lado a lado para que tudo seja entregue o mais rápido possível.”

Com a transposição, a água tratada no Sistema Alto Tietê será distribuída para moradores das zonas Leste e Norte da Capital, diminuindo a dependência do Cantareira.

Souza destaca que a operação não trará impactos negativos para o Grande ABC, apesar da nova retirada de água. A represa é responsável pela produção de 7,69 m³/s, sendo 5,5 m³/s no Sistema Rio Grande e outros 2,19 m³/s do braço Taquacetuba que são transferidos para o Guarapiranga. “Nós vamos conseguir suplementar o Alto Tietê com água nova, sem interferir no abastecimento da região. A obra acaba favorecendo positivamente milhares de pessoas na Zona Leste. Todos os cálculos realizados pela Sabesp concluíram que a bacia permite a retirada dessa água”, enfatiza.

Além disso, Souza lembra que a Billings é de múltiplo uso, não sendo utilizada somente para a captação de água. “Ela (represa) também tem a água retirada para a geração de energia da Usina Hidrelétrica Henry Borden, em Cubatão, e é exatamente a água que vai para esse local que vai ser retirada. A população do Grande ABC pode ficar tranquila. Não há perigo de ficar sem água”, esclarece.

 

Queda nos reservatórios é esperada neste mês

O período de estiagem e a queda do índice de chuvas em agosto trazem impacto no nível dos reservatórios do Estado. Atualmente o Sistema Rio Grande opera com 87,4% da capacidade, o Guarapiranga com 74,4%, o Alto Tietê com 17,4% e o Cantareira, o mais crítico, com -11,2%.

Conforme explica o gerente da unidade de negócios Sul, Roberval Tavares de Souza, o período de estiagem já é esperado para esta época do ano. “O nível pode estar caindo, mas já era esperado porque é um mês que não tem chuvas. Tudo isso está dentro do planejamento porque é um ciclo que se repete ano a ano. Isso já se sabe historicamente e está previsto”, afirma.

Conforme explicou Souza, somente com a chegada do verão é que as chuvas devem começar a impactar o volume dos reservatórios. “Não há motivo para ter medo, já que a represa é feita para guardar a água. A partir de abril as chuvas são reduzidas. O nível começa a aumentar a partir de outubro e reduzir a partir de abril. No mês de agosto chove muito pouco, mas isso é normal, já que não estamos na temporada de chuvas, que começa no início do ano”, explicou.  



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;