Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 27 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

'A Barca dos Mortos' será encenada no Brasil


Do Diário do Grande ABC

09/02/1999 | 15:30


Promete causar impacto a peça A Barca dos Mortos, texto inédito no Brasil do dramaturgo alemao Harald Mueller, dirigida por Rubens Rusche. O espetáculo terá apresentaçoes de pré-estréia entre 15 e 25 de abril no Teatro Municipal de Santo André, no ABC paulista, e estréia prevista para 13 de maio no Espaço Ademar Guerra (o porao) do Centro Cultural Sao Paulo.

Escrita para um concurso cuja temática era a ecologia, em 1984, a peça já foi montada oito vezes na Alemanha e mostra o planeta em total estado de devastaçao após uma hecatombe de proporçoes avassaladoras. O autor nao esclarece a causa do desastre ecológico, porém a natureza está destruída e os poucos sobreviventes estao contaminados, assim como a água, o ar e os alimentos.

Nesse mundo devastado, quatro personagens, três homens e um mulher, encontram-se e peregrinam em busca de Xantei, um lugar ainda preservado, que um deles jura existir. Para o diretor, no entanto, o foco central da peça nao está exatamente na busca dessa espécie de Shangri-lá, mas no encontro dos quatro personagens.

"O eixo dramático gira em torno da capacidade do ser humano de solidarizar-se e formar uma comunidade mesmo em meio à total degradaçao", diz. A peça tem nove quadros e os quatro primeiros tratam do encontro dos personagens, a partir do qual eles vao sofrer profundas transformaçoes interiores.

Ambientaçao - O impacto começará já na entrada do teatro, antes mesmo do início do espetáculo, quando o público vai deparar-se com o belíssimo cenário de J.C. Serroni, quase uma instalaçao. Numa sala do Instituto Goethe, que gentilmente cedeu um local para os ensaios, Serroni explica, por meio de uma maquete, que o espectador caminhará por um estreito caminho, iluminado como uma caverna, repleto de livros queimados, pichaçoes, névoa, peças de computadores, pára-choques de carros e toda espécie de sucata.

Depois de cerca de cinco minutos de percurso, chega-se a uma arena de apenas 160 lugares, com cadeiras bem afastadas uma das outras. Nesse isolamento, o espectador estará diante de um grande tubo que, de tempos e tempos, despeja lixo no palco. Pinturas de Bosch, Kiefer e Francis Bacon e fotografias de Sebastiao Salgado, Otto Dix, Jim Goldberg inspiram o cenário/instalaçao. "Tudo tem de ser horrível e ao mesmo tempo bonito, para nao agredir o público, até porque o espetáculo nao é agressivo", diz Serroni.

O grande tubo nao expele apenas lixo. Logo na primeira cena, por ele cai o personagem Utai, expulso da única área habitável do planeta. Ele implora inutilmente para voltar, alegando possuir "apenas 0,4% de cádmio" no sangue e afirmando ser um asséptico clone criado para doar órgaos. E alega ainda ter respeitado os dez mandamentos da área habitável, entre eles nao amar, nao ler livros antigos e checar todos os alimentos. Em vao.

dele se aproxima Checker (Antonio Galleao), uma espécie de Rambo do lixo, sem braço, porém cheio de armas. "Quando tudo é perigoso, a água, o ar, o chao, a única emoçao que sobra é o medo e cada personagem nessa peça desenvolveu e se agarra às suas defesas", comenta Rusche. O nome do personagem faz referência ao verbo checar, sua obsessao. Ele checa graus de radiotividade de alimentos, da água, do ar e checa à exaustao o estado de saúde, ou melhor, o grau de deterioraçao, de cada novo ser humano que encontra.

O interessante na construçao desse personagem é que até mesmo sua linguagem é feita de fragmentos. Ele mistura termos de várias línguas com outras supostas palavras para nomear objetos, sem, contudo, deixar de ser compreensível para o público. Clareza mantida na traduçao de Rubens Rusche. "Checker é clean", insiste em dizer o personagem que nao sabe mais dizer "eu", algo que vai aprender ao longo de seu processo de transformaçao.

Degradaçoes - Checker possuiu o mapa para Xantei e parte com Utai na busca do suposto paraíso. No caminho, encontram Cuco (Antônio Petrin), que Checker imeditamente identifica como "um homem do século 20".

Meio louco, Cuco parece ter vivido a época anterior à catástrofe. Lembra-se vagamente de ter trabalhado como guia turístico, amado uma mulher chamada Ana, lembra-se de pássaros e árvores, mas nao tem certeza se tudo nao passa de ilusao. Incorpora- se ao grupo e, mais tarde, o trio vai encontrar Biuti (Adriana Pires).

Biuti tem metade do rosto queimado por uma espécie de ácido, mas a outra metade mostra ter sido uma mulher bonita. Ela foi expulsa da área habitável por ter desobedecido a um dos dez mandamentos: encarregada de queimar os "livros antigos", ela os lia antes de queimá-los. Pior, a leitura passou a fasciná-la e chegou mesmo a decorar trechos de poemas.

"Um dos méritos do texto é apontar a degradaçao da cultura como elemento fundamental na degradaçao do ambiente", observa Rusche. Embora Biuti saiba poemas de cor, ela nao consegue decifrar seu significado - falta-lhe contextualizaçao, ambiência cultural. "A destruiçao cultural é uma realidade; a mídia abre espaço a cada semana para uma banda de sucesso de que no próximo ano ninguém mais ouve falar".

Segundo o diretor, entre os méritos da peça está o fato de mostrar, pela ausência, como nosso planeta ainda é bonito. "A peça desperta em nós a consciência de que a destruiçao pode ocorrer, caso persista a atual degradaçao cultural e, conseqüentemente, da natureza."

"Como todo bom autor contemporâneo, Mueller rompe com a estrutura clássica da narrativa, mas ao mesmo tempo mantém a estrutura das histórias de saltimbancos", comenta o diretor. Segundo ele, apesar do clima de destruiçao, o autor usa o tema da morte para falar de renascimento e tem um aspecto mítico. "No lugar do mito da origem, ele fala do mito da dissoluçao e eu nao chegaria a dizer que é otimista, mas aposta na capacidade de transformaçao do indivíduo".



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;