Fechar
Publicidade

Sábado, 23 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Edital fracassa e Câmara de Mauá continua sem convênio

Orlando Filho/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Nenhuma empresa se interessa na licitação em Mauá e servidores ficam descobertos por mais 1 mês


Caio dos Reis
Especial para o Diário

13/07/2015 | 07:00


O contrato do convênio médico dos cerca de 500 servidores da Câmara de Mauá se encerrou no último dia 15 de junho e a licitação para contratação de nova empresa, encerrada no dia 2, não teve nenhum interessado. Com isso, os funcionários continuarão por pelo menos mais um mês sem cobertura médica, já que segundo o presidente da Casa, Marcelo Oliveira (PT), não será feito contrato emergencial.

No edital estava prevista contratação da empresa especializada em serviços de assistência médica para atender aos servidores ativos, inativos e pensionistas, além dos respectivos dependentes legais. A licitação é no valor de R$ 1,085 milhão.

“Sabemos que a renovação de contrato de convênio médico é um processo que sempre tomou muito tempo. Vou reavaliar o projeto, ver o que pode ser alterado e republicar”, disse Marcelo, sem dar prazos para a movimentação administrativa.

O antigo convênio que atendia os funcionários do Legislativo era com a Santa Casa Misericórdia de Mauá e o valor é de R$ 832,8 mil anualmente. Ou seja, a quantia despendida pela Câmara já será 30% maior do que o acordo vigente. O custo unitário é de R$ 323.

Marcelo Oliveira alegou estar de “mãos atadas” e descartou a chance de fazer contrato emergencial. “Não posso fazer contrato emergencial. O que posso fazer é rever a licitação e aguardar, não consigo adiantar nada”, disse o presidente do Legislativo. Ele tem que, com acordo emergencial, possa haver punição por parte do TCE (Tribunal de Contas do Estado), com possibilidade de deixá-lo inelegível no futuro.

Não existe uma previsão para a publicação de outra licitação, mas o processo deve levar mais de um mês, já que, além da abertura dos envelopes, ainda há outras etapas da concorrência pública, como prazo de recurso, contrarrecurso e período de homologação.

A situação, evidentemente, causa clima de apreensão entre os funcionários da Câmara. Como o convênio atende também os dependentes dos servidores, alguns têm de remarcar consultas ou procurar o setor público para acompanhamentos que eram feitos pela rede privada.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;