Fechar
Publicidade

Domingo, 5 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Polícia vai intimar Felipe Cheidde Jr. a depor


Artur Rodrigues
Do Diário do Grande ABC

24/03/2006 | 08:06


A Polícia Civil vai intimar o empresário Felipe Cheidde Júnior a prestar depoimento. Até quinta-feira, o delegado Pietrantonio Araújo esperava que o empresário se apresentasse voluntariamente no 6ºDP de São Bernardo. Ele é suspeito do assassinato de Maurício Vieira da Cruz, 19 anos, baleado na madrugada de segunda-feira, no Jardim Farina, que morreu no Hospital Anchieta na última terça-feira.

O soldado da Polícia Militar Weiden Alves, motorista do empresário, teve prisão temporária de 15 dias decretada na última segunda-feira. Foi requisitada a prisão de Cheidde Júnior, mas a Justiça negou. A Polícia Civil tem tentado contatar o empresário há quatro dias, sem sucesso. A defesa dele nega as suspeitas e afirma que Cheidde Júnior se apresentará voluntariamente.

Veículo idêntico ao de Cheidde Júnior, uma Mercedes-Benz SL 500, foi visto na cena do crime por duas testemunhas logo depois dos cinco disparos que atingiram Maurício Vieira da Cruz. A polícia ainda não tem tese sobre como ocorreu o crime ou qual seria a motivação dos assassinos. O soldado Weiden foi visto na noite do crime dirigindo o veículo de Cheidde Júnior na Vila Margarida, São Bernardo, por um tenente da PM. O oficial desconfiou quando ouviu pelo rádio a descrição de veículo similar como o dos homens que dispararam contra Maurício, na passagem da Assembléia, no Jardim Farina. Às 8h do mesmo dia, a PM buscou o soldado em casa para que ele se apresentasse no 6º DP. Foi preso e aguarda o desenrolar do caso no Presídio Romão Gomes, da Polícia Militar.

O soldado nega os indícios e aposta na possível veracidade de um tícket de estacionamento para comprovar que o veículo que dirigia estava em outro local na hora do crime.

Depois de passar por uma série de operações, a vítima, Maurício Vieira da Cruz, morreu na terça-feira, no Hospital Anchieta. No prontuário médico, a causa da morte é anemia aguda e hemorragia interna, decorrentes dos tiros que levou. Ele trabalhava como comerciante informal e não tinha passagem pela polícia.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;