Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 20 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Indústria já sente efeitos da redução nos pedidos

Fábrica de S.Bernardo perde mercado e demite trabalhadores


Alexandre Melo
Vinicius Gorczeski

12/01/2012 | 07:00


Queda no faturamento e demissão de funcionários são alguns dos reflexos que os fabricantes de sacolas plásticas enfrentam com a redução na utilização do produto. Em quatro anos, 5 bilhões de sacos deixaram de circular no País, conforme dados do Instituto SócioAmbiental dos Plástico. Em 2007 eram 17,9 bilhões de unidades e em 2011 foram 12,9 bilhões.

Segundo o presidente da Plastivida, Miguel Bahiense, o setor registrou queda no faturamento no ano passado. Sem revelar o valor, o executivo afirma que a soma ficou abaixo dos R$ 500 milhões contabilizados em 2010. "A solução será atender mercados que não tiraram as sacolas de circulação e as empresas de menor porte serão penalizadas."

Esse é o caso da ABC Indústria e Comércio de Embalagens, sediada em São Bernardo. Há 41 anos no mercado - 15 dos quais produzindo sacolinhas para redes como Joanin, Primavera e Chibana -, os sócios Airo Campera e Antonio Giusti relatam que a produção caiu 50% em dois anos, de 75 para 35 toneladas por mês. "A esperança é que os mercados da periferia não tirem as sacolas de circulação", anseia Campera.

No ano passado, a empresa demitiu oito funcionários, e a perspectiva para este ano também não é das melhores. Eles querem produzir sacolinhas biodegradáveis de amido de milho, mas como a matéria-prima é importada da Alemanha há pouca disponibilidade do produto. O presidente da Plastivida acrescenta que são fabricadas 70 mil toneladas de resina biodegradável de amido de milho por ano no mundo. "A quantidade vendida para o País é suficiente apenas para produzir sacos biodegradáveis para atender a demanda de dois dias nos supermercados do Estado."

Os fabricantes criticam ainda que as sacolas retornáveis importadas da Ásia não colaboram para gerar empregos na indústria nacional.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;