Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 17 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Frutas e legumes no RJ têm agrotóxico acima do tolerável


Do Diário do Grande ABC

26/11/1999 | 17:40


Supermercados e feiras livres do RJ estao vendendo frutas, legumes e verduras com agrotóxicos acima do índice aceitável. A conclusao é do Instituto de Biologia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), que analisou 40 amostras de produtos, a pedido a Comissao de Meio Ambiente da Assembléia Legislativa (Alerj). No caso do brócolis e do morango o nível de agrotóxico é quatro vezes maior do que o tolerável. Os alimentos estudados foram produzidos em Sao Paulo, no Rio Grande do Sul e na Regiao Serrana do RJ.

Os pesquisadores investigaram indícios dos pesticidas organofosforados e carbamatos, que atuam sobre o sistema nervoso central, provocando tremores, convulsoes e taquicardia. "É considerado tolerável até 0,2 partes por milhao (ppm) de agrotóxico", explica a bióloga Cláudia de Melo Moura, que participou da pesquisa. No morango e no brócolis, o estudo encontrou índice de 0,8 ppm. Os outros alimentos considerados impróprios para o consumo foram vagem (0,6 ppm), agriao (0,5 ppm) e figo (0,4 ppm). Alface e chuchu estao próximos do nível considerado tolerável. "O carioca nao conhece a qualidade do alimento que está consumindo", diz a bióloga.

É a segunda vez que a UERJ faz levantamento dos legumes, verduras e frutas consumidas no Estado, a pedido da Comissao de Meio Ambiente da Alerj. Há um ano e meio, quando foi feito o primeiro estudo, o tomate era considerado impróprio. "Foi feito um trabalho de consicentizaçao com os produtores de Paty do Alferes (no centro-sul fluminense) e a concentraçao de agrotóxico diminuiu", afirmou o presidente da comissao, deputado Carlos Minc (PT). "O índice de contaminaçao nos morangos de Friburgo também caiu; o mais contaminado agora é o paulista".

De acordo com Cláudia Moura há pouco a fazer para diminuir o impacto do agrotóxico no organismo. "Há estudos em desenvolvimento na Uerj segundo os quais o bicarbonato de sódio teria efeito importante para reduzir a quantidade de agrotóxico, principalmente organofosforado", afirma. A bióloga aconselha a tirar a casca das frutas. "Mas o que está dentro do fruto nao se consegue tirar, por isso é importante respeitar os limites".

De acordo com a Comissao de Meio Ambiente, no Estado sao usados 32 agrotóxicos. Dezessete sao os mais nocivos à saúde, desses oito sao proibidos em outros países. "Pedi a impugnaçao do registro desses pesticidas ao Ministério da Agricultura", afirmou Minc. A partir da pesquisa, o deputado conseguiu a promessa dos secretários de Agricultura, Noel de Carvalho, e de Meio Ambiente, André Correa, de reativar o Conselho Estadual de Controle de Agrotóxicos e Biocidas (Cecab), que até 1993 fazia o controle dos alimentos consumidos no Estado.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Frutas e legumes no RJ têm agrotóxico acima do tolerável

Do Diário do Grande ABC

26/11/1999 | 17:40


Supermercados e feiras livres do RJ estao vendendo frutas, legumes e verduras com agrotóxicos acima do índice aceitável. A conclusao é do Instituto de Biologia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), que analisou 40 amostras de produtos, a pedido a Comissao de Meio Ambiente da Assembléia Legislativa (Alerj). No caso do brócolis e do morango o nível de agrotóxico é quatro vezes maior do que o tolerável. Os alimentos estudados foram produzidos em Sao Paulo, no Rio Grande do Sul e na Regiao Serrana do RJ.

Os pesquisadores investigaram indícios dos pesticidas organofosforados e carbamatos, que atuam sobre o sistema nervoso central, provocando tremores, convulsoes e taquicardia. "É considerado tolerável até 0,2 partes por milhao (ppm) de agrotóxico", explica a bióloga Cláudia de Melo Moura, que participou da pesquisa. No morango e no brócolis, o estudo encontrou índice de 0,8 ppm. Os outros alimentos considerados impróprios para o consumo foram vagem (0,6 ppm), agriao (0,5 ppm) e figo (0,4 ppm). Alface e chuchu estao próximos do nível considerado tolerável. "O carioca nao conhece a qualidade do alimento que está consumindo", diz a bióloga.

É a segunda vez que a UERJ faz levantamento dos legumes, verduras e frutas consumidas no Estado, a pedido da Comissao de Meio Ambiente da Alerj. Há um ano e meio, quando foi feito o primeiro estudo, o tomate era considerado impróprio. "Foi feito um trabalho de consicentizaçao com os produtores de Paty do Alferes (no centro-sul fluminense) e a concentraçao de agrotóxico diminuiu", afirmou o presidente da comissao, deputado Carlos Minc (PT). "O índice de contaminaçao nos morangos de Friburgo também caiu; o mais contaminado agora é o paulista".

De acordo com Cláudia Moura há pouco a fazer para diminuir o impacto do agrotóxico no organismo. "Há estudos em desenvolvimento na Uerj segundo os quais o bicarbonato de sódio teria efeito importante para reduzir a quantidade de agrotóxico, principalmente organofosforado", afirma. A bióloga aconselha a tirar a casca das frutas. "Mas o que está dentro do fruto nao se consegue tirar, por isso é importante respeitar os limites".

De acordo com a Comissao de Meio Ambiente, no Estado sao usados 32 agrotóxicos. Dezessete sao os mais nocivos à saúde, desses oito sao proibidos em outros países. "Pedi a impugnaçao do registro desses pesticidas ao Ministério da Agricultura", afirmou Minc. A partir da pesquisa, o deputado conseguiu a promessa dos secretários de Agricultura, Noel de Carvalho, e de Meio Ambiente, André Correa, de reativar o Conselho Estadual de Controle de Agrotóxicos e Biocidas (Cecab), que até 1993 fazia o controle dos alimentos consumidos no Estado.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;