Fechar
Publicidade

Domingo, 24 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Automóveis

automoveis@dgabc.com.br | 4435-8337

Cuidados com a bateria do carro


Vagner Aquino
do Diário do Grande ABC

13/07/2011 | 07:00


Com a chegada do inverno, além de não querer abrir os vidros, abusar do ar quente e tentar achar a melhor posição para esquentar o banco, o motorista de um veículo deve estar de olhos abertos para algo que nem sempre é lembrado: a bateria.

Sua função é fornecer energia ao motor de partida e ao sistema de ignição do automóvel, além de alimentar todo o aparato elétrico quando o propulsor está desligado. Por isso, é bom dar atenção especial ao componente nos dias mais frios, pois, segundo especialistas, os problemas na parte elétrica do veículo se intensificam nesses períodos, e a dificuldade em dar a partida é o primeiro sinal de que algo pode estar errado.

"As baixas temperaturas resultam na contração dos metais do motor (como os pistões, por exemplo) sem contar o óleo que fica mais grosso, exigindo maior esforço do bloco para dar a partida", explica Fabrício Costa, gerente comercial da DPaschoal.

"Além disso, o frio diminui a velocidade das reações químicas na bateria, que não consegue fornecer a mesma potência oferecida em dias mais quentes", completa Thiago Dantas, engenheiro de produção da fabricante de baterias Moura.

Para garantir melhor aproveitamento do componente, o proprietário deve reduzir o ciclo de partidas sucessivas sem que haja tempo suficiente para repor a energia usada no processo. "O motor precisa funcionar por dez minutos para recarregar a energia extraída em cada vez que se vira a chave na ignição", ressalta Eliel Bartels, supervisor de engenharia da DPaschoal.

Neste momento, verifique se não há algum acessório elétrico ligado, isso também prejudica a vida útil do equipamento.

E vale lembrar que a falta de abastecimento de gasolina no reservatório de partida a frio (em carros flexíveis), pode reduzir a durabilidade do componente, principalmente em épocas de baixas temperaturas.

Uma dica é não deixar o carro parado por longos períodos. Deve-se ligar o motor pelo menos a cada 48 horas para não haver fuga de corrente. Porém , "se o veículo em questão não tem alarmes, unidades de comando, rastreadores, entre outros acessórios, a bateria pode durar até seis meses sem a necessidade de dar a partida", enfatiza Fabrício Costa.

Para saber se a bateria apresenta problemas, no momento em que virar a chave no contato, verifique se as luzes do painel diminuem de intensidade ou se o propulsor apresenta dificuldade para entrar em funcionamento. O componente solto, mal fixado, danificado, com vazamentos ou estufado, também comprometem o desempenho.

 

Vida útil depende do uso

 

A durabilidade de uma bateria depende da qualidade do produto e também de certos cuidados por parte do motorista. Assim, pode durar até cinco anos ou mais, revelam os especilistas.

Por outro lado, se o dono do carro é daqueles que costumam esquecer as luzes acesas nos estacionamentos, que ouvem músicas com o motor desligado e utilizam o carro apenas em trajetos curtos (não dando tempo para o recarregamento da bateria), o período médio de vida cai para, aproximadamente, um ano.

E, ao contrário do que muitos pensam, a troca não é a melhor solução e só deve ser feita após minucioso diagnóstico. Atualmente, 35% das baterias automotivas são trocadas desnecessariamente, prejudicando o bolso do consumidor e sobretudo, o meio ambiente.

Para tentar reverter esse quadro, empresas, como a DPaschoal, por exemplo, prestam consultoria aos clientes, realizando teste que aponta o tempo de vida útil restante ao produto.

Em muitos casos, uma recarga lenta - que dura 24 horas - resolve o problema.

Outra ação que vai de encontro a ideia de desenvolvimento sustentável parte da líder no mercado de baterias automotivas, a Moura, que, com base na lei Conama 401, está apostando na recilcagem para se tornar ecologicamente correta. Aqui, o cliente devolve a bateria inutilizada no momento da substituição.

Vale lembrar que as baterias não seladas exigem verificação do nível de água, que precisa ser destilada - para driblar o mineral. No caso das baterias seladas, sua água dura por toda a vida útil sem a necessidade de recarga.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;