Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 20 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Deputados protocolam veto à reforma política

Liderados pelo PT, siglas enviam ao STF pedido de suspensão da votação, ocorrida na quarta-feira


Leandro Baldini
Do Diário do Grande ABC

31/05/2015 | 07:00


Um grupo de 61 deputados federais de seis partidos, incluindo os dois da região: Alex Manente (PPS) e Vicente Paulo da Silva, o Vicentinho (PT), protocolaram ontem mandado de segurança no STF(Supremo Tribunal Federal) pedindo a suspensão da votação da Proposta e Emenda Constitucional 182/2007, a PEC da Reforma Política.

O grupo é liderado por 36 parlamentares do PT que acusam o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB), de “ato coator” contra as regras da Casa para conseguir aprovar emenda aglutinativa no âmbito da PEC para conseguir aprovar o financiamento empresarial a partidos. O documento é assinado por parlamentares de mais cinco siglas: PPS (oito deputados), PSB (seis), PCdoB (seis), PSOL (quatro) e PROS (um).

“Assinamos porque consideramos que o rito adotado pelo presidente foi errado. Além de ter ido contra a uma clamação pública, em meio a crise de corrupção”, explicou Alex.

Para Vicentinho, a medida foi a única alternativa, diante do revés. “Colocar na Constituição um item como este é inaceitável. Vamos confiar na avaliação da Corte”, disse.

O pedido de suspensão da tramitação da PEC é feito para que o STF decida sobre a aprovação da emenda do PRB, recolocando na pauta da votação o financiamento privado.

No Congresso, o tema foi aprovado na quarta-feira. O documento acusa Cunha de promover uma “ruptura com os costumes democráticos do Legislativo” ao encerrar a comissão especial que discutia a pauta da reforma, por discordar do relatório em confecção. (com Agências)



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Deputados protocolam veto à reforma política

Liderados pelo PT, siglas enviam ao STF pedido de suspensão da votação, ocorrida na quarta-feira

Leandro Baldini
Do Diário do Grande ABC

31/05/2015 | 07:00


Um grupo de 61 deputados federais de seis partidos, incluindo os dois da região: Alex Manente (PPS) e Vicente Paulo da Silva, o Vicentinho (PT), protocolaram ontem mandado de segurança no STF(Supremo Tribunal Federal) pedindo a suspensão da votação da Proposta e Emenda Constitucional 182/2007, a PEC da Reforma Política.

O grupo é liderado por 36 parlamentares do PT que acusam o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB), de “ato coator” contra as regras da Casa para conseguir aprovar emenda aglutinativa no âmbito da PEC para conseguir aprovar o financiamento empresarial a partidos. O documento é assinado por parlamentares de mais cinco siglas: PPS (oito deputados), PSB (seis), PCdoB (seis), PSOL (quatro) e PROS (um).

“Assinamos porque consideramos que o rito adotado pelo presidente foi errado. Além de ter ido contra a uma clamação pública, em meio a crise de corrupção”, explicou Alex.

Para Vicentinho, a medida foi a única alternativa, diante do revés. “Colocar na Constituição um item como este é inaceitável. Vamos confiar na avaliação da Corte”, disse.

O pedido de suspensão da tramitação da PEC é feito para que o STF decida sobre a aprovação da emenda do PRB, recolocando na pauta da votação o financiamento privado.

No Congresso, o tema foi aprovado na quarta-feira. O documento acusa Cunha de promover uma “ruptura com os costumes democráticos do Legislativo” ao encerrar a comissão especial que discutia a pauta da reforma, por discordar do relatório em confecção. (com Agências)

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;