Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 2 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Sem caixa, governo avalia estender prazo de concessões de rodovias



28/05/2015 | 06:53


O esgotamento dos recursos públicos para bancar obras federais de infraestrutura vai mexer com o futuro das atuais concessões de rodovias e ferrovias. Por conta da anemia financeira que toma conta do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) e da estatal Valec, o governo começou a estudar uma alternativa que, até um ano atrás, era assunto proibido dentro do Palácio do Planalto: aumentar o prazo das atuais concessões.

No caso das rodovias, segundo apurou o jornal O Estado de S. Paulo, a medida é vista como uma das únicas maneiras de tirar obras milionárias do papel sem que isso leve a aumentos não previstos de pedágios para o consumidor.

Responsável pelas rodovias federais, o Dnit é dono de um grande número de obras que precisam ser executadas em trechos de rodovias já concedidas à iniciativa privada, seja nas rodovias feitas recentemente pelo governo ou nas mais antigas, realizadas na década de 1990. A participação direta do Dnit em determinadas obras em rodovias concedidas - como a construção de uma passarela ou de um trecho de duplicação, por exemplo - tem sido utilizada há anos como uma saída para garantir a melhoria do serviço à população, evitando que esse custo seja repassado para a tarifa cobrada pela concessionária.

A situação crítica do caixa da União, porém, tem pressionado o governo a abrir mão dessa estratégia. O plano é tirar as obras do Dnit e repassá-las às empresas. Em troca, as concessionárias ganhariam mais tempo nas concessões para explorar comercialmente a rodovia, diluindo assim a cobrança de pedágio.

Reunião

Nesta quarta-feira, 28, os ministros Aloizio Mercadante (Casa Civil), Nelson Barbosa (Planejamento), Antônio Carlos Rodrigues (Transportes) e Joaquim Levy (Fazenda) reuniram-se no Palácio do Planalto para discutir como será feita a concessão da Ferrovia Norte-Sul. Um dos objetivos é encontrar uma saída para concluir as obras que atualmente são tocadas pela estatal Valec.

O plano do governo é fazer a outorga onerosa da ferrovia e, com isso, arrecadar alguns bilhões de reais para melhorar o caixa da União. Aquele que vencer o leilão também ficaria responsável por entregar o trecho ainda inacabado da Norte-Sul, entre Ouro Verde (GO) e Estrela D?Oeste (SP). Não houve uma definição sobre o assunto. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;