Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 27 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Locação residencial cresceu 2,72% na região em agosto


Márcia Pinna Raspanti
Do Diário do Grande ABC

12/10/2004 | 11:00


O número de contratos de aluguel residencial apresentou crescimento de 2,72% em agosto na comparação com julho nas cidades do ABCD (Santo André, São Bernardo, São Caetano e Diadema) e em Osasco e Guarulhos. No Estado de São Paulo, houve queda de 1,49%, de acordo com o Creci-SP (Conselho Regional de Corretores de Imóveis), também mediante o mês anterior. O Creci divide o Estado em quatro regiões e, por questões metodológicas, uma dessas regiões reúne Guarulhos, Osasco e quatro cidades da região.

O melhor desempenho no Estado foi do litoral, com 6,6%. A região que inclui ABCD, Osasco e Guarulhos veio em seguida, com 2,72%. A capital apresentou crescimento de 2,2% e, no interior, houve queda de 3,58%. A pesquisa é realizada em 1,3 mil imobiliárias de 37 municípios do Estado.

Segundo Émerson Castello Branco, coordenador técnico da pesquisa Creci-SP, a queda no desempenho do Estado e os índices baixos em outras regiões não significam reversão no mercado de locação. “Foi uma oscilação mensal que acontece em alguns períodos do ano”, disse.

Branco afirmou que o mercado de aluguéis costuma ser mais aquecido que o de vendas e essa tendência não deve mudar neste ano. “Os valores são mais baixos e, portanto, a reação econômica demora mais a chegar no setor de vendas. O aluguel é o primeiro a mostrar resultados positivos”, disse.

No grupo formado por ABCD, Guarulhos e Osasco, só houve dois resultados piores durante o ano. Em abril, a queda foi de 5,91% e, em julho, de 4,41%. Os melhores resultados foram em janeiro, com 18,66%, e em março, com 12,94%.

Os imóveis mais alugados têm aluguel até R$ 600 mensais. Na região pesquisada pelo Creci-SP, essa faixa de locação concentra 94,52% dos novos contratos; na Capital, 74%; no interior, 86,14%; e no litoral, 91,3%. Na região que inclui o ABCD, 62,76% dos novos aluguéis custam entre R$ 201 a R$ 400.

Os imóveis de dois dormitórios são os preferidos pelo consumidor e correspondem a 40% dos aluguéis do Estado. “É uma faixa de preço mais acessível e com oferta grande no mercado”, disse Branco.

Inadimplência – A inadimplência no setor de locação aumentou 7,44% na região que inclui o ABCD em agosto. Nas demais regiões do Estado, houve queda: de 9,64% na capital, 7,36% no interior e 5,8% no litoral.

De acordo com Milton Bigucci, presidente da Acigabc (Associação de Construtores, Imobiliárias e Administradoras do Grande ABC), apesar do aumento verificado em agosto, a inadimplência tem diminuído com relação ao ano passado. “Percebemos que o inquilino está colocando as contas em dia. Por isso, a inadimplência deve cair daqui para frente.”



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;