Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 20 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

Dê alegria à mamãe. Fique em casa.


Carlos Brickmann

10/05/2015 | 07:00


Escolha suas companhias. Neste Dia das Mães, antes de sair de casa, lembre-se de que 15 mil presos foram legalmente libertados, só no Estado de São Paulo, para participar das comemorações. Como estavam há tempos na prisão, não têm dinheiro para passear ou comprar presentes nem conhecem os locais onde a turma se reúne (ainda bem!). Alguns não têm sequer a mãe cujo dia festejam. Sem dinheiro, sem ter para onde ir, muitos sem local para dormir, sem agentes especializados que lhes deem assistência, que é que se espera? Que se ressocializem sozinhos? Ou que façam o que normalmente acontece, cometer novos crimes?

Boa parte do pessoal indultado para o bom propósito de homenagear as mães não chega a ter a intenção de voltar: em média, 5% dos indultados para datas especiais não retornam para cumprir o restante da pena. A polícia corre riscos para capturá-los, faz inquérito, a Justiça os processa e condena, o contribuinte paga sua estada na prisão, e, porque há uma data bonita, o cidadão ganha férias da cadeia. Dúvida pertinente: se o cavalheiro pode ser libertado em datas específicas, sem acompanhamento adequado, por que fica preso o resto do tempo? Se é preciso que fique preso, por questão de segurança e recuperação, por que as férias?

Convença a mamãe a ficar em casa, que as ruas estão mais perigosas nesses dias. Ficando em casa, economiza-se a conta do restaurante (e do estacionamento caríssimo), e até dá para experimentar alguma receita especial, caprichada. Não é ótimo fazer com que as panelas, às vezes, retornem à sua função precípua?

Retrato da paradeira
Frase de um comerciante carioca sobre o baixo movimento das lojas, citada pelo colunista Aziz Ahmed, de O Povo: “Dia das Mães? Parece o Dia da Sogra!”

Pode piorar – 1
No palanque da CUT, em 1º de Maio, Lula não tinha a seu lado sequer um líder expressivo do PT, ou de partidos aliados. Nem Aloízio Mercadante estava lá para tirar aquela foto por cima do ombro. Nenhum ministro, nem dos que subiram na política graças a Lula. Algum poste eleito por Lula? Ninguém. Nem mesmo o prefeito paulistano Fernando Haddad foi prestigiar seu inventor. Isso quando estão apenas as investigações do Petrolão em marcha. E depois?

Pode piorar – 2
O senador Ronaldo Caiado, do DEM goiano, protocolou o pedido de CPI do BNDES. Sua frase: “É preciso descobrir por que os delatores da Lava Jato disseram que o Petrolão seria café pequeno diante do esquema montado no BNDES”.

OK, sabe-se que Val Marchiori, que participou do programa Mulheres Ricas, usou parte de uma linha de crédito do BNDES, com juros de 4% ao ano, para comprar um carro Porsche Cayenne – uma beleza, por sinal. Mas isso também é café pequeno. O quente é descobrir como funciona o financiamento do BNDES a empreendimentos de firmas brasileiras em países como Guiné Equatorial e Cuba. O BNDES não dá informações. E boa parte dessas firmas está no Petrolão.

Pode piorar – 3
A senadora Ana Amélia Lemos, do PP gaúcho, e o senador Aloysio Nunes Ferreira, do PSDB paulista, protocolaram o pedido de CPI dos Fundos de Pensão. Fala-se de coisas quentes – por exemplo, de fundos que aplicaram o dinheiro da poupança de seus associados em títulos da Venezuela. É muita vontade de perder dinheiro, desde que seja dos outros. E um dos fundos, o Postalis, do Correio, está cobrando dos associados um extra para cobrir seus prejuízos.

Tanto a CPI do BNDES como a dos Fundos de Pensão já haviam sido apresentadas e o governo conseguira suspendê-las, convencendo parlamentares a retirar a assinatura. Desta vez, não deu: os esforços do governo foram em vão. Em cinco dias os partidos deverão indicar seus representantes em ambas as CPIs.

Pode piorar – 4
O presidente do partido Solidariedade, deputado federal Paulinho da Força, pediu a convocação do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, para ser ouvido na CPI da Petrobras. Paulinho quer que o procurador esclareça os critérios para abertura de inquéritos na Operação Lava Jato. E disse que é preciso saber como ocorrem vazamentos seletivos de informações, que atingem alguns dos investigados. Segundo Paulinho, o Ministério Público contratou para isso duas grandes empresas de assessoria de imprensa, sem concorrência, por R$ 500 mil.

Pode piorar – 5
Acredite: o deputado federal Jair Bolsonaro, do PP fluminense, quer trocar de partido, para ser candidato à Presidência da República em 2018. Uma das propostas que recebeu é do PRTB. Bolsonaro sairia para a Presidência com o chefe do PRTB, Levy Fidelix, de vice. Aerotrem e bala, já que o trem-bala não sai.

Como piorou
Informa Lauro Jardim (http://veja.abril.com.br/blog/radar-on-line/) que um dirigente do PT conseguiu explicar por que o partido e o governo não se entendem. Disse o petista: “O problema é que o PT diz que está pagando pelos erros do governo. E o governo diz que está pagando pelos erros do PT”. Completa Lauro Jardim, com precisão: “Parece ser um típico caso em que os dois lados têm razão”.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Dê alegria à mamãe. Fique em casa.

Carlos Brickmann

10/05/2015 | 07:00


Escolha suas companhias. Neste Dia das Mães, antes de sair de casa, lembre-se de que 15 mil presos foram legalmente libertados, só no Estado de São Paulo, para participar das comemorações. Como estavam há tempos na prisão, não têm dinheiro para passear ou comprar presentes nem conhecem os locais onde a turma se reúne (ainda bem!). Alguns não têm sequer a mãe cujo dia festejam. Sem dinheiro, sem ter para onde ir, muitos sem local para dormir, sem agentes especializados que lhes deem assistência, que é que se espera? Que se ressocializem sozinhos? Ou que façam o que normalmente acontece, cometer novos crimes?

Boa parte do pessoal indultado para o bom propósito de homenagear as mães não chega a ter a intenção de voltar: em média, 5% dos indultados para datas especiais não retornam para cumprir o restante da pena. A polícia corre riscos para capturá-los, faz inquérito, a Justiça os processa e condena, o contribuinte paga sua estada na prisão, e, porque há uma data bonita, o cidadão ganha férias da cadeia. Dúvida pertinente: se o cavalheiro pode ser libertado em datas específicas, sem acompanhamento adequado, por que fica preso o resto do tempo? Se é preciso que fique preso, por questão de segurança e recuperação, por que as férias?

Convença a mamãe a ficar em casa, que as ruas estão mais perigosas nesses dias. Ficando em casa, economiza-se a conta do restaurante (e do estacionamento caríssimo), e até dá para experimentar alguma receita especial, caprichada. Não é ótimo fazer com que as panelas, às vezes, retornem à sua função precípua?

Retrato da paradeira
Frase de um comerciante carioca sobre o baixo movimento das lojas, citada pelo colunista Aziz Ahmed, de O Povo: “Dia das Mães? Parece o Dia da Sogra!”

Pode piorar – 1
No palanque da CUT, em 1º de Maio, Lula não tinha a seu lado sequer um líder expressivo do PT, ou de partidos aliados. Nem Aloízio Mercadante estava lá para tirar aquela foto por cima do ombro. Nenhum ministro, nem dos que subiram na política graças a Lula. Algum poste eleito por Lula? Ninguém. Nem mesmo o prefeito paulistano Fernando Haddad foi prestigiar seu inventor. Isso quando estão apenas as investigações do Petrolão em marcha. E depois?

Pode piorar – 2
O senador Ronaldo Caiado, do DEM goiano, protocolou o pedido de CPI do BNDES. Sua frase: “É preciso descobrir por que os delatores da Lava Jato disseram que o Petrolão seria café pequeno diante do esquema montado no BNDES”.

OK, sabe-se que Val Marchiori, que participou do programa Mulheres Ricas, usou parte de uma linha de crédito do BNDES, com juros de 4% ao ano, para comprar um carro Porsche Cayenne – uma beleza, por sinal. Mas isso também é café pequeno. O quente é descobrir como funciona o financiamento do BNDES a empreendimentos de firmas brasileiras em países como Guiné Equatorial e Cuba. O BNDES não dá informações. E boa parte dessas firmas está no Petrolão.

Pode piorar – 3
A senadora Ana Amélia Lemos, do PP gaúcho, e o senador Aloysio Nunes Ferreira, do PSDB paulista, protocolaram o pedido de CPI dos Fundos de Pensão. Fala-se de coisas quentes – por exemplo, de fundos que aplicaram o dinheiro da poupança de seus associados em títulos da Venezuela. É muita vontade de perder dinheiro, desde que seja dos outros. E um dos fundos, o Postalis, do Correio, está cobrando dos associados um extra para cobrir seus prejuízos.

Tanto a CPI do BNDES como a dos Fundos de Pensão já haviam sido apresentadas e o governo conseguira suspendê-las, convencendo parlamentares a retirar a assinatura. Desta vez, não deu: os esforços do governo foram em vão. Em cinco dias os partidos deverão indicar seus representantes em ambas as CPIs.

Pode piorar – 4
O presidente do partido Solidariedade, deputado federal Paulinho da Força, pediu a convocação do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, para ser ouvido na CPI da Petrobras. Paulinho quer que o procurador esclareça os critérios para abertura de inquéritos na Operação Lava Jato. E disse que é preciso saber como ocorrem vazamentos seletivos de informações, que atingem alguns dos investigados. Segundo Paulinho, o Ministério Público contratou para isso duas grandes empresas de assessoria de imprensa, sem concorrência, por R$ 500 mil.

Pode piorar – 5
Acredite: o deputado federal Jair Bolsonaro, do PP fluminense, quer trocar de partido, para ser candidato à Presidência da República em 2018. Uma das propostas que recebeu é do PRTB. Bolsonaro sairia para a Presidência com o chefe do PRTB, Levy Fidelix, de vice. Aerotrem e bala, já que o trem-bala não sai.

Como piorou
Informa Lauro Jardim (http://veja.abril.com.br/blog/radar-on-line/) que um dirigente do PT conseguiu explicar por que o partido e o governo não se entendem. Disse o petista: “O problema é que o PT diz que está pagando pelos erros do governo. E o governo diz que está pagando pelos erros do PT”. Completa Lauro Jardim, com precisão: “Parece ser um típico caso em que os dois lados têm razão”.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;