Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 20 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

diarinho@dgabc.com.br | 4435-8396

Vindos direto do Ártico

Divulgação  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Primeiros da espécie no Brasil, ursos-polares comem carnes e frutas e precisam de frio


Bruna Almeida

26/04/2015 | 07:00


Os ursos-polares Aurora e Peregrino vieram da Rússia para o Brasil e são os primeiros de sua espécie no País. Em vida livre, esses mamíferos podem ser encontrados perto dos Estados Unidos, Canadá, Rússia, Groenlândia e Noruega, na região conhecida como Círculo Polar Ártico (linha imaginária criada no Norte da Terra).

Eles chegaram ao País em dezembro e começaram a ser expostos no dia 16 no Aquário de São Paulo (Rua Huet Bacelar, 407. Tel.: 2273-5500). O casal agora mora em um espaço de 1.500 metros quadrados, onde a temperatura controlada varia entre -9ºC e -12ºC. Aurora tem 4 anos e Peregrino 5. Juntos, eles pesam cerca de 730 quilos e sua alimentação conta com carnes variadas, verduras e muitas frutas – melancia é a favorita do macho. Cada dia eles têm pratos diferentes para comer.
 
Ao contrário do que todos pensam, eles não são brancos. Sua pelugem é translúcida e reflete a luz do sol, efeito que faz com que o olho humano enxergue o branco. Peregrino tem um tom mais amarelado, enquanto Aurora é mais clara. Durante o dia, eles gostam de brincar, assim como as crianças. Além disso, nadar é uma das atividades do dia a dia. À noite, eles dormem para descansar. 
 
Vários profissionais, entre eles veterinários e biólogos, trabalham para manter o bem-estar dos animais. Apesar da diferença climática da terra natal deles para o Brasil, o casal se adaptou bem ao novo lar.
 

Os ursos-polares vieram para cá para participar de um programa de pesquisa, conservação e reprodução da espécie. Devido às consequências do aquecimento global (aumento da temperatura do planeta, causado pelo acúmulo de gases poluentes), dois terços da população desse tipo de urso podem ser extintos até 2050. 

O Aquário de São Paulo funciona todos os dias, das 9h às 17h. Os valores da entrada variam de R$ 30 a R$ 60.

Espaço tem nova ala para visita

Os ursos-polares não são os únicos animais novos do Aquário de São Paulo. A ideia é que o espaço ganhe força como opção mais completa. Na nova área do local aberta este mês, o público viaja por três países diferentes e conhece diversas espécies de animais. 
 
O primeiro setor é a África. Lá, é possível encontrar suricatos, macacos colobus e lêmures. Depois, é a vez da Indonésia, com destaque para os maiores morcegos do mundo, também conhecidos como ‘raposas voadoras’ e com a venenosa cobra píton. Já na Australia, parte das atenções está em cima dos famosos cangurus. 
 
Os novos moradores já estão recendo o público e, assim como os outros animais do local, é possível admirá-los por meio de um grande vidro. O objetivo é que o contato com os animais seja o mais real possível entre preocupações com a segurança de ambos os lados. 
 
Além dos animais, o local possui atrações variadas, como o cinema 7D e o Aquário Abaixo de Zero, passeio no qual as pessoas são levadas para a Era do Gelo. No percurso, feito por carrinhos de trilho, o visitante encontra enormes versões eletrônicas de animais, caso de dinossauros.
 

Ainda vivem no Aquário de São Paulo diversos tipos de peixes, tubarões, pinguins, lobos-marinho e peixes-boi, entre outros que vivem no mar. Sua média de visitantes ao mês é de 30 mil pessoas.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Vindos direto do Ártico

Primeiros da espécie no Brasil, ursos-polares comem carnes e frutas e precisam de frio

Bruna Almeida

26/04/2015 | 07:00


Os ursos-polares Aurora e Peregrino vieram da Rússia para o Brasil e são os primeiros de sua espécie no País. Em vida livre, esses mamíferos podem ser encontrados perto dos Estados Unidos, Canadá, Rússia, Groenlândia e Noruega, na região conhecida como Círculo Polar Ártico (linha imaginária criada no Norte da Terra).

Eles chegaram ao País em dezembro e começaram a ser expostos no dia 16 no Aquário de São Paulo (Rua Huet Bacelar, 407. Tel.: 2273-5500). O casal agora mora em um espaço de 1.500 metros quadrados, onde a temperatura controlada varia entre -9ºC e -12ºC. Aurora tem 4 anos e Peregrino 5. Juntos, eles pesam cerca de 730 quilos e sua alimentação conta com carnes variadas, verduras e muitas frutas – melancia é a favorita do macho. Cada dia eles têm pratos diferentes para comer.
 
Ao contrário do que todos pensam, eles não são brancos. Sua pelugem é translúcida e reflete a luz do sol, efeito que faz com que o olho humano enxergue o branco. Peregrino tem um tom mais amarelado, enquanto Aurora é mais clara. Durante o dia, eles gostam de brincar, assim como as crianças. Além disso, nadar é uma das atividades do dia a dia. À noite, eles dormem para descansar. 
 
Vários profissionais, entre eles veterinários e biólogos, trabalham para manter o bem-estar dos animais. Apesar da diferença climática da terra natal deles para o Brasil, o casal se adaptou bem ao novo lar.
 

Os ursos-polares vieram para cá para participar de um programa de pesquisa, conservação e reprodução da espécie. Devido às consequências do aquecimento global (aumento da temperatura do planeta, causado pelo acúmulo de gases poluentes), dois terços da população desse tipo de urso podem ser extintos até 2050. 

O Aquário de São Paulo funciona todos os dias, das 9h às 17h. Os valores da entrada variam de R$ 30 a R$ 60.

Espaço tem nova ala para visita

Os ursos-polares não são os únicos animais novos do Aquário de São Paulo. A ideia é que o espaço ganhe força como opção mais completa. Na nova área do local aberta este mês, o público viaja por três países diferentes e conhece diversas espécies de animais. 
 
O primeiro setor é a África. Lá, é possível encontrar suricatos, macacos colobus e lêmures. Depois, é a vez da Indonésia, com destaque para os maiores morcegos do mundo, também conhecidos como ‘raposas voadoras’ e com a venenosa cobra píton. Já na Australia, parte das atenções está em cima dos famosos cangurus. 
 
Os novos moradores já estão recendo o público e, assim como os outros animais do local, é possível admirá-los por meio de um grande vidro. O objetivo é que o contato com os animais seja o mais real possível entre preocupações com a segurança de ambos os lados. 
 
Além dos animais, o local possui atrações variadas, como o cinema 7D e o Aquário Abaixo de Zero, passeio no qual as pessoas são levadas para a Era do Gelo. No percurso, feito por carrinhos de trilho, o visitante encontra enormes versões eletrônicas de animais, caso de dinossauros.
 

Ainda vivem no Aquário de São Paulo diversos tipos de peixes, tubarões, pinguins, lobos-marinho e peixes-boi, entre outros que vivem no mar. Sua média de visitantes ao mês é de 30 mil pessoas.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;