Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 25 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Ministros da zona do euro se irritam com lentidão grega



24/04/2015 | 06:17


Os ministros de Finanças da zona do euro pedem que o governo grego se apresse na apresentação de um plano que detalhe como o país pretende pagar sua dívida com credores internacionais. Alguns deles, inclusive, têm manifestado aborrecimento com a falta de progresso nas negociações.

"Já estou bastante irritado com essa questão", disse o ministro de Finanças da Áustria, Hans Jörg Schelling, que, nesta sexta-feira, na Letônia, se encontra com seus colegas da zona do euro em reunião do Eurogrupo, grupo informal de ministros de Finanças do bloco.

Conversas técnicas entre a Grécia e seus credores internacionais têm se arrastado há semanas sem um acordo sobre as revisões e cortes no orçamento do governo grego, que precisam ser implementadas em troca de ajuda sustentada. A reunião de ministros na Letônia vem antes de mais uma tentativa de acordo, cujo prazo final é o fim de abril.

"Nós estamos conversamos, mas falta substância", disse o ministro das Finanças eslovaco, Peter Kazimir. "Estamos à espera de propostas reais", acrescentou. Kazimir declarou ainda que, em vez de se concentrar sobre o prazo do fim de abril, todas as partes devem se certificar de que eles podem chegar a um acordo antes do fim de junho, quando expira o acordo de resgate da Grécia com a zona do euro e o Fundo Monetário Internacional (FMI), de 240 bilhões de euros.

Depois disso, a Grécia terá de pagar mais de 6 bilhões de euros em dívidas para o Banco Central Europeu (BCE), e é provável que seja incapaz de cumprir esta obrigação sem conseguir mais crédito internacional.

Alguns ministros, incluindo o holandês Jeroen Dijsselbloem, que lidera as negociações com os seus colegas da zona do euro, dizem que o ambiente de trabalho entre os dois lados tem melhorado, mas que ainda é necessário acelerar o processo.

O austríaco Schelling afirmou também que o progresso tem deixado a desejar. "Não se pode confirmar que estamos avançando em passos essenciais", disse, acrescentando que "percepções divergentes" sobre o que é preciso ser feito têm dificultado as conversas com o governo grego. "Nós estamos perdendo muito tempo", afirmou.

O governo de extrema-esquerda primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, tem se recuado a aceitar mais medidas de austeridade, em especial no sistema previdenciário do país e outras voltadas para o mercado de trabalho, que haviam sido aceitas pelo governo anterior em acordo de resgate de 2012. Fonte: Dow Jones Newswires.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;