Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 12 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Após sinalizar que não dará reajuste, Lauro pede tempo

Celso Luiz/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Prefeito de Diadema solicita mais uma semana ao Sindema para formalizar proposta à categoria


Raphael Rocha
Do Diário do Grande ABC

03/04/2015 | 07:00


O governo do prefeito de Diadema, Lauro Michels (PV), pediu mais uma semana de prazo para formalizar proposta ao Sindema (Sindicato dos Servidores Públicos de Diadema). No mês passado, a administração do PV informou ao sindicato que não iria reajustar os salários por conta do aperto financeiro da Prefeitura.

Ontem, representantes do Sindema e integrantes da equipe de Finanças do Paço se reuniram para buscar acordo. Funcionários não esconderam irritação ao receberem proposta de reajuste zero por parte do município – havia esperança de que a inflação do período fosse colocada à mesa, mas o governo sequer cogitou essa possibilidade. Em anos anteriores, índice inflacionário foi concedido.

O Sindema pede, entre outros itens da pauta de reivindicações, reajuste salarial de 11%. São 7,9% referentes à inflação entre março do ano passado e fevereiro deste ano, além de 3,1% de ganho real.

O próximo encontro entre as partes deve acontecer antes do dia 9, para quando está convocada assembleia geral de servidores. A intenção da direção do Sindema é levar a proposta à apreciação da categoria neste dia. Há chance de ser convocada greve.

Nesta semana, houve protestos localizados contra a intenção do governo de não majorar os vencimentos. As manifestações aconteceram em repartições públicas, como UBSs (Unidades Básicas de Saúde), por horário determinado e com panfletagem à população com a pauta de reivindicações.

“Estamos com pé no chão. Sabemos que o quadro econômico não é dos melhores. Mas não podemos abrir mão da inflação”, declarou o presidente do Sindema, José Aparecido da Silva, o Neno.

O dirigente afirmou que pode haver flexibilidade na negociação salarial principal – como a redução do ganho real, por exemplo – se houver compensações nos demais itens da pauta. Entre eles estão reajuste do vale-alimentação de R$ 245,48 para R$ 400, acréscimo no vale-refeição para R$ 31 por dia e implantação de programa de habitação para servidores de baixa renda.

O grande entrave da majoração salarial é a folha de pagamento. A LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal) determina que prefeituras empenhem até 54% da receita corrente líquida para pagamento de funcionários. Diadema, em 2014, destinou 52,04% de sua verba para quitação de pendências patronais – ultrapassando o limite prudencial da LRF, de 51,3% da receita. No começo do ano, a proporção alcançou os 54%, fato que, segundo a administração Lauro, inviabiliza qualquer concessão de benefício à categoria.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Após sinalizar que não dará reajuste, Lauro pede tempo

Prefeito de Diadema solicita mais uma semana ao Sindema para formalizar proposta à categoria

Raphael Rocha
Do Diário do Grande ABC

03/04/2015 | 07:00


O governo do prefeito de Diadema, Lauro Michels (PV), pediu mais uma semana de prazo para formalizar proposta ao Sindema (Sindicato dos Servidores Públicos de Diadema). No mês passado, a administração do PV informou ao sindicato que não iria reajustar os salários por conta do aperto financeiro da Prefeitura.

Ontem, representantes do Sindema e integrantes da equipe de Finanças do Paço se reuniram para buscar acordo. Funcionários não esconderam irritação ao receberem proposta de reajuste zero por parte do município – havia esperança de que a inflação do período fosse colocada à mesa, mas o governo sequer cogitou essa possibilidade. Em anos anteriores, índice inflacionário foi concedido.

O Sindema pede, entre outros itens da pauta de reivindicações, reajuste salarial de 11%. São 7,9% referentes à inflação entre março do ano passado e fevereiro deste ano, além de 3,1% de ganho real.

O próximo encontro entre as partes deve acontecer antes do dia 9, para quando está convocada assembleia geral de servidores. A intenção da direção do Sindema é levar a proposta à apreciação da categoria neste dia. Há chance de ser convocada greve.

Nesta semana, houve protestos localizados contra a intenção do governo de não majorar os vencimentos. As manifestações aconteceram em repartições públicas, como UBSs (Unidades Básicas de Saúde), por horário determinado e com panfletagem à população com a pauta de reivindicações.

“Estamos com pé no chão. Sabemos que o quadro econômico não é dos melhores. Mas não podemos abrir mão da inflação”, declarou o presidente do Sindema, José Aparecido da Silva, o Neno.

O dirigente afirmou que pode haver flexibilidade na negociação salarial principal – como a redução do ganho real, por exemplo – se houver compensações nos demais itens da pauta. Entre eles estão reajuste do vale-alimentação de R$ 245,48 para R$ 400, acréscimo no vale-refeição para R$ 31 por dia e implantação de programa de habitação para servidores de baixa renda.

O grande entrave da majoração salarial é a folha de pagamento. A LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal) determina que prefeituras empenhem até 54% da receita corrente líquida para pagamento de funcionários. Diadema, em 2014, destinou 52,04% de sua verba para quitação de pendências patronais – ultrapassando o limite prudencial da LRF, de 51,3% da receita. No começo do ano, a proporção alcançou os 54%, fato que, segundo a administração Lauro, inviabiliza qualquer concessão de benefício à categoria.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;