Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 19 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

dmais@dgabc.com.br | 4435-8396

Uniforme: moda ou mico?


Marcela Munhoz
Do Diário do Grande ABC

01/05/2011 | 07:00


O que o jogador de futebol faz antes de entrar em campo? O mesmo que você antes de ir à escola: veste o uniforme. Tirando os colégios em que isso não é norma, colocar a vestimenta faz parte da rotina de muita gente. As escolas decidem se o uso é obrigatório ou não e cada uma têm a sua regra em relação a como os alunos devem se vestir. Alguns até curtem a ideia de ter algo padronizado, outros não gostam de jeito nenhum.

Isabella Kassawara, 15 anos, deu graças a Deus de não usar mais a calça do uniforme. No Jean Piaget, em São Bernardo, os alunos do Ensino Médio só precisam ir com a blusa do colégio. "Cada momento é um flash, é preciso sempre estar bonita", brinca a garota, que gostaria que as gravatinhas (estilo novela Rebelde) fizessem parte do figurino. "Seria estiloso." Para ela, a blusa poderia ser feita com tecido mais leve e ter mais detalhes. "A nossa é basiquinha."

Segundo a maioria dos alunos entrevistados pelo, a grande desvantagem do uniforme é que é mais difícil mostrar os gostos e personalidades de cada um. "Fica todo mundo igualzinho, é meio sem graça", repara Ricardo Borges, 16. Já para a irmã dele, Renata, 16, não é o que a pessoa veste que vai dizer o que ela é. Mesmo assim, a garota concorda que cada um dá um jeito de mostrar o estilo, nem que seja nos acessórios. "Podemos usar os calçados e blusas de frio que queremos. Também dá para caprichar nas bijus e maquiagem, embora eu não use. Escola é para estudar." Em relação a isso, os meninos são mais tranquilos, acredita Yuri Lovalho, 14. "A gente pega a primeira calça, bermuda e tênis que vê pela frente e está bom demais. O que importa é estar à vontade e bem confortável."

 

Praticidade é tudo

Embora seja legal desfrutar a liberdade de vestir o que der na telha, o uniforme tem vantagens. A maior é a praticidade de não ficar escolhendo e combinando peças todos os dias. "Assim não tem desfile de moda nem comparação. Também não precisa acordar mais cedo para isso", observa Tamily Gallucci, 17 anos, da EME Alcina Dantas Feijão, de São Caetano.

Todas as escolas da cidade usam exatamente o mesmo uniforme. "Isso não é legal. Podia ter, pelo menos, o nome de cada uma para diferenciar. Além disso, a blusa de frio não esquenta muito, mas as cores são bonitas", opina Tauni Belves, 16. Antigamente, o uniforme era marrom, passou pelo azul e branco, agora é verde, vermelho e azul. Outra coisa boa de ir uniformizado, segundo Abner de Castilho, 16, é que a roupa é confortável. "Não adianta usar peças que atrapalham."

Além de economizar as roupas do dia a dia, segundo Paulo Sérgio Garcia, coordenador do colégio, o uniforme tem mais significados do que se imagina. "Insere o aluno em um grupo e isso é muito importante", explica. Para se sentir aceita pela galera, a psicostylist Márcia Jorge, teve que entrar na onda das calças coloridas e blusas xadrez usadas na sua época. Detalhe: ela amava preto. "Acabei virando uma patricinha para me igualar às colegas. Nem curtia xadrez, mas tive de pedir emprestada uma camisa do meu pai. Incorporei um personagem", conta a profissional da moda.

Por isso, para ela, o melhor mesmo é usar uniforme, desde que tenha estilo. "Deveriam ser oferecidas opções de tecidos e modelos. Antigamente, era mais comum meninos e meninas com o mesmo tipo de roupa. Não dá para se sentir à vontade assim."

 

Tem que ter limite

Os alunos do Ensino Médio do Colégio Singular, de Santo André, podem estudar sem uniforme, a não ser nas aulas de Educação Física (quem esquece leva advertência). Se de um lado eles curtem mostrar o estilo, de outro acham que dá bem mais trabalho ir com a roupa do dia a dia.

"No começo adorei a ideia e me empolguei, mas já usei todas as minhas roupas", diz Carolina Riplo, 14 anos. Para ela, o elemento surpresa da balada e o gostinho de não usar uniforme no cursinho e faculdade, não existe mais por causa disso. "Todo mundo já sabe como se veste dentro e fora do colégio. Não tem mais o que esperar."

Porém, não é porque pode entrar sem uniforme que a escola permite abusos. Regra é regra. "Não dá para ir de chinelo, saia, shorts nem camisetas de time. Acho certo isso, senão, a galera exagera", acredita Matheus Carrasco, 14. Os sapatos crocs, brincos, maquiagens e bonés (menos nas provas) são liberados. Ana Carolina Assay, 14, conta que principalmente as meninas tentam dar a famosa subidinha na bermuda e, algumas usam decote. "É legal ter o próprio estilo, mas acho que todo mundo deveria usar roupas confortáveis."

Além de não curtir ficar escolhendo roupa todo dia e sempre trazer peça errada (quando está frio, usa camiseta; quando está calor, blusa comprida), Guilherme Batista, 14, acredita que sem uniforme, as mães acabam lavando mais roupas. "Dá mais trabalho mesmo. Elas não gostam não."

 

DÊ UM UP NO VISUAL

Já ouviu falar em customização? Que tal deixar o uniforme com a sua cara e personalidade? Mas, antes de fazer qualquer modificação, peça autorização para o colégio e pais. Não abuse: você vai estudar e não desfilar. Concentre-se nisso e confira algumas dicas:

No começo do ano, sugira que sua turma personalize a camiseta com algum desenho ou frase que faça sentido para vocês, mas que não anulem o símbolo e as principais características do uniforme.

Corte a gola da camiseta com cuidado para não ficar torta. Não exagere. É a camiseta da escola e não um abadá do Carnaval.

Se a calça for fechada na barra, faça pequenos cortes nas laterais para ficar mais moderno.

Aproveite a moda e costure botões e tachinhas. Esses detalhes dão um charme a mais.

 

ACESSÓRIOS FAZEM A DIFERENÇA

Se seu colégio não permite nenhuma modificação no uniforme, capriche nos acessórios. Há variedade de opções, basta ter criatividade.

As meninas podem fazer penteado legal (rabo e trança) e usar enfeites no cabelo. Unhas pintadas, maquiagem, bijus, lenços, cintos e broches também pode mudar o visual. Sapatilhas e tênis combinam muito bem. O problema das sandálias é que os pés precisam estar sempre em ordem.

Um tênis descolado (e até customizado) complementa o uniforme dos meninos, que podem optar pelas correntes, pulseiras, brincos e até os headfones, cada vez mais coloridos.

Além disso, é possível dizer muito sobre a personalidade da pessoa só pelo tipo de material escolar e mochila que escolhe.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Uniforme: moda ou mico?

Marcela Munhoz
Do Diário do Grande ABC

01/05/2011 | 07:00


O que o jogador de futebol faz antes de entrar em campo? O mesmo que você antes de ir à escola: veste o uniforme. Tirando os colégios em que isso não é norma, colocar a vestimenta faz parte da rotina de muita gente. As escolas decidem se o uso é obrigatório ou não e cada uma têm a sua regra em relação a como os alunos devem se vestir. Alguns até curtem a ideia de ter algo padronizado, outros não gostam de jeito nenhum.

Isabella Kassawara, 15 anos, deu graças a Deus de não usar mais a calça do uniforme. No Jean Piaget, em São Bernardo, os alunos do Ensino Médio só precisam ir com a blusa do colégio. "Cada momento é um flash, é preciso sempre estar bonita", brinca a garota, que gostaria que as gravatinhas (estilo novela Rebelde) fizessem parte do figurino. "Seria estiloso." Para ela, a blusa poderia ser feita com tecido mais leve e ter mais detalhes. "A nossa é basiquinha."

Segundo a maioria dos alunos entrevistados pelo, a grande desvantagem do uniforme é que é mais difícil mostrar os gostos e personalidades de cada um. "Fica todo mundo igualzinho, é meio sem graça", repara Ricardo Borges, 16. Já para a irmã dele, Renata, 16, não é o que a pessoa veste que vai dizer o que ela é. Mesmo assim, a garota concorda que cada um dá um jeito de mostrar o estilo, nem que seja nos acessórios. "Podemos usar os calçados e blusas de frio que queremos. Também dá para caprichar nas bijus e maquiagem, embora eu não use. Escola é para estudar." Em relação a isso, os meninos são mais tranquilos, acredita Yuri Lovalho, 14. "A gente pega a primeira calça, bermuda e tênis que vê pela frente e está bom demais. O que importa é estar à vontade e bem confortável."

 

Praticidade é tudo

Embora seja legal desfrutar a liberdade de vestir o que der na telha, o uniforme tem vantagens. A maior é a praticidade de não ficar escolhendo e combinando peças todos os dias. "Assim não tem desfile de moda nem comparação. Também não precisa acordar mais cedo para isso", observa Tamily Gallucci, 17 anos, da EME Alcina Dantas Feijão, de São Caetano.

Todas as escolas da cidade usam exatamente o mesmo uniforme. "Isso não é legal. Podia ter, pelo menos, o nome de cada uma para diferenciar. Além disso, a blusa de frio não esquenta muito, mas as cores são bonitas", opina Tauni Belves, 16. Antigamente, o uniforme era marrom, passou pelo azul e branco, agora é verde, vermelho e azul. Outra coisa boa de ir uniformizado, segundo Abner de Castilho, 16, é que a roupa é confortável. "Não adianta usar peças que atrapalham."

Além de economizar as roupas do dia a dia, segundo Paulo Sérgio Garcia, coordenador do colégio, o uniforme tem mais significados do que se imagina. "Insere o aluno em um grupo e isso é muito importante", explica. Para se sentir aceita pela galera, a psicostylist Márcia Jorge, teve que entrar na onda das calças coloridas e blusas xadrez usadas na sua época. Detalhe: ela amava preto. "Acabei virando uma patricinha para me igualar às colegas. Nem curtia xadrez, mas tive de pedir emprestada uma camisa do meu pai. Incorporei um personagem", conta a profissional da moda.

Por isso, para ela, o melhor mesmo é usar uniforme, desde que tenha estilo. "Deveriam ser oferecidas opções de tecidos e modelos. Antigamente, era mais comum meninos e meninas com o mesmo tipo de roupa. Não dá para se sentir à vontade assim."

 

Tem que ter limite

Os alunos do Ensino Médio do Colégio Singular, de Santo André, podem estudar sem uniforme, a não ser nas aulas de Educação Física (quem esquece leva advertência). Se de um lado eles curtem mostrar o estilo, de outro acham que dá bem mais trabalho ir com a roupa do dia a dia.

"No começo adorei a ideia e me empolguei, mas já usei todas as minhas roupas", diz Carolina Riplo, 14 anos. Para ela, o elemento surpresa da balada e o gostinho de não usar uniforme no cursinho e faculdade, não existe mais por causa disso. "Todo mundo já sabe como se veste dentro e fora do colégio. Não tem mais o que esperar."

Porém, não é porque pode entrar sem uniforme que a escola permite abusos. Regra é regra. "Não dá para ir de chinelo, saia, shorts nem camisetas de time. Acho certo isso, senão, a galera exagera", acredita Matheus Carrasco, 14. Os sapatos crocs, brincos, maquiagens e bonés (menos nas provas) são liberados. Ana Carolina Assay, 14, conta que principalmente as meninas tentam dar a famosa subidinha na bermuda e, algumas usam decote. "É legal ter o próprio estilo, mas acho que todo mundo deveria usar roupas confortáveis."

Além de não curtir ficar escolhendo roupa todo dia e sempre trazer peça errada (quando está frio, usa camiseta; quando está calor, blusa comprida), Guilherme Batista, 14, acredita que sem uniforme, as mães acabam lavando mais roupas. "Dá mais trabalho mesmo. Elas não gostam não."

 

DÊ UM UP NO VISUAL

Já ouviu falar em customização? Que tal deixar o uniforme com a sua cara e personalidade? Mas, antes de fazer qualquer modificação, peça autorização para o colégio e pais. Não abuse: você vai estudar e não desfilar. Concentre-se nisso e confira algumas dicas:

No começo do ano, sugira que sua turma personalize a camiseta com algum desenho ou frase que faça sentido para vocês, mas que não anulem o símbolo e as principais características do uniforme.

Corte a gola da camiseta com cuidado para não ficar torta. Não exagere. É a camiseta da escola e não um abadá do Carnaval.

Se a calça for fechada na barra, faça pequenos cortes nas laterais para ficar mais moderno.

Aproveite a moda e costure botões e tachinhas. Esses detalhes dão um charme a mais.

 

ACESSÓRIOS FAZEM A DIFERENÇA

Se seu colégio não permite nenhuma modificação no uniforme, capriche nos acessórios. Há variedade de opções, basta ter criatividade.

As meninas podem fazer penteado legal (rabo e trança) e usar enfeites no cabelo. Unhas pintadas, maquiagem, bijus, lenços, cintos e broches também pode mudar o visual. Sapatilhas e tênis combinam muito bem. O problema das sandálias é que os pés precisam estar sempre em ordem.

Um tênis descolado (e até customizado) complementa o uniforme dos meninos, que podem optar pelas correntes, pulseiras, brincos e até os headfones, cada vez mais coloridos.

Além disso, é possível dizer muito sobre a personalidade da pessoa só pelo tipo de material escolar e mochila que escolhe.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;