Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 18 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Representantes do Timor Leste discutem reconciliaçao


Do Diário do Grande ABC

28/06/1999 | 10:54


Cerca de 60 personalidades, representantes de várias tendências no Timor Leste, se reuniram esta segunda-feira nos subúrbios de Jacarta, para tentar estabelecer as bases da reconciliaçao na ex-colônia portuguesa anexada pela Indonésia, em 1975.

Este segundo encontro, organizado pelos bispos Carlos Ximenes, Felipe Belo e Basilio Nascimento, acontece menos de dois meses antes da data prevista para um plebiscito em que a populaçao do território se pronunciará a favor ou contra sua integraçao à Indonésia, sob a coordenaçao das Naçoes Unidas.

A primeira sessao deste encontro, que se realiza num grande hotel de Jacarta, perto do aeroporto internacional, reuniu na sexta-feira e no sábado os representantes timoreses que vivem atualmente no território. A segunda sessao, prevista para durar até quarta-feira, está aberta às personalidades timoresas que vivem no exílio.

José Ramos-Horta, que junto com o bispo de Dili, Felipe Belo, é prêmio Nobel da paz, obteve um visto que lhe permite participar da reuniao. É a primeira vez que volta à Indonésia, depois de partir para o exílio, quando o Timor Leste foi invadido, em 1975. Xanana Gusmao, dirigente da resistência que cumpre 20 anos de prisao, também foi autorizado por Jacarta a participar do encontro.

Falando em português, Gusmao lembrou que quando os primeiros passos ainda eram difíceis, era responsabilidade dos delegados obter uma reconciliaçao no Timor Leste. ``Já foram dados os passos mais difíceis - disse Gusmao -, o de aceitar a necessidade de um diálogo, que significa compreender melhor idéias contraditórias, o fim do medo e a recusa à violência''.

Por sua vez, o líder do setor pró-indonésio, Francisco Xavier Lopes da Cruz, disse que todo o povo timorês ``está ansioso em obter uma compreensao e é capaz de permanecer unido para a paz''.

Os timoreses votam em agosto para decidir se permanecem integrados à Indonésia ou se querem a independência.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Representantes do Timor Leste discutem reconciliaçao

Do Diário do Grande ABC

28/06/1999 | 10:54


Cerca de 60 personalidades, representantes de várias tendências no Timor Leste, se reuniram esta segunda-feira nos subúrbios de Jacarta, para tentar estabelecer as bases da reconciliaçao na ex-colônia portuguesa anexada pela Indonésia, em 1975.

Este segundo encontro, organizado pelos bispos Carlos Ximenes, Felipe Belo e Basilio Nascimento, acontece menos de dois meses antes da data prevista para um plebiscito em que a populaçao do território se pronunciará a favor ou contra sua integraçao à Indonésia, sob a coordenaçao das Naçoes Unidas.

A primeira sessao deste encontro, que se realiza num grande hotel de Jacarta, perto do aeroporto internacional, reuniu na sexta-feira e no sábado os representantes timoreses que vivem atualmente no território. A segunda sessao, prevista para durar até quarta-feira, está aberta às personalidades timoresas que vivem no exílio.

José Ramos-Horta, que junto com o bispo de Dili, Felipe Belo, é prêmio Nobel da paz, obteve um visto que lhe permite participar da reuniao. É a primeira vez que volta à Indonésia, depois de partir para o exílio, quando o Timor Leste foi invadido, em 1975. Xanana Gusmao, dirigente da resistência que cumpre 20 anos de prisao, também foi autorizado por Jacarta a participar do encontro.

Falando em português, Gusmao lembrou que quando os primeiros passos ainda eram difíceis, era responsabilidade dos delegados obter uma reconciliaçao no Timor Leste. ``Já foram dados os passos mais difíceis - disse Gusmao -, o de aceitar a necessidade de um diálogo, que significa compreender melhor idéias contraditórias, o fim do medo e a recusa à violência''.

Por sua vez, o líder do setor pró-indonésio, Francisco Xavier Lopes da Cruz, disse que todo o povo timorês ``está ansioso em obter uma compreensao e é capaz de permanecer unido para a paz''.

Os timoreses votam em agosto para decidir se permanecem integrados à Indonésia ou se querem a independência.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;