Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 20 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Homem que seqüestrou ônibus vai alegar distúrbio mental


Do Diário OnLine

24/01/2003 | 09:07


O advogado do desempregado André de Carvalho Pereira, 25 anos, que na manhã desta quinta manteve cinco pessoas como reféns dentro de um ônibus na avenida Engenheiro George Corbisier, no bairro Jabaquara, zona Sul de São Paulo, vai alegar amnésia e distúrbio mental para justificar a atitude de seu cliente.

Depois de quase duas horas de negociações, ele libertou as vítimas e se rendeu à polícia. Ninguém ficou ferido. Para o advogado de Pereira, ele não pode ser tratado como um seqüestrador. O homem que manteve o motorista e outros passageiros sob a mira de um revólver foi indiciado por seqüestro, cárcere privado, constrangimento ilegal e porte de armas.

Segundo informações da polícia, Pereira estava sob efeito de alcóol. Em depoimento, ele disse que pretendia chamar a atenção das autoridades pelo fato de estar desempregado, e não era sua intenção machucar ninguém.

Ocorrência - Quando a ação começou, por volta das 7h de quinta-feira, cerca de 15 pessoas estavam dentro do ônibus, mas alguns conseguiram fugir quando perceberam que Pereira estava armado. Quem saiu do veículo avisou a polícia.

O motorista disse que Pereira entrou no ônibus, pagou a passagem e se sentou no fundo. Mais tarde, o rapaz pulou a catraca e dirigiu-se a Oliveira. “Eu perguntei por que ele tinha feito aquilo e ele respondeu: ‘Na realidade nem eu sei.’” Durante a ação, um bancário foi mantido em posição de escudo pelo criminoso por quase duas horas.

Pereira tinha R$ 50 escondidos numa meia, costume que, segundo ele, é por “medo de assalto”. O criminoso, que já tinha passagem pela polícia por receptação de carro roubado, foi levado para o 35º Distrito Policial.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;