Fechar
Publicidade

Sábado, 8 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Médico do Ratinho sai da cadeia


Luciano Cavenagui
Do Diário do Grande ABC

21/03/2007 | 07:00


O ex-deputado estadual José Dilson de Carvalho (PDT), conhecido como médico do apresentador Ratinho, foi solto segunda-feira da carceragem da Polícia Federal em São Paulo. Carvalho foi preso no último sábado a mando da Justiça Federal acusado de ser depositário infiel (quem se desfaz de bens cuja a guarda lhe foi atribuída pela Justiça).


O ex-deputado foi solto às 16h, após seu advogado depositar em juízo R$ 50 mil, quantia que se refere ao valor do bem, um aparelho de raio X que estava guardado no seu hospital, o Hospital das Nações, em Santo André. O processo que Carvalho está como depositário fiel foi movido pelo INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) contra o hospital por supostas irregularidades tributárias.


“Acabei sendo preso de uma maneira que considero injusta. Esse aparelho de raio X foi vendido sem meu consentimento em 2005 pelo então comprador do hospital, Abdias Araújo Teixeira Júnior. Fui parar na prisão por uma coisa que ele fez”, afirmou.

Teixeira Júnior é bispo da igreja evangélica Missões Vida Eterna. Ele nega a acusação. “Não vendi nenhum aparelho de raio X sob guarda da Justiça. Isso é um absurdo. Ele (Carvalho) vai ter de provar o que está falando”, disse.

O ex-deputado disse que foi bem-tratado nas 37 horas em que ficou preso na Polícia Federal. “Tenho curso superior,com direito a cela especial, e o lugar que fiquei até que não era tão ruim. A comida também era boa. Não tenho do que me queixar”, contou.

Carvalho voltou a ter o comando do Hospital das Nações em novembro do ano passado, parcialmente interditado em 2005 pela Vigilância Sanitária. Ele obteve na Justiça reintegração de posse do local, após negociação turbulenta com Teixeira Júnior.


“Ele não pagou o prometido em contrato e obtive o hospital de volta”, conta José Dilson. “Não agi errado. Vou recorrer dessa decisão e reaver o hospital”, defendeu-se o bispo.


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Médico do Ratinho sai da cadeia

Luciano Cavenagui
Do Diário do Grande ABC

21/03/2007 | 07:00


O ex-deputado estadual José Dilson de Carvalho (PDT), conhecido como médico do apresentador Ratinho, foi solto segunda-feira da carceragem da Polícia Federal em São Paulo. Carvalho foi preso no último sábado a mando da Justiça Federal acusado de ser depositário infiel (quem se desfaz de bens cuja a guarda lhe foi atribuída pela Justiça).


O ex-deputado foi solto às 16h, após seu advogado depositar em juízo R$ 50 mil, quantia que se refere ao valor do bem, um aparelho de raio X que estava guardado no seu hospital, o Hospital das Nações, em Santo André. O processo que Carvalho está como depositário fiel foi movido pelo INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) contra o hospital por supostas irregularidades tributárias.


“Acabei sendo preso de uma maneira que considero injusta. Esse aparelho de raio X foi vendido sem meu consentimento em 2005 pelo então comprador do hospital, Abdias Araújo Teixeira Júnior. Fui parar na prisão por uma coisa que ele fez”, afirmou.

Teixeira Júnior é bispo da igreja evangélica Missões Vida Eterna. Ele nega a acusação. “Não vendi nenhum aparelho de raio X sob guarda da Justiça. Isso é um absurdo. Ele (Carvalho) vai ter de provar o que está falando”, disse.

O ex-deputado disse que foi bem-tratado nas 37 horas em que ficou preso na Polícia Federal. “Tenho curso superior,com direito a cela especial, e o lugar que fiquei até que não era tão ruim. A comida também era boa. Não tenho do que me queixar”, contou.

Carvalho voltou a ter o comando do Hospital das Nações em novembro do ano passado, parcialmente interditado em 2005 pela Vigilância Sanitária. Ele obteve na Justiça reintegração de posse do local, após negociação turbulenta com Teixeira Júnior.


“Ele não pagou o prometido em contrato e obtive o hospital de volta”, conta José Dilson. “Não agi errado. Vou recorrer dessa decisão e reaver o hospital”, defendeu-se o bispo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;