Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 16 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

RJ pretende construir usina nuclear Angra III


Do Diário do Grande ABC

09/12/1999 | 13:33


O ministro da Ciência e Tecnologia, Ronaldo Mota Sardenberg, afirmou nesta quinta-feira, que em cinco anos mais de 70% da energia a abastecer o Rio de Janeiro será nuclear, a partir da construçao da Usina de Angra III.

Segundo o ministro, o projeto para a construçao da usina está pronto e a discussao gira em torno de como será financiado. ''Nos próximos meses, a Usina Angra II já estará em funcionamento e fornecerá ao Rio de Janeiro 1.300 megawatts, na ordem de 30% da energia consumida no estado``, declarou. O ministro ressaltou que, ao buscar outra fonte de energia, nao viu outra alternativa além da nuclear, em funçao da demanda crescente no Brasil inteiro.

''A energia hidrelétrica está se esgotando. A opçao pela energia nuclear nao é fácil. Superou até eventuais riscos e a polêmica que envolve a questao``, disse ele. Sardenberg observou que, com o aumento da utilizaçao de energia nuclear no Rio, a hidrelétrica poderá ser desviada para outras regioes.

Sardenberg informou que o aumento da demanda por energia está muito mais acelerado do que o crescimento da economia no país. ''Se tivermos um crescimento de 0,3% da economia este ano, como está previsto, o consumo de energia elétrica doméstica vai crescer mais de 4%``, disse.

O ministro afirmou que qualquer sinal de aumento da distribuiçao de renda já provoca altas significativas no consumo de energia e, por isso, é necessário buscar energias alternativas. ''Teremos que recorrer ao gás natural, que já vem da Bolívia, Argentina e Bacia de Campos, energia eólica e energia solar, dependendo das localidades``.

Com relaçao à Amazônia, afirmou que quase metade da populaçao do estado deverá ser abastecida com energia solar, nos próximos anos. ''De uma populaçao com 16 milhoes de pessoas, 7 milhoes que estao em localidades isoladas precisarao dessa fonte de energia porque é mais barato e mais acessível``.

No Rio de Janeiro, lembrou o ministro, a usina nuclear Angra I está em funcionamento e produz 600 megawatts por ano.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

RJ pretende construir usina nuclear Angra III

Do Diário do Grande ABC

09/12/1999 | 13:33


O ministro da Ciência e Tecnologia, Ronaldo Mota Sardenberg, afirmou nesta quinta-feira, que em cinco anos mais de 70% da energia a abastecer o Rio de Janeiro será nuclear, a partir da construçao da Usina de Angra III.

Segundo o ministro, o projeto para a construçao da usina está pronto e a discussao gira em torno de como será financiado. ''Nos próximos meses, a Usina Angra II já estará em funcionamento e fornecerá ao Rio de Janeiro 1.300 megawatts, na ordem de 30% da energia consumida no estado``, declarou. O ministro ressaltou que, ao buscar outra fonte de energia, nao viu outra alternativa além da nuclear, em funçao da demanda crescente no Brasil inteiro.

''A energia hidrelétrica está se esgotando. A opçao pela energia nuclear nao é fácil. Superou até eventuais riscos e a polêmica que envolve a questao``, disse ele. Sardenberg observou que, com o aumento da utilizaçao de energia nuclear no Rio, a hidrelétrica poderá ser desviada para outras regioes.

Sardenberg informou que o aumento da demanda por energia está muito mais acelerado do que o crescimento da economia no país. ''Se tivermos um crescimento de 0,3% da economia este ano, como está previsto, o consumo de energia elétrica doméstica vai crescer mais de 4%``, disse.

O ministro afirmou que qualquer sinal de aumento da distribuiçao de renda já provoca altas significativas no consumo de energia e, por isso, é necessário buscar energias alternativas. ''Teremos que recorrer ao gás natural, que já vem da Bolívia, Argentina e Bacia de Campos, energia eólica e energia solar, dependendo das localidades``.

Com relaçao à Amazônia, afirmou que quase metade da populaçao do estado deverá ser abastecida com energia solar, nos próximos anos. ''De uma populaçao com 16 milhoes de pessoas, 7 milhoes que estao em localidades isoladas precisarao dessa fonte de energia porque é mais barato e mais acessível``.

No Rio de Janeiro, lembrou o ministro, a usina nuclear Angra I está em funcionamento e produz 600 megawatts por ano.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;