Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 26 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Sheiks esperam resposta de iraquianos a apelo


Leone Farias
Do Diário do Grande ABC

06/02/2005 | 19:31


Os sheiks de São Bernardo Ali Abdouni e Jihad Hassan Hammadeh, representantes da comunidade muçulmana do Brasil que participam das negociações para a libertação do brasileiro João José Vasconcelos Júnior, seqüestrado no último dia 19 de janeiro no Iraque, desembarcaram sábado de manhã em São Paulo, de volta do Líbano.

Os sheiks vieram aguardar no Brasil alguma resposta ao apelo gravado em que pedem a libertação do brasileiro e se mantém à disposição para, se necessário, ir até o Iraque colaborar para o fim do seqüestro.

O vice-representante da comunidade muçulmana e vice-presidente da Assembléia Mundial da Juventude Islâmica, Jihad Hassan Hammadeh, e o representante da comunidade e presidente da Assembléia Mundial da Juventude Islâmica, Ali Abdouni, solicitaram na última semana ao porta-voz do Conselho

dos Sábios do Iraque, Moussanah Adari, que seja reproduzida mensagem gravada nas mesquitas iraquianas, que totalizam cerca de 9 mil naquele país, em que Abdouni pede clemência para o engenheiro brasileiro.

“Aguardamos manifestação dos próprios seqüestradores e que o apelo chegue a todas as camadas da sociedade, para que eles se sensibilizem”, diz Hammadeh. Hammadeh diz ainda que faz todos os dias contato com o governo brasileiro e com os Conselhos de Sábios do Líbano e do Iraque e com o Conselho Mundial dos Sábios, no aguardo de informações sobre Vasconcelos, e acrescenta que, se preciso, ele e Abdouni vão ao Iraque “como civis, sem ligação governamental”.

Ainda de acordo com o vice-representante, o Conselho dos Sábios é bem respeitado pela população iraquiana. Ele acrescenta que há motivos para ter esperança já que “o Brasil é bem-quisto no Iraque e não tem soldados naquele país”. “Tenho esperança de que ele esteja vivo. Se estivesse morto, já teria aparecido alguma notícia. Estamos trabalhando com muito afinco porque acreditamos.” No entanto, ele disse que a cada dia surgem novos grupos que não reconhecem o governo e que a situação é “uma incógnita”.

O caso – Os sheiks de São Bernardo foram contatados pela Liga da Juventude Islâmica do Brasil e outras entidades muçulmanas brasileiras para ajudar no caso do engenheiro brasileiro João José Vasconcelos Júnior quando realizavam peregrinação a Meca, na Arábia Saudita. Vasconcelos Júnior foi seqüestrado no Iraque no último dia 19, na cidade de Beiji, no norte do país. O seqüestro do engenheiro, que trabalhava para a construtora Norberto Odebrecht, foi reivindicado pelo grupo armado Brigadas dos Mujahedines. Ele desapareceu depois de uma ação de rebeldes que interceptaram um comboio da empresa Janusian Security Risk Management, que presta serviços de segurança à Odebrecht.

Para cuidar do caso, o governo brasileiro nomeou como embaixador para o Oriente Médio o diplomata Affonso Celso de Ouro Preto, que vem mantendo contatos com autoridades e entidades na Jordânia, Síria e Líbano.


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;