Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 25 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Quatro casamentos e um espetáculo


Sara Saar
Especial para o Diário

26/09/2009 | 07:00


Os conflitos inerentes ao casamento serão encarados com bastante humor no espetáculo Até Que a Crise nos Separe, que tem apresentação única neste sábado, às 21h, em São Caetano. Ingressos estão à venda por R$ 30.

Além do palco, os atores Rianez Ferreira e Di Carlo Araújo dividem uma história: são casados há três anos. Mas as semelhanças não terminam por aí. "Ela brinca que eu sou a quarta cobaia. Mas, por coincidência, ela é a minha quarta esposa", afirma. Com uma dose de exagero, a comédia de costumes coloca em cena a paranoia da mulher e o machismo do homem, por meio dos personagens Cristiane e Nelson.

Eles têm visões de mundo bem diferentes. Mas não conseguem se separar. Cristiane é uma psicóloga neurótica. Enquanto Nelson é um executivo debochado, que se divide entre os amigos e a mulher nos momentos de folga.

Rianez - também autora da peça - conta que se inspirou nas quatro relações. "O casamento começa bem. Mas tudo muda. O marido trai mesmo", desabafa. Mas logo adverte: "há exceções".

Segundo a atriz, o relacionamento fora dos palcos torna o espetáculo mais realista. "Nenhum casamento é perfeito. O meu não é exceção. Às vezes, levo para o palco a raiva que sinto dele (Araújo). Mas nada agressivo", revela em tom bem-humorado.

Mas existe fórmula para driblar as crises conjugais e garantir uma relação duradoura? Essa é uma das questões que o público pode responder durante o espetáculo.

Segundo Di Carlo, a plateia costuma se identificar com o repertório que o casal aborda de maneira divertida, como cenas de desconfiança e ciúme. "Eles riem de situações que também já vivenciaram".

Durante o espetáculo, a personagem de Rianez ainda traça o perfil do marido dos sonhos. "Como romântica que sou, mesmo depois de quatro casamentos. também falo sobre o homem perfeito: aquele que não vê celulite, manda flores, abre a porta do carro".

Até Que a Crise nos Separe Teatro. Hoje, às 21h. No Teatro Paulo Machado - Alameda Conde de Porto Alegre, 840. Tel.: 4220-3924. Ingr.: R$ 30.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;