Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 22 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

Alerta sobre os riscos dos raios


Wilson Marini
Para o Diário do Grande ABC

05/01/2015 | 07:00


Os raios em temporais foi tema recorrente na semana passada, devido ao caso na Baixada Santista em que morreram quatro pessoas de uma mesma família em quiosque de praia. A CNM (Confederação Nacional de Municípios) divulgou sete medidas que os municípios podem tomar para salvar vidas:
1. Promover informações à comunidade para não tomar banho durante as tempestades;
2. Orientar para que não use chuveiro ou torneira elétrica – secador, ferro de passar, chapinha, entre outros;
3. Desenvolver campanhas no sentido de alertar a população para evitar contato direto com qualquer objeto que possua estrutura metálica, tais como fogões, geladeiras, torneiras, canos e evitar ligar aparelhos e motores elétricos, para não queimar os mesmos;
4. Criar campanhas locais de conscientização para que os moradores desconectem das tomadas todos os aparelhos e eletrônicos tais como televisores, computadores, som; afastar-se das tomadas e evite utilizar o telefone durante as tempestades;
5. Evitar falar ao telefone e manter os aparelhos eletroeletrônicos desligados, principalmente aqueles que não estiverem protegidos;
6. Orientar os motoristas a permanecerem dentro do carro que é uma ótima proteção, pois o veículo é blindado a raios. É bom fugir do contato com material inflamável;
7. Em superfícies lisas como piscinas, rio ou mar e campos de futebol, a cabeça é o ponto mais alto na área, atraindo os raios.

Ciência no rastro da chuva
Ninguém duvida que a crise hídrica pela qual passa o Estado de São Paulo e outras regiões do País surpreendeu a todos e coloca em xeque o abastecimento de água de muitas cidades. “É chover no molhado”, diz uma expressão popular quando o assunto é de domínio público. A boa notícia é que, prevista com mais antecedência, a seca pode prevenir o problema por meio de ações concretas por parte da população e dos gestores públicos. Trabalho científico de um grupo internacional divulgado pela Revista da Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) revela que no futuro será possível calcular com maior precisão variações de chuva e umidade na América do Sul e, desta forma, ajudar a agir mais cedo. O estudo foi publicado na prestigiosa revista Scientific Reports. O conteúdo é uma combinação de estimativas de temperatura no passado e modelagem matemática para reconstruir a temperatura da superfície do Atlântico Sul nos últimos 12 mil anos. “Além de estabelecer com maior precisão o clima no período, o trabalho pode ajudar a compreender a dinâmica entre as temperaturas no oceano e a umidade no continente”, diz a reportagem da Fapesp, assinada por Salvador Nogueira.

No Sudeste
O Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo observou que o aumento da temperatura na porção Norte do Atlântico Sul, próximo à linha do Equador, esteve associado a um maior volume de chuvas onde hoje é o Nordeste brasileiro e a menos chuvas no Sudeste nos últimos 12 mil anos. Inversamente, o Nordeste enfrentou períodos de secas mais severas e o Sudeste de mais chuvas quando a temperatura no Sul do Atlântico esteve mais elevada. É como se fosse uma balança em que um prato compensa o outro. A constatação dessas macro tendências leva agora os cientistas a buscar explicações que possam auxiliar as projeções do futuro. O que melhor explicou a variação climática nesses 12 mil anos foi um padrão de distribuição de temperaturas no Atlântico Sul semelhante ao observado hoje, com períodos em que a temperatura das águas superficiais era mais alta ao norte e outros em que eram mais elevadas ao sul. Os pesquisadores dão o nome de Dipolo Subtropical do Atlântico Sul ao padrão de distribuição de temperaturas em que o oceano parece ter um polo mais quente e outro mais frio – com a inversão ocasional. “Caso tenha existido nesses 12 mil anos, esse fenômeno pode ter influenciado de modo importante a distribuição das chuvas no continente”, diz a meteorologista Luciana Figueiredo Prado, coautora do estudo.

Surpresa
Essa conclusão é, até certo ponto, surpreendente, diz a Revista Fapesp. Até então se atribuía a variação no volume de chuvas na América do Sul principalmente à influência do fenômeno El Niño, flutuações na temperatura das águas superficiais do Pacífico que ocorrem em períodos curtos (15 a 18 meses). Mas alguns trabalhos já haviam mostrado que o El Niño não explica totalmente as alterações no regime de chuvas atual da América do Sul. Parte dessa variação (cerca de 20%) parece decorrer das mudanças de temperatura na superfície do Atlântico Sul. Por essa razão, diz a revista, embora a seca de 2014 em São Paulo esteja atrelada ao El Niño, acredita-se que essa não seja ainda a história completa. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Alerta sobre os riscos dos raios

Wilson Marini
Para o Diário do Grande ABC

05/01/2015 | 07:00


Os raios em temporais foi tema recorrente na semana passada, devido ao caso na Baixada Santista em que morreram quatro pessoas de uma mesma família em quiosque de praia. A CNM (Confederação Nacional de Municípios) divulgou sete medidas que os municípios podem tomar para salvar vidas:
1. Promover informações à comunidade para não tomar banho durante as tempestades;
2. Orientar para que não use chuveiro ou torneira elétrica – secador, ferro de passar, chapinha, entre outros;
3. Desenvolver campanhas no sentido de alertar a população para evitar contato direto com qualquer objeto que possua estrutura metálica, tais como fogões, geladeiras, torneiras, canos e evitar ligar aparelhos e motores elétricos, para não queimar os mesmos;
4. Criar campanhas locais de conscientização para que os moradores desconectem das tomadas todos os aparelhos e eletrônicos tais como televisores, computadores, som; afastar-se das tomadas e evite utilizar o telefone durante as tempestades;
5. Evitar falar ao telefone e manter os aparelhos eletroeletrônicos desligados, principalmente aqueles que não estiverem protegidos;
6. Orientar os motoristas a permanecerem dentro do carro que é uma ótima proteção, pois o veículo é blindado a raios. É bom fugir do contato com material inflamável;
7. Em superfícies lisas como piscinas, rio ou mar e campos de futebol, a cabeça é o ponto mais alto na área, atraindo os raios.

Ciência no rastro da chuva
Ninguém duvida que a crise hídrica pela qual passa o Estado de São Paulo e outras regiões do País surpreendeu a todos e coloca em xeque o abastecimento de água de muitas cidades. “É chover no molhado”, diz uma expressão popular quando o assunto é de domínio público. A boa notícia é que, prevista com mais antecedência, a seca pode prevenir o problema por meio de ações concretas por parte da população e dos gestores públicos. Trabalho científico de um grupo internacional divulgado pela Revista da Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) revela que no futuro será possível calcular com maior precisão variações de chuva e umidade na América do Sul e, desta forma, ajudar a agir mais cedo. O estudo foi publicado na prestigiosa revista Scientific Reports. O conteúdo é uma combinação de estimativas de temperatura no passado e modelagem matemática para reconstruir a temperatura da superfície do Atlântico Sul nos últimos 12 mil anos. “Além de estabelecer com maior precisão o clima no período, o trabalho pode ajudar a compreender a dinâmica entre as temperaturas no oceano e a umidade no continente”, diz a reportagem da Fapesp, assinada por Salvador Nogueira.

No Sudeste
O Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo observou que o aumento da temperatura na porção Norte do Atlântico Sul, próximo à linha do Equador, esteve associado a um maior volume de chuvas onde hoje é o Nordeste brasileiro e a menos chuvas no Sudeste nos últimos 12 mil anos. Inversamente, o Nordeste enfrentou períodos de secas mais severas e o Sudeste de mais chuvas quando a temperatura no Sul do Atlântico esteve mais elevada. É como se fosse uma balança em que um prato compensa o outro. A constatação dessas macro tendências leva agora os cientistas a buscar explicações que possam auxiliar as projeções do futuro. O que melhor explicou a variação climática nesses 12 mil anos foi um padrão de distribuição de temperaturas no Atlântico Sul semelhante ao observado hoje, com períodos em que a temperatura das águas superficiais era mais alta ao norte e outros em que eram mais elevadas ao sul. Os pesquisadores dão o nome de Dipolo Subtropical do Atlântico Sul ao padrão de distribuição de temperaturas em que o oceano parece ter um polo mais quente e outro mais frio – com a inversão ocasional. “Caso tenha existido nesses 12 mil anos, esse fenômeno pode ter influenciado de modo importante a distribuição das chuvas no continente”, diz a meteorologista Luciana Figueiredo Prado, coautora do estudo.

Surpresa
Essa conclusão é, até certo ponto, surpreendente, diz a Revista Fapesp. Até então se atribuía a variação no volume de chuvas na América do Sul principalmente à influência do fenômeno El Niño, flutuações na temperatura das águas superficiais do Pacífico que ocorrem em períodos curtos (15 a 18 meses). Mas alguns trabalhos já haviam mostrado que o El Niño não explica totalmente as alterações no regime de chuvas atual da América do Sul. Parte dessa variação (cerca de 20%) parece decorrer das mudanças de temperatura na superfície do Atlântico Sul. Por essa razão, diz a revista, embora a seca de 2014 em São Paulo esteja atrelada ao El Niño, acredita-se que essa não seja ainda a história completa. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;