Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 2 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

2,57% dos professores da rede pública vêm da USP



28/12/2014 | 07:38


Dos professores de ensino fundamental da rede pública do Estado, apenas 2,57% são formados pela Universidade de São Paulo (USP). A proporção é menor do que a de faculdades particulares, como a Universidade Guarulhos (UnG), com 4,01%, e de outra pública, como a Universidade Estadual Paulista (Unesp), com 3,78%. O levantamento exclusivo foi feito pela Comissão Coordenadora de Comemoração de 80 anos da instituição.

A ideia é reunir dados sobre egressos em uma publicação, com lançamento previsto para 2015. Os números foram obtidos pela comissão com a Secretaria Estadual da Educação (SEE) em abril. A base para os resultados é uma amostra de cerca de 104 mil docentes, entre aproximadamente 175 mil profissionais. O restante não tinha a instituição de origem cadastrada. No total, a rede tem 250 mil professores, entre concursados e temporários.

Para o ex-reitor da USP e ex-ministro da Educação José Goldemberg, da Comissão de 80 anos, a universidade poderia formar mais professores para o ensino público. "A motivação dos criadores da USP era contribuir mais nessa área", diz. "Minha impressão é de que os salários dos professores do fundamental não são suficientemente atraentes", afirma. "Outra interpretação é a de que os alunos da USP conseguem colocação melhor no mercado."

Só no último vestibular, a USP ofereceu 230 cadeiras de Pedagogia e cerca de 2,6 mil vagas em carreiras em que o ingressante poderia optar pela licenciatura. Em relação à cota de concluintes de licenciatura, a participação da USP é proporcional ao registrado na rede. Em 2013, o total de formandos em licenciaturas e Pedagogia foi de 590 - 2,4% do total de formados nas carreiras no ano passado no Estado de São Paulo.

Inclusão. Em nota, a SEE diz que "a rede é aberta e inclusiva e não estabelece como pré-requisito a formação em determinada universidade e, por isso, tem especialistas oriundos das mais renomadas faculdades públicas e privadas do País". Nos anos iniciais do fundamental, diz a pasta, praticamente 50% dos docentes têm formação em universidades públicas. Não detalhou, porém, quantos profissionais atuam nas séries.

A secretaria explica que o total de formados na USP representa "baixo contingente de formados diante do tamanho da rede". A Pró-reitoria de Graduação da universidade não comentou.

Fora da aula. Fabiana Marchetti, de 24 anos, acabou de se formar em História, mas não vai para a rede pública. Ela já está na pós-graduação. "Minha opção foi de amadurecer intelectualmente no mestrado e buscar espaços para aprender mais sobre a dinâmica de sala de aula", diz ela, que não descarta o ingresso no Estado.

Segundo Fabiana, os colegas que vão para a rede pública se queixam das condições de trabalho. "Existe um desgaste muito grande ao longo dos anos", afirma. A rede privada, porém, nem sempre é mais atrativa. "Algumas escolas particulares menores, de bairro, têm muita cobrança e não compensam tanto do ponto de vista financeiro."

Sobre a condição de trabalho, a secretaria afirma, em nota, que oferece "salário-base 42% superior ao piso nacional para professores", de R$ 2.415,89 para 40 horas, e diz que respeita o número de alunos por turma. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;