Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 8 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Anchieta tem melhor salário da Volkswagen


William Glauber
Do Diário do Grande ABC

26/08/2006 | 19:44


Conquista da classe trabalhadora organizada, a remuneração média do metalúrgico em montadora no Grande ABC supera em 56% o rendimento de Taubaté e em 118% o ganho de São José dos Pinhais (PR). Em São Bernardo, um trabalhador da Volkswagen do Brasil ganha em torno de R$ 3,6 mil, enquanto no Interior paulista o salário gira em R$ 2,3 mil e no Paraná em R$ 1,65 mil, segundo informações dos respectivos Sindicatos dos Metalúrgicos.

Para o sociólogo e historiador da Fundação Santo André e Fundação Getúlio Vargas Paulo Douglas Barsotti, a média salarial praticada na região não justifica o argumento de redução de rendimento do trabalhador, apresentado pelo empresariado. “Empresários que pensam na direção contrária à atuação combativa de sindicato na luta por maiores salários e melhor qualidade de vida, querem a volta da ‘escravidão’”, condena o professor.

Barsotti recorda que, desde o início dos anos 90, as empresas realizam processos de reestruturação para adequar a produção com enxugamento de mão-de-obra e salários. “Esse é um sentido perverso da lógica das reestruturações”, considera ele.

Para reverter essa tendência, o acadêmico destaca a importância da mobilização dos trabalhadores. “O Sindicato (dos Metalúrgicos do ABC) vem de tradição combativa desde os anos 70, mas não o considero com a mesma combatividade hoje”, critica Barsotti.

O presidente da entidade, José Lopez Feijóo, classifica a ação do sindicato local como combativa, sim. “Sindicato que não defende direitos de trabalhadores e melhora da qualidade de vida não é sindicato. O sindicato é um instrumento para equilibrar uma balança desigual”, aponta o líder.

Segundo Feijóo, o sindicalismo contribui para fortalecer a economia regional. “Não fosse nossa atuação para garantia de direitos e de distribuição de renda, talvez o ABC não seria o terceiro mercado consumidor do país”, destaca.

A renda proveniente da indústria no Grande ABC é, de fato, um dos fatores que projetam a região à terceira colocação no ranking de consumo do país. “O potencial de compra está ligado a altos salários da indústria. A saída da fábrica da Volks afeta, por exemplo, o setor de serviços”, explica Antonio Carlos Schifino, coordenador do Observatório Econômico de Santo André.

Salários
Metalúrgico de montadora do Grande ABC ganha em média R$ 3,6 mil. Na Volkswagen do Brasil, 12 mil trabalhadores produzem 940 carros por dia. No entanto, a planta local, ameaçada atualmente por encerramento das atividades, tem capacidade de produzir até 1,1 mil automóveis por dia.

Empregados da Volks ganham em torno de R$ 2,3 mil na fábrica de Taubaté. No Vale do Paraíba, a empresa conta atualmente com 5 mil funcionários, que produzem cerca de 800 veículos por dia de trabalho.

A diferença salarial torna-se ainda mais gritante ao se comparar o rendimento do trabalhador do Grande ABC com o metalúrgico de São José dos Pinhais, que ganha, em média, R$ 1,65 mil. Os 3,9 mil atuais empregados da unidade paranaense da Volkswagen montam 810 veículos por dia.

Para estudiosos e sindicalistas, altos salários nas indústrias da região resultam em classe média com poder de consumo. A afirmação pode ser constatada pelas sete cidades ocuparem o terceiro lugar no ranking nacional de potencial de consumo da Target Market.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;