Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 19 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Secretário da Fazenda de SP critica responsabilidade fiscal


Do Diário do Grande ABC

10/11/1999 | 12:04


O secretário estadual de Fazenda de Sao Paulo, Yoshiaki Nakano, fez na manha desta quarta-feira duras críticas à lei de responsabilidade fiscal que está em tramitaçao no Congresso Nacional. Durante o debate "A Descentralizaçao e os Países Emergentes" em seminário organizado pelo Banco Mundial, em Brasília, Nakano disse que a lei de responsabilidade fiscal "será uma lei morta" se for aprovada da forma como foi encaminhada ao Congresso.

Ele disse que a lei proposta parte de conceitos opostos aos que estao sendo adotados pelos países emergentes como a descentralizaçao.

Segundo Nakano, a lei parte dos pressupostos de que a burocracia central é competente e os governadores e prefeitos, "perdulários e incompetentes". Ele observou que leis que regulamentam a restriçao orçamentária já existem e nao sao cumpridas. O secretário disse ainda que fazer uma nova lei e criar regras restritivas nao resolverá os problemas dos estados e municípios.

"Se você faz uma lei inviável, ninguém vai respeitá-la", disse.

Nakano afirmou também que a soluçao para a responsabilidade fiscal é muito simples e apontou o caminho: impor a restriçao pelo mercado e nao por regras burocráticas políticas.

"Se colocarmos a restriçao de mercado com uma boa regulamentaçao, nós podemos chegar lá", avaliou o secretário paulista. Para ele a soluçao é proibir, na Constituiçao, que a Uniao socorra estados e municípios, mas que essa norma seja uma "regra de ouro", ou seja, efetivamente cumprida.

Segundo ele, a restriçao feita pelo mercado permite que bancos, empreiteiras e outros financiadores façam uma avaliaçao real da capacidade de pagamentos dos estados e municípios, impondo a verdadeira restriçao e a que gera responsabilidade fiscal.

Para a responsabilidade fiscal, Nakano defendeu a descentralizaçao e a autonomia dos estados e municípios na questao tributária e financeira.

"Os estados nao têm flexibilidade e isso tem que mudar", afirmou. Nakano ponderou que a lei de responsabilidade fiscal é fundamental, mas disse que ela está partindo de conceitos errados e que estao na contramao da história. "Regras burocráticas e ameaças com cadeia nao resolvem o problema", atacou.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Secretário da Fazenda de SP critica responsabilidade fiscal

Do Diário do Grande ABC

10/11/1999 | 12:04


O secretário estadual de Fazenda de Sao Paulo, Yoshiaki Nakano, fez na manha desta quarta-feira duras críticas à lei de responsabilidade fiscal que está em tramitaçao no Congresso Nacional. Durante o debate "A Descentralizaçao e os Países Emergentes" em seminário organizado pelo Banco Mundial, em Brasília, Nakano disse que a lei de responsabilidade fiscal "será uma lei morta" se for aprovada da forma como foi encaminhada ao Congresso.

Ele disse que a lei proposta parte de conceitos opostos aos que estao sendo adotados pelos países emergentes como a descentralizaçao.

Segundo Nakano, a lei parte dos pressupostos de que a burocracia central é competente e os governadores e prefeitos, "perdulários e incompetentes". Ele observou que leis que regulamentam a restriçao orçamentária já existem e nao sao cumpridas. O secretário disse ainda que fazer uma nova lei e criar regras restritivas nao resolverá os problemas dos estados e municípios.

"Se você faz uma lei inviável, ninguém vai respeitá-la", disse.

Nakano afirmou também que a soluçao para a responsabilidade fiscal é muito simples e apontou o caminho: impor a restriçao pelo mercado e nao por regras burocráticas políticas.

"Se colocarmos a restriçao de mercado com uma boa regulamentaçao, nós podemos chegar lá", avaliou o secretário paulista. Para ele a soluçao é proibir, na Constituiçao, que a Uniao socorra estados e municípios, mas que essa norma seja uma "regra de ouro", ou seja, efetivamente cumprida.

Segundo ele, a restriçao feita pelo mercado permite que bancos, empreiteiras e outros financiadores façam uma avaliaçao real da capacidade de pagamentos dos estados e municípios, impondo a verdadeira restriçao e a que gera responsabilidade fiscal.

Para a responsabilidade fiscal, Nakano defendeu a descentralizaçao e a autonomia dos estados e municípios na questao tributária e financeira.

"Os estados nao têm flexibilidade e isso tem que mudar", afirmou. Nakano ponderou que a lei de responsabilidade fiscal é fundamental, mas disse que ela está partindo de conceitos errados e que estao na contramao da história. "Regras burocráticas e ameaças com cadeia nao resolvem o problema", atacou.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;