Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 22 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Recursos para assentados dependem de projetos, diz Jungmann


Do Diário do Grande ABC

20/11/1999 | 14:25


O ministro da Política Fundiária, Raul Jungmann, disse neste sábado que o crédito de custeio no valor de R$ 3 milhoes para o atendimento de 22 assentamentos e dois acampamentos nao será liberado na próxima segunda-feira. Jungmann afirmou que o crédito reivindicado pelos agricultores rurais já existe e está na conta do Banco do Brasil, mas só será liberado quando forem atendidas as exigências técnicas.

"Há de existir grande disposiçao de atender a pauta, o crédito está lá há dias mas é preciso observar os requisitos técnicos", afirmou. "Eles (os assentados) nao têm como obter dinheiro público sem isto." De acordo com o governo, os assentados têm que apresentar dois projetos vinculados, um de custeio e outro de investimento do plantio.

Segundo Jungamnn, a decisao de sair da fazenda foi uma "vitória do bom senso" e que o governo está disposto até mesmo a enviar diretores do Instituto Nacional de Colonizaçao e Reforma Agrária (Incra), neste sábado a Buritis (MG) para discutir a pauta de reivindicaçoes, cujo principal item é a liberaçao de crédito.

No início da tarde, o ministro ainda nao tinha conhecimento de qualquer reivindicaçao dos trabalhadores rurais para sair do acampamento. "A informaçao que recebi de assessores é de que eles decidiram sair", disse.

Ele afirmou que nao cederia qualquer meio de transporte, como foi pedido pelos sem-terra. "Cada um arque com seus atos; da mesma forma que eles assumiram a responsabilidade para ir lá, devem resolver de que forma vao sair."

Jungmann mandou um recado para os manifestantes. "Doravante o governo será bem mais enfático com relaçao a este tipo de provocaçao; é ver para crer", disse, sem entrar em detalhes. Ele fez questao de ressaltar que seu ministério continua "sendo do diálogo e da negociaçao". "Instituiçoes como a Presidência nao podem ser ameaçadas, isto é um limite."

Na opiniao do ministro, o MST está isolado, pois nao havia nenhum deputado do PT ou de outro partido de oposiçao. "O MST ficou absolutamente só e o episódio (da ameaça da fazenda) agrava a relaçao do movimento com a opiniao pública", avaliou. "Nunca vi a CNBB se posicionar desta forma contra um ato dos sem-terra", disse, referindo-se à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), que condenou o acampamento na porta da fazenda do presidente.

O ministro disse também que será mantido o inquérito aberto pela Polícia Federal para apurar as responsabilidades no saque ao caminhao que saía da fazenda, promovido pelos sem-terra na última quinta-feira. "Vamos identificar e punir; queremos de volta a carga e a puniçao de quem cometeu o crime", disse.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;