Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 24 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Senador diz que CPI dos Bingos antecipou investigações da PF


Do Diário OnLine
Com Agência Brasil

20/04/2007 | 20:33


O relator da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) dos Bingos, senador Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN), acredita que antecipou as investigações da Operação Furacão, desencadeada pela PF (Polícia Federal) semana passada. Ele disse nesta sexta-feira que as sugestões apontadas pela CPI dos Bingos, concluída em junho do ano passado, teriam inclusive agilizado as investigações da Polícia Federal.

Ele lembra que, além das sugestões de indiciamentos, que adiantaram nomes que estão no rol de suspeitos da PF, a CPI apresentou propostas legislativas que vão ao encontro do que está sendo constatado na Operação Furacão.

Uma delas estabelece a criminalização da exploração de jogos de azar no Brasil e cria mecanismos que facilitam a investigação do crime de lavagem de dinheiro. Segundo o senador, não se pode mais considerar a exploração de jogos apenas como contravenção.

“As investigações da CPI e as operações da Polícia Federal apontam que devemos tratar essa questão como uma questão de Estado”, afirmou Alves Filho. O parlamentar acredita que esse é um momento oportuno para que o projeto tenha andamento no Congresso Nacional.

Outra proposta apresentada pela CPI foi a que estabelece que cada vez que houver uma liminar autorizando a exploração de jogos de azar um ofício deve ser remetido ao tribunal responsável. Isso tornaria o processo mais transparente e poderia constranger a corrupção no Judiciário, segundo o senador. A Comissão também propôs que seja criado recurso no caso de um juiz negar requerimento de busca e apreensão ou de grampos telefônicos.

Todos os projetos de lei apresentados pela CPI dos Bingos estão aguardando a designação de relator na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado Federal. Na avaliação do senador Garibaldi Alves Filho, a rápida tramitação dessas propostas poderia auxiliar o trabalho da Polícia Federal.

“Se os projetos tivessem sido aprovados nós teríamos tido a Polícia Federal muito mais aparelhada para enfrentar essa onda de lavagem de dinheiro através de bingos e máquinas caça-níqueis ilegais”, declarou o parlamentar. “Mas o brasileiro só fecha a porta depois que é roubado”, lamentou.

Em pronunciamento no plenário do Senado, o senador pediu mais atenção aos resultados da CPI dos Bingos. O relatório da Comissão concluiu que existem conexões entre as casas de bingo, a prática de lavagem de dinheiro e as atividades do crime organizado, envolvendo bicheiros, contrabandistas e a máfia italiana, além de sugerir o indiciamento de 79 pessoas e de quatro empresas.


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Senador diz que CPI dos Bingos antecipou investigações da PF

Do Diário OnLine
Com Agência Brasil

20/04/2007 | 20:33


O relator da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) dos Bingos, senador Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN), acredita que antecipou as investigações da Operação Furacão, desencadeada pela PF (Polícia Federal) semana passada. Ele disse nesta sexta-feira que as sugestões apontadas pela CPI dos Bingos, concluída em junho do ano passado, teriam inclusive agilizado as investigações da Polícia Federal.

Ele lembra que, além das sugestões de indiciamentos, que adiantaram nomes que estão no rol de suspeitos da PF, a CPI apresentou propostas legislativas que vão ao encontro do que está sendo constatado na Operação Furacão.

Uma delas estabelece a criminalização da exploração de jogos de azar no Brasil e cria mecanismos que facilitam a investigação do crime de lavagem de dinheiro. Segundo o senador, não se pode mais considerar a exploração de jogos apenas como contravenção.

“As investigações da CPI e as operações da Polícia Federal apontam que devemos tratar essa questão como uma questão de Estado”, afirmou Alves Filho. O parlamentar acredita que esse é um momento oportuno para que o projeto tenha andamento no Congresso Nacional.

Outra proposta apresentada pela CPI foi a que estabelece que cada vez que houver uma liminar autorizando a exploração de jogos de azar um ofício deve ser remetido ao tribunal responsável. Isso tornaria o processo mais transparente e poderia constranger a corrupção no Judiciário, segundo o senador. A Comissão também propôs que seja criado recurso no caso de um juiz negar requerimento de busca e apreensão ou de grampos telefônicos.

Todos os projetos de lei apresentados pela CPI dos Bingos estão aguardando a designação de relator na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado Federal. Na avaliação do senador Garibaldi Alves Filho, a rápida tramitação dessas propostas poderia auxiliar o trabalho da Polícia Federal.

“Se os projetos tivessem sido aprovados nós teríamos tido a Polícia Federal muito mais aparelhada para enfrentar essa onda de lavagem de dinheiro através de bingos e máquinas caça-níqueis ilegais”, declarou o parlamentar. “Mas o brasileiro só fecha a porta depois que é roubado”, lamentou.

Em pronunciamento no plenário do Senado, o senador pediu mais atenção aos resultados da CPI dos Bingos. O relatório da Comissão concluiu que existem conexões entre as casas de bingo, a prática de lavagem de dinheiro e as atividades do crime organizado, envolvendo bicheiros, contrabandistas e a máfia italiana, além de sugerir o indiciamento de 79 pessoas e de quatro empresas.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;