Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 29 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Garotinho diz que candidatura modesta conquistou o Brasil


Do Diário OnLine

24/09/2002 | 00:05


O candidato do PSB à Presidência da República, Anthony Garotinho, disse nesta segunda-feira que sua candidatura conquistou o povo brasileiro e reafirmou que chegará ao segundo turno, ao lado de Luiz Inácio Lula da Silva (PT). “Estamos com poucos recursos, mas conseguimos falar ao coração do povo brasileiro”, afirmou o presidenciável, durante entrevista ao jornalista Boris Casoy, da Rede Record.

Garotinho ressaltou que nas eleições de todos os cargos que conquistou, começou perdendo nas pesquisas de intenção de voto e acabou surpreendendo no final. “Estou a poucos pontos de passar para o segundo turno. Vamos ao segundo turno e vamos ganhar a eleição”, disse, confiante.

O ex-governador do Rio de Janeiro destacou que a sua campanha foi muito “modesta” em relação a dos demais candidatos e ressaltou que isso aconteceu porque não buscou apoio de partidos e de organizações que pudessem destoar do seu programa de governo, ideologia e valores.

Durante a entrevista, Garotinho encontrou espaço apara atacar alguns de seus adversários. Num primeiro momento, atacou a proposta de criação de empregos do adversário do PSDB, José Serra. “Ninguém vai criar empregos botando artistas na TV e fazendo continhas, porque a lógica do mercado não é essa”, disse. “Ele é o candidato do desemprego”, comentou, irônico.

Ele explicou que a proposta de criação de empregos de seu programa de governo tem como base a reforma tributária, que, para ele, não foi realizada nos últimos oito anos porque o presidente Fernando Henrique Cardoso não quis. “O governo atual aprovou tudo o que quis no Congresso Nacional, inclusive a reeleição. Não aprovou porque esse governo gosta de tributar.”

Mais tarde, ele abriu fogo contra o candidato do PT, afirmando que Lula não pode mais ser considerado como de oposição. Falando como “um ex-eleitor de Lula”, ele afirmou que o petista mudou muito e não carrega mais o idealismo de transformar o país.

O nacionalismo também foi bastante ressaltado por Garotinho. Para ele, “os brasileiros devem ser tão nacionalistas como os americanos”. “O que falta ao Brasil é esse amor pelo país”, afirmou.

Religião — Questionado sobre um eventual privilégio aos evangélicos durante o seu governo, Garotinho lembrou que, de seus secretários de governo no Rio, apenas um era evangélico: sua mulher, Rosinha Matheus, hoje candidata ao governo do Estado.

“Não temos que misturar as coisas. Religião é uma questão pessoal de cada um”, disse. Ele ainda comentou que é muitas vezes discriminado por defender a sua fé, mas ressaltou que não tem razão para escondê-la. O presidenciável revelou que foi aconselhado por alguns marqueteiros a abandonar a bíblia, que poderia lhe prejudicar durante a campanha. Ele negou, afirmando não ser “hipócrita”.

Iraque — O candidato afirmou também que é “absolutamente contra” uma intervenção militar norte-americana no Iraque. “O Brasil não tem que se envolver nessa polêmica. O PSB defende a política da paz.”

Alca — “Isso vai ser a falência total das nossas indústrias”, comentou o presidenciável sobre uma possível adesão do Brasil à Área de Livre Comércio das Américas (Alca). “Primeiro, temos que nos ajustar”, disse, ressaltando que foi o único que votou contra a Alca no plebiscito promovido a respeito.

Mínimo — Ainda durante a entrevista, Garotinho voltou a defender o aumento do salário mínimo para R$ 280 já em 2003 e explicou que isso pode ser feito com a redução da taxa básica de juros. No primeiro ano de governo, ele prometeu diminuir a taxa Selic em quatro pontos. Segundo ele, cada ponto diminuído equivale a uma economia de R$ 6 bilhões. Com R$ 21 bilhões, de acordo com a sua proposta, é possível reajustar o salário mínimo.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;