Fechar
Publicidade

Sábado, 27 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Iraque pode fabricar bomba atômica em 1 ano, diz informe britânico


Da AFP

24/09/2002 | 08:56


O Iraque poderia fabricar uma bomba atômica em um ou, no máximo, em dois anos, segundo um informe contra o regime do presidente iraquiano Saddam Hussein revelado na manhã desta terça-feira pelo governo britânico.

De acordo com o informe, de 55 páginas, o Iraque continua seus esforços para possuir a bomba atômica, embora seu armamento químico e biológico já constitua uma ameaça imediata.

O regime iraquiano "tentou de maneira clandestina adquirir uma tecnologia e materiais que poderiam ser utilizados na produção de armas nucleares". O texto afirma ainda que o regime de Saddam Hussein tem planos militares para o uso de armas químicas e biológicas.

Ainda segundo o informe, Bagdá tentou adquirir "quantidades importantes" de urânio na África, apesar de não ter programa nuclear civil que o justifique.

O documento de 'provas' contra o Iraque afirma igualmente que o regime iraquiano tem capacidade de mobilizar armas químicas e biológicas em um período de 45 minutos.

Bagdá conservou até 20 mísseis Al Hussein fabricados a partir de mísseis soviéticos Scud, de um alcance de 650 km.

"O quadro descrito pelo comitê (britânico) conjunto de inteligência se tornou mais preocupante há alguns meses", afirma o primeiro-ministro britânico Tony Blair nesse documento. "Estou plenamente convencido de que Saddam Hussein fará o máximo, e, para dizer a verdade já é o caso, para esconder essas armas e evitar assim ter de renunciar a elas", adianta Blair.

Em Bagdá, o ministro iraquiano de Cultura, Hamed Yussef Hammadi, qualificou de "infundadas" as acusações britânicas.

De acordo com o documento britânico, o regime iraquiano estaria capacitado para fabricar a bomba atômica em um ou dois anos se conseguisse de fontes estrangeiras suficiente matéria físsil. Caso contrário, precisaria de cinco anos, indica o informe.

O documento publica ainda como 'provas' várias fotos tiradas por satélite de seus serviços de inteligência. Especialistas iraquianos foram convocados para trabalhar em programas nucleares militares, adianta o documento.

Os mísseis Al Hussein podem atacar Israel, Turquia ou Chipre, onde as forças britânicas possuem instalações militares. O regime iraquiano teria construído uma nova instalação para pôr em funcionamento mísseis de alcance semelhante.

Blair afirma também no documento que não tem "nenhuma dúvida de que a ameaça é séria e atual e que Saddam Hussein progrediu em seu programa de armas de destruição em massa e é preciso pará-lo".

Tony Blair é o único líder do cenário internacional que apóia as ameaças norte-americanas de intervenção militar contra o Iraque.

O informe foi recebido com ceticismo por Jeremy Corbyn, um dos deputados trabalhistas contrários à intervenção militar no Iraque. "Não há nada de novo nisso aí (o documento), não temos nenhuma prova da tal ameaça iraquiana", disse o deputado pela televisão Sky News.

Os parlamentares britânicos iniciaram esta manhã um debate extraordinário sobre a crise iraquiana. O informe pode ser consultado na Internet nos sites: www.pm.gov.uk ou www.fco.gov.uk.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;