Início
Clube
Banca
Colunista
Redes Sociais
DGABC

Segunda-Feira, 15 de Abril de 2024

Juros: espera pela agenda da semana limita oscilação e taxas ficam de lado
Por
04/03/2024 | 18:37
Compartilhar notícia


Os juros futuros começaram a semana de lado, na falta de um vetor mais forte a conduzir os negócios nesta segunda-feira e com os investidores esperando o desenrolar da agenda da semana para montar posições firmes. No fechamento, as taxas estavam perto dos níveis de ajustes da sexta-feira, com viés de baixa. A postura otimista demonstrada pelo presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, com relação à área fiscal, agradou ao investidor, embora sem impacto nos preços, tampouco o avanço dos Treasuries conseguir influenciar a curva doméstica.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2025 fechou em 9,920% (mínima), de 9,937% no ajuste de sexta-feira, e a do DI para janeiro de 2026 passou de 9,73% para 9,72% (mínima). O DI para janeiro de 2027 terminou com taxa de 9,92% (mínima), de 9,93% no ajuste anterior. O DI para janeiro de 2029 encerrou com taxa de 10,35%, de 10,37%.

Como as taxas fecharam a semana passada em baixa, havia espaço para alguma realização de lucros, ainda mais com a agenda do dia esvaziada e juros dos Treasuries em alta, mas o mercado preferiu se ater a operações pontuais. "O mercado está aguardando os eventos desta semana, também com muitos dados, para ter um direcional mais claro. E, no exterior, está difícil fazer qualquer aposta contra a ideia de que os juros nos Estados Unidos vão começar a cair só no meio do ano", afirma o gerente de Renda Fixa e Distribuição de Fundos da Nova Futura Investimentos, André Alírio.

Entre os indicadores, o ponto alto é a divulgação do relatório de emprego americano na sexta-feira. Antes, porém, o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, fala ao Congresso, na quarta e na quinta.

Com máximas vistas pela manhã, as taxas dos Treasuries subiram, com o mercado corrigindo parte da queda da semana passada e cautela com agenda da semana. O yield da T-Note de dez anos estava na casa de 4,22% no fim da tarde, ante 4,18% na sexta-feira.

No Brasil, as declarações de Campos Neto sobre a área fiscal, publicadas no fim de semana pela Folha de S.Paulo e reforçadas hoje em evento na Associação Comercial de São Paulo (ACSP) foram bem recebidas. Ao citar a diferença entre as previsões do mercado para o resultado primário, que apontam para um buraco de 0,8%, e a meta do governo de zerar o déficit, comentou que o governo tem condições de apresentar um número melhor do que o traçado por economistas.

"É uma voz de moderação na pressão fiscal. Essa avaliação suaviza o impacto de não se zerar o déficit. Se o governo conseguir entregar algo abaixo de 0,70%, já será interessante", diz Alírio.

No Santander Brasil, relatório da equipe de Macroeconômica comandada por Ana Paula Vescovi aponta que investidores na Europa e Estados Unidos mantêm posições otimistas no País, mas vêm reduzindo alocação desde o fim de 2023, seja porque veem prêmios menores em relação ao ano passado, seja pelo cenário global de juros mais incerto.

"Essa redução nas posições provavelmente levou alguns fundos locais a realizarem movimentos similares, o que poderia ser outra razão por trás do fraco desempenho recente dos juros em comparação com o nosso cenário mais recente", dizem. Para os profissionais, a curva "só precisa de um gatilho para ter desempenho melhor", o que pode vir com o IPCA de março na próxima semana ou no caso de sinalização mais clara de corte de juros por parte do Fed.




Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.