Início
Clube
Banca
Colunista
Redes Sociais
DGABC

Segunda-Feira, 20 de Maio de 2024

Sabores&Saberes
>
Sabores & Saberes
O vinho tinto em seus piores dias?
Antônio Carlos do Nascimento
26/02/2024 | 09:04
Compartilhar notícia
Fernandes


Em 7 de novembro de 1991, no programa 60 Minutes da rede americana de TV, CBS, o médico francês Serge Renaud revelava o que ficou universalmente conhecido como Paradoxo Francês. O pesquisador divulgou dados que sugeriam que o consumo regular de vinhos tintos era o diferencial protetor que justificava a menor incidência de doenças coronarianas em franceses, muito embora consumissem grandes quantidades de gorduras saturadas e tivessem elevados índices de tabagismo. 

No ano seguinte Renaud assinaria artigo na conceituadíssima revista médica The Lancet com o título Wine, alcohol, platelets and the French paradox for coronary heart disease (Vinho, álcool, plaquetas e o paradoxo francês para a doença coronariana). 

Amparado por dezenas de estudos com a mesma proposta do supracitado cientista francês, em 2004 publiquei “Vinho, Saúde e Longevidade” (Editora Ideia e Ação), livro que serviu de ampla base para a edição do “Globo Repórter” de 18 de março de 2006, jornalístico da Rede Globo de televisão, que naquela noite alcançaria 60 pontos no Ibope, despertando por aqui também os olhares para esta decantada bebida.

Àquela altura, uma taça de vinho tinto às refeições passava a compor nos manuais de condutas saudáveis de todo o planeta, enquanto de outro lado, a indústria do vinho, que no fim da década de 1980 vivia enorme crise, emergiria para alcançar patamares inimagináveis, alinhando-se a modelos de negócios que entre outros adendos, envolvem glamour e status social.

Mas, no efervescente mundo da ciência nunca houve consenso quanto às potenciais virtudes das substâncias contidas no vinho tinto e as pesquisas confrontam resultados reiteradamente. 

O debate ressurgiu mundialmente em 17 de fevereiro deste ano, dada a publicação de um artigo de Alice Callahan para o jornal New York Times, no qual a jornalista aborda conclusões de mais um grupo de cientistas que desconstroem o vinho tinto como promotor de benefícios ao coração. 

É certo que não há nível seguro para a ingestão alcóolica, até porque existem infindáveis diferenças orgânicas entre os seres humanos. Pequenas porções de álcool podem deflagrar dependência alcóolica em percentual relevante de indivíduos, enquanto outros bebedores moderados não desenvolvem o vício, ou transtornos evidentes.

De outro lado, grandes libações etílicas, de qualquer fonte, serão sempre irresponsáveis, seja por colocar ambientes e vidas alheias em risco, seja por danificar o próprio organismo em vários setores, notadamente fígado e sistema nervoso central.

O que estes estudos não negam, é o fato de que o bebedor moderado de vinhos é mais alinhado a hábitos salutares, tais como alimentação regrada e prática de exercícios físicos e ao menos nesta observação, é possível sugerir, que por algum caminho o vinho induza bons comportamentos. 

Quem sabe!




Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.