Tecnologia

Apagão das redes sociais: o que ele nos mostra sobre a saúde mental?




No último dia 4, houve pane geral nos aplicativos mais utilizados para a comunicação atualmente – Whatsapp, Instagram e Facebook. O apagão das redes sociais mostra a incrível dependência dos seres humanos em relação a essa tecnologia.

Quer ficar por dentro do mundo da tecnologia e ainda baixar gratuitamente nosso e-book Manual de Segurança na Internet? Clique aqui e assine a newsletter do 33Giga

Nas palavras do psicólogo Alessandro Scaranto, “as redes sociais surgiram para resolver problemas que ainda não existiam na sociedade”. Desse modo, aos poucos, essa tecnologia adentrou no cotidiano e surtiu, em bilhões de pessoas, dependência sobre a necessidade de acompanhar e compartilhar, em tempo integral, a vida – sua e dos outros.

Nesse contexto, uma vez que paira sobre as redes sociais uma aura constante de felicidade e contentamento, esses apps podem despertar sentimentos de comparação extrema e, logo, de baixa autoestima. “Fazemos, constantemente, nos aplicativos, uma propaganda de nós mesmos que, erroneamente, é pensada ser direcionada aos outros”, explica Scaranto.

Leia mais:
Guia de compras: como escolher o Echo da Amazon ideal para você
Testamos: fone de ouvido Corsair HS70 Pro alia conforto e áudio de qualidade

O psicólogo afirma ainda que essa propaganda é para o nosso próprio bem-estar. “Likes e comentários nos fazem sentir notados”, completa o especialista.

Quem somos nós em um contexto que dispensa afirmações de terceiros?

Ainda a respeito do apagão das redes sociais, impedidos de se comunicarem uns com os outros e de perceberem o dia a dia de outras pessoas, “todos foram obrigados a olhar para si mesmos”, explica Scaranto. Independentemente se foi uma tarde de um longo cochilo ou de brincadeiras com o filho ou de uma leitura proveitosa, com toda essa tecnologia fora do ar foi possível viver a vida fora de um palco.

“Nos desacostumamos a fazer atividades fora da internet. O tempo é passado simplesmente com o correr dos dedos sobre as telas”, alerta o psicólogo. Com esse apagão, as pessoas foram forçadas a ouvir o próprio barulho, haja vista que o barulho dos terceiros foi silenciado. Scaranto afirma que isso despertou um olhar para dentro de nós mesmos.

Vale ressaltar ainda que o apagão das redes sociais não só serviu como um despertar para a própria realidade, mas também como bálsamo, por meio do hiato mundial. “Essa conexão desenfreada e dependência, por nos deixar cegos quanto à nossa vida, gera uma profunda exaustão mental, e, por consequência, também física”, alerta o psicólogo.

Ficar off-line no apagão das redes sociais, mesmo que por algumas horas, significou o contato não mais somente com os outros, mas consigo mesmo. “Será que essas 6 horas fora do ar, portanto, mostraram que o tempo é direcionado a coisas tão banais que nos fizeram perder a noção do que realmente é importante em nossa vida?”, questiona o especialista.

Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários


Veja Também



Voltar