Política

Paço de Mauá contrata auditoria para apurar dívida com FUABC




A Prefeitura de Mauá, gerida por Marcelo Oliveira (PT), contratou auditoria independente para apurar o valor da dívida que o município tem com a FUABC (Fundação do ABC), organização social que administra os equipamentos públicos de saúde da cidade desde 2015.

A Fipecafi (Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras) foi admitida em regime de dispensa de licitação por notória especialização para executar o serviço. Vai cobrar R$ 295,2 mil. Não há prazo definido para conclusão dos trabalhos.

O pente-fino no passivo era uma exigência no acordo firmado entre as partes e o Ministério Público no TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) assinado em 2019. A FUABC chegou a dizer que o rombo nas contas atingia a marca de R$ 160 milhões, valor contestado pela Prefeitura na gestão do ex-prefeito Atila Jacomussi (SD).

A partir do trabalho da auditoria, as partes se comprometem a pacificar o olhar com relação ao deficit financeiro e estabelecer plano de pagamento de longo prazo, uma vez que a administração mauaense argumenta enfrentar problemas econômicos.

“É uma das exigências do acordo da FUABC, do MP e da Prefeitura. A Fundação falava que a dívida passava na casa dos R$ 100 milhões, e o TAC previa esse instrumento justamente para avaliar a quantia. É um passo importante para podermos regularizar toda a situação com a Fundação”, comentou Marcelo.

O prefeito lembrou que, atualmente, a FUABC não possui contrato de gestão regularizado junto ao Executivo e que segue gerenciando os equipamentos de saúde por força do TAC, balizado pelo TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) no ano passado.

Durante o governo Atila, houve tentativa de rompimento do vínculo, uma vez que o então prefeito argumentava que os R$ 15 milhões repassados mensalmente pela Prefeitura à FUABC estavam acima do serviço efetivamente prestado. A Fundação apontava, por sua vez, que a gestão mauaense não pagava a parcela completa – decorreu dessa questão a dívida.

Com o TAC, ficou estabelecido o pagamento mensal de R$ 15,1 milhões pelo trabalho, sendo que, dentro desse total, R$ 800 mil são destinados ao pagamento de dívidas trabalhistas e com fornecedores e, em contrapartida, a FUABC destina mais R$ 200 mil para a mesma finalidade, totalizando R$ 1 milhão por mês.

Em nota, a FUABC declarou considerar “extremamente positiva a contratação da empresa de auditoria contábil-financeira, conforme acordado judicialmente com o MP, e permanecerá à disposição para o fornecimento de dados e documentos que subsidiem os trabalhos”. “Com atuação do Ministério Público, Fundação do ABC e Prefeitura de Mauá têm trabalhado conjuntamente em busca de solucionar pendências de gestões passadas e de manter rigorosamente em dia os compromissos atuais, em benefício direto aos munícipes de Mauá usuários do SUS (Sistema Único de Saúde).” 

Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários


Veja Também



Voltar