Cena Política

Mistérios rondam a CPI da Sabesp




Clima de mistério ronda ainda a Câmara de Santo André por causa da sessão de terça-feira. Não pela votação do projeto que remodela a Faisa (Fundação de Assistência à Infância de Santo André), mas pela CPI da Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo). Desde a semana passada, o vereador Ricardo Alvarez (Psol) busca apoio para instalar a comissão para apurar suposto aumento irregular nas contas de água. Ele precisava de sete assinaturas, mas havia colhido seis. Só que, antes da sessão de terça, a sétima assinatura surgiu em seu requerimento. Pelas regras internas da casa, com sete assinaturas (um terço do plenário), a CPI é automaticamente instalada a partir da leitura do pedido de comissão. Portanto, a sessão teve início com a expectativa de aprovação da CPI. Mas a base de sustentação correu a tempo para efetivar manobra para evitar a instalação, que era considerada inapropriada pelo governo. Todos os requerimentos de vereadores foram lidos tradicionalmente, exceto o de Alvarez para a CPI. O oposicionista alertou para a ausência. Foi então que os vereadores governistas – muitos deles do propagado G-6 – correram ao microfone para retirar as assinaturas no requerimento de CPI, esvaziando o documento e derrubando sua viabilidade.

Suspeito
Ricardo Alvarez (Psol) não escondeu a frustração no caso e suspeita de que houve interferência externa para que a CPI da Sabesp fosse enterrada. Ele já pediu gravação da sessão para avaliar a condução dos trabalhos, pois alega que houve vício no procedimento. Se constatar, promete ingressar com representação junto ao Legislativo. Alvarez ainda não sabe quem foi o sétimo vereador a assinar seu requerimento, mas tem um suspeito. Na verdade, uma suspeita: Ana Veterinária (DEM), a única que não havia rubricado o documento na semana passada.

Candidatura – 1
Ex-prefeito de Ribeirão Pires, Adler Kiko Teixeira (PSDB) tem espalhado que, se houver nova eleição na cidade, colocará o nome à disposição novamente do eleitor ribeirão-pirense. Na classe política, porém, o posicionamento tem gerado comentários nada amistosos. Além de muitos lembrarem que Kiko também possui problemas jurídicos – tanto que seus votos na eleição de 2020 foram anulados –, ele desapareceu do município para ser secretário de Administração em São Bernardo.

Candidatura – 2
Nem mesmo o apoio de seu vice Kiko deve ter em caso de outro pleito. Gabriel Roncon (Cidadania), ex-vice-prefeito de Ribeirão Pires, tem se articulado para unir o grupo que defendeu o tucano nos quatro anos de gestão.

Candidatura – 3
Na classe política de Ribeirão, muitos questionam esses movimentos de Kiko lembrando que o tucano nem sequer se vacinou contra a Covid-19 na cidade. Assim como a ex-primeira-dama Flávia Dotto (PSDB), também cotada para concorrer à Prefeitura.

MBL
Integrantes do MBL (Movimento Brasil Livre) com mandatos no Grande ABC, Márcio Colombo (PSDB), de Santo André, e Glauco Braido (PSD), de São Bernardo, se envolvem em polêmica com manifestantes que protestaram na região contra a reforma administrativa do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Colombo foi vaiado em frente à Câmara, onde acontecia um ato. Glauco aproveitou o ato de sindicalistas e avisou que vai entregar coxinhas e pães com mortadela durante adesivaço de convocação de protesto contra Bolsonaro, marcado para o dia 12 de setembro.

Volta aos trabalhos
A Câmara de São Bernardo autorizou a volta de sessões solenes e de entrega de títulos e medalhas. As atividades haviam sido suspensas por causa da pandemia. 

Comentários


Veja Também



Voltar