Política

Justiça impede Morando de usar recurso de fundos de autarquia para gastos da Prefeitura



O desembargador Gastão Toledo de Campos Mello Filho, do TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo), impediu que o prefeito de São Bernardo, Orlando Morando (PSDB), utilize recurso de fundos das autarquias para cobrir despesas do Paço.

O magistrado acolheu pedido liminar em ação movida pelo diretório do PT no Estado, presidido pelo ex-prefeito Luiz Marinho.

O petista contestou a Lei 6.887, de 2020, e o decreto 21.666, de 2021, que deu aval a Morando acessar recurso de fundos de autarquias municipais para custear as despesas contra a Covid-19.

Na avaliação de Marinho, o governo tucano não detalhou especificamente para quais ações essas verbas seriam encaminhadas. Ele apontou ainda que a manobra fere a autonomia das autarquias, descumprindo preceitos constitucionais.

“Dessa forma, verifica-se que o prefeito de São Bernardo pretende tomar a disponibilidade de caixas das autarquias municipais sem apresentação das despesas e suas justificativas, o que demonstra a inconstitucionalidade da lei e do decreto regulamentar, sobretudo em relação à Faculdade de Direito de São Bernardo, em decorrência de sua autonomia financeiro-patrimonial, tendo em vistas que as despesas semestrais são em média de R$ 17.330.447,61, sendo que, em dezembro de 2020, havia em caixa o valor de R$ 32.415.213,94”, escreveu Marinho, que emendou haver “inconstitucionalidade sistêmica”.

Para Campos Mello, a liminar no processo mereceu ser concedida diante do risco financeiro envolvido. “Nesse contexto, está presente também o risco de dano grave, consistente na possibilidade de se inviabilizar o funcionamento tanto da Faculdade de Direito de São Bernardo quanto das demais autarquias e fundações do município.”

A ação também questiona a criação da escola de governo na Faculdade de Direito, uma alternativa adotada pela gestão tucana depois de ver a Justiça barrar a mudança estrutural que ele tentou fazer na instituição de ensino.

Ao Diário, o governo Morando disse que não foi notificado, mas que irá recorrer.

Pela manhã, o presidente do PT municipal, Cleiton Coutinho, e as vereadoras Ana Nice e Ana do Carmo tentaram protocolar ofício no gabinete do prefeito dando ciência da liminar concedida pelo desembargador do TJ-SP, mas o grupo não foi recebido pelo tucano.

Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários


Veja Também



Voltar