Brickmann

Palavrões de um mal-educado




Como ensinava o sempre lembrado jornalista Frederico Branco, tem coisa que pode, tem coisa que não pode. Não se pode esquecer a educação – ainda mais quando se trata do presidente da República. A falta de decoro já provocou cassação de mandato por muito menos. A última demonstração de má educação do presidente Bolsonaro foi além de todos os limites: desrespeitou o ministro de um dos poderes da República, desrespeitou as pessoas que não gostam de ouvir linguajar de estrebaria. O presidente tem todo o direito de não gostar do ministro Barroso, mas não de desrespeitá-lo. E muito menos usando palavras que, em qualquer família de bons costumes, valeriam castigos aos meninos mal-educados (que até teriam de lavar a boca com sabão).

Bolsonaro se irrita sempre que fala dos ministros Alexandre de Moraes e Barroso. De Alexandre, disse que “sua hora vai chegar”. Será que sabe de algo que não sabemos? É difícil acreditar que seja ameaça. Não é algo que se espere de um presidente. Quanto a Luis Roberto Barroso, chamou-o de filho da p.... Não se faz política insultando os adversários. Conversar também é impossível deste jeito.

Pense em chefes de governo admirados por Bolsonaro, tipo Trump e Netanyahu. Ambos jogam duro, mas dentro do limite da educação.

Divirta-se
Enquanto o presidente trata adversários com tamanha violência, o Ministério da Justiça negou ao SBT um pedido para que o seriado Rin Tin Tin seja classificado para crianças de 10 anos de idade. Não: o seriado, de 1954, só poderá ser exibido a partir das 21h, por conter “violência, atos criminosos e drogas”, e recebeu indicação para idade superior a 14 anos. Lembre-se do pequeno cabo Rusty: seria ele tão grosseiro a ponto de usar a mesma violência verbal de Bolsonaro?

Empresários em ação
Um grupo de empresários respeitados, entre os maiores do País, está fazendo circular um manifesto de apoio à democracia, que a seu ver é ameaçada por Bolsonaro. Horácio Lafer Piva, ex-presidente da Fiesp, com reputação inatacável, diz que o presidente “tem exagerado”. Errou na dose, no teste que fez quanto à resiliência da sociedade de não se indignar. No grupo há empresários de todos os setores, todos dispostos a apoiar os defensores da democracia.

Delírios da turma
Seguidores de Bolsonaro fazem há tempos campanha contra Barroso, afirmando que o ministro é homossexual. E se fosse, qual o problema? Entre as características exigidas dos ministros, não se toca em questões sexuais. Como não se fala em religião – quem quer nomear um ministro “terrivelmente evangélico” é Bolsonaro. E não se discutem os hábitos de lazer, mas Bolsonaro já disse que quer um ministro capaz de tomar cerveja com ele.

Delírios do chefe
Bolsonaro vai mais longe: acusa o ministro Barroso de querer que as nossas filhas tenham relações sexuais aos 12 anos de idade. Coisa obsessiva. Lembra a Capitã Cloroquina, que visitou a Fiocruz, no Rio, e viu um pênis exposto na porta de entrada. Era o símbolo dos 150 anos da Fundação, e confundi-lo com um pênis exige muita imaginação.

Coisa estranha
Os jornais publicaram uma notícia seca, que merece mais estudo. O presidente Joe Biden teria oferecido ao Brasil o posto de “sócio global” da Organização do Tratado do Atlântico Norte, Otan. Em troca, o Brasil iria barrar a entrada do gigante chinês Huawei na rede nacional de telefonia 5G. E por que a notícia merece mais estudo? Primeiro, Joe Biden não gosta de Bolsonaro e Bolsonaro não gosta de Biden. Biden gosta de operar com organizações globais, como a Otan, e Bolsonaro é contra o globalismo. Terceiro, o Brasil chega ao Atlântico Norte, mas a maior parte do território nacional está no Hemisfério Sul. Há quem diga que o objetivo é aumentar a influência norte-americana sobre as Forças Armadas, já que, como sócio global da Otan, o Brasil teria acesso a armas por preços mais baixos e poderia programar treinos em outros países da Otan. Aí é esperar para ver.

Promessas, promessas
E esperar também para ver quanto valem as promessas norte-americanas. Trump, ídolo de Bolsonaro (I love you, Trump!) prometeu colocar o Brasil na Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico, OCDE. Mas nem Trump levou a conversa a sério: indicou a Argentina.  

Comentários


Veja Também



Voltar