Economia

Consórcio articula a região para retomada da economia



O Consórcio Intermunicipal do Grande ABC já começa a se articular, junto com a Agência de Desenvolvimento Econômico, para a retomada econômica da região no período pós-pandemia. Em conjunto, as entidades devem levar ao governo do Estado demandas das empresas localizadas nas sete cidades. O objetivo é discutir e solucionar os gargalos atuais.

De acordo com o secretário executivo do Consórcio Intermunicipal do Grande ABC, Acácio Miranda, a parceria com a agência é fator importante nesse processo. “Por meio dela (parceria) conseguimos dialogar mais forte com o setor privado”, disse,

“O intuito é criar meios e alternativas para a retomada econômica. Todos os setores enfrentam problemas, e a gente tem buscado incentivos e atuações em novas frentes. Junto ao Estado, temos buscado linhas de crédito pelo Banco do Povo, para pequenas empresas. Também temos uma atuação em conjunto com o Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) em todas as cidades”, completou Miranda.

Além do olhar para o pequeno e microempresário, a entidade busca fortalecimento da vocação industrial da região.

Conforme dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), divulgados nesta semana, o Grande ABC teve saldo de 19.063 vagas de emprego com carteira assinada criadas no primeiro semestre. O setor de serviços foi responsável por impulsionar o resultado, com 7.834 postos, e a indústria aparece depois, com 5.643. “Há grande importância dos microempreendedores, mas sabemos que a capacidade de geração de empregos passa pelo fomento da atividade industrial. Por isso não podemos esquecer da indústria, que é a nossa vocação”, afirmou o secretário executivo da entidade.

Ontem, foi a primeira reunião do GT (Grupo de Trabalho) Indústria instituído pela agência. Segundo o presidente da entidade, Aroaldo Oliveira da Silva, entre as principais demandas estão a reorganização da cadeia produtiva, avanços tecnológicos, aceleração da economia para o aumento da demanda e a elaboração de uma política industrial estadual e nacional.

“Nós fomos desmontando as cadeias produtivas e acontece que muitos setores da indústria são reféns do Sudeste asiático, principalmente com essa questão da falta de semicondutores que atualmente impacta em toda a indústria automotiva. Um grande debate é como reorganizar tudo isso e quais são os gargalos para desmistificar essas questões. Temos que estancar, dar suporte e repensar as próximas possibilidades”, analisou.

Participaram da reunião representantes de empresas da região, como montadoras e ferramentarias, Ciesps (Centros das Indústrias do Estado de São Paulo), Polo Petroquímico de Capuava, associações comerciais, Abimaq (Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos), parque tecnológico, sindicatos e universidades.

O diretor de assuntos governamentais da Volkswagen e ex-presidente da Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores), Antonio Megale, foi um dos que participaram. “É uma oportunidade de unir forças aqui na região para recuperar o que perdemos e fortalecer nossas vocações, que são muitas. As empresas estão tentando nacionalizar o máximo possível de componentes, mas é preciso um nível de competitividade adequado.”

O intuito é que as próximas conversas aconteçam junto à Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Estado, ainda em data a ser definida.

FERRAMENTARIA
Segundo Miranda, além das demandas gerais, haverá a apresentação de uma pauta para a ferramentaria, que inclui a devolução de parte dos créditos de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) retidos. O pleito é demanda antiga do setor, que sofreu bastante nos últimos anos com a desindustrialização e o domínio da China no setor.

“É importante trazer competitividade para que a ferramentaria volte a ser viável no Brasil e na região. Pelo retorno que tivemos das companhias, para elas é melhor que essas empresas permaneçam na região, até mesmo pela qualidade da mão de obra.” 

Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários


Veja Também



Voltar