Setecidades

Acusados de carbonizar família em São Bernardo vão a júri popular em fevereiro de 2022




Os cinco acusados pelo MP (Ministério Público) pelas mortes do casal Flaviana Meneses Gonçalves, 40 anos, e Romuyuki Veras, 43, além do filho menor deles, Juan Victor Meneses Gonçalves, 15, tiveram o julgamento marcado para o dia 21 de fevereiro de 2022, às 13h30, no Fórum de Santo André. O júri popular da primogênita do casal, Anaflávia Gonçalves, 24, e a companheira dela, Carina Ramos, 31, além de Juliano Oliveira, 22, Jonathan Fagundes, 23 – primos de Carina –, e Guilherme Ramos, 19, foi agendado hoje, depois que os réus não entraram com recurso contra a sentença proferida em maio pelo juiz Lucas Tambor Bueno, do Fórum do TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo), no município andreense.

As vítimas foram encontradas carbonizadas no porta-malas do carro da família, um Jeep Compass, na Estrada do Montanhão, em São Bernardo, no dia 28 de janeiro do ano passado. Segundo a acusação, a filha do casal e sua companheira arquitetaram o crime para herdar os bens da família. O caso chocou o Brasil, já que a investigação chegou à conclusão de que o casal e o filho, diferentemente do que se ventilou no início do caso, foi ameaçado com arma de fogo para que entregassem pertences e a senha do cofre, além de terem sido drogados e mortos ainda dentro de casa, a pauladas e sufocados, e só depois foram levados para a estrada, quando os cinco envolvidos optaram por queimar os corpos no intuito de que provas fossem descartadas.

Segundo o advogado Epaminondas Gomes de Farias, assistente de acusação contratado pela família das vítimas, no segundo semestre de 2020 os réus participaram de três audiências de instrução, todas on-line, minimizando a situação. A reportagem apurou ainda que cada um dos acusados apresenta uma linha de defesa distinta, mas, de maneira geral, todos negam participação no assassinato. Mesmo assim, a acusação do MP incrimina os cinco réus pelos homicídios, ocultação de cadáveres e roubo patrimonial, o que renderá aos cinco envolvidos pena máxima, que pode chegar a 30 anos de cadeia.

Em maio, o Diário ouviu o primo de Flaviana, Diogo Reis, 31, que afirmou que a decisão de júri popular trazia conforto para a família, sobretudo porque acreditam que "será um júri crítico". Na ocasião, a equipe de reportagem conversou com os advogados de defesa de Anaflávia e Carina, Sebastião Siqueira Santos Filho e Lucas Domingos, além da advogada de Juliano e Jonathan, Alessandra Jirardi, que confirmaram que não entrariam com ações contra a decisão do juiz, esperando que, no julgamento, possam apresentar "defesas concretas", já que afirmam que o modelo de júri popular também seria interessante para as partes acusadas. O Diário não conseguiu contato com o advogado de defesa de Guilherme Ramos.

Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários


Veja Também



Voltar