Tecnologia

Como a pandemia impactou os downloads de apps




*Por Natane Silva, que fala sobre a evolução dos aplicativos de celular e a pandemia

Seja no transporte coletivo, durante a refeição ou na roda de conversa entre amigos, os smartphones se tornaram, praticamente, extensões do próprio corpo. São itens indispensáveis à rotina.

Leia mais:
Ingram Micro Brasil: Carla Santos é a nova diretora de Cloud
A computação na nuvem e o meio ambiente

Segundo a 31° Pesquisa Anual do FGVcia (Centro de Tecnologia de Informação Aplicada), em 2020, o Brasil contava com 234 milhões de celulares ativos. São cerca de 20 milhões de aparelhos a mais que a população atual, que é de pouco mais de 214 milhões de pessoas.

Outro relatório, sobre o impacto econômico e social do Android comprova a quase onipresença do mobile. Realizado pela consultoria americana Bain&Company em parceria com o Google, o estudo revelou que, em 2019, 97% dos usuários da World Wide Web já acessavam a internet por meio de um smartphone.

Quer ficar por dentro do mundo da tecnologia e ainda baixar gratuitamente nosso e-book Manual de Segurança na Internet? Clique aqui e assine a newsletter do 33Giga

Não à toa, o Brasil ocupa o segundo lugar no ranking de países que passam mais tempo conectados, segundo um estudo da Hootsuite com a We Are Social. Cada brasileiro fica online, em média, 9h20 minutos por dia. Desse total, 4h45 minutos são gastos em dispositivos móveis.

Se você tem alguma dúvida sobre tecnologia, escreva para 33giga@33giga.com.br e suas questões podem ser respondidas

App x Web

Os brasileiros apresentam um comportamento muito interessante – e paradoxal – em relação ao acesso de aplicativos x web. Apesar do acesso às páginas eletrônicas ser maior, se gasta mais tempo em apps que na web.

Em 2020, por exemplo, os brasileiros passaram quase 5 horas por dia utilizando aplicativos de celular, segundo o relatório The State of Mobile 2021, da plataforma App Annie.

Alguns estudos mostram que, durante a pandemia, o hábito dos brasileiros em relação à instalação de aplicativos nos smartphones mudou. A RankMyAPP, empresa da área de marketing digital, constatou um crescimento considerável nos downloads de apps das categorias de delivery, finanças, comércio eletrônico, fitness e streaming.

Segundo a AppsFlyer, empresa de análise de dados de aplicativos de celular, houve aumento médio de 25% no número de instalações de apps em todo os Estados brasileiros. De acordo com a empresa, as categorias mais baixadas foram as de delivery de comida, reuniões on-line, comércio eletrônico e fitness.

Um estudo realizado pela companhia Sensor Tower – e divulgado pelo Cuponation – indica que o Brasil ficou em terceiro lugar no ranking de países que mais fizeram downloads de aplicativos no terceiro trimestre de 2020. Um total de quase 3 bilhões de instalações.

Seria o renascimento da Era dos Apps?

Apesar dessas mudanças de comportamento durante a pandemia e do aumento nos downloads de apps, a instalação de um aplicativo não significa, por si só, que eles irão voltar a ser os “trends topics” da tecnologia. De acordo com o relatório The Uninstall Threat – 2020 Uninstall Benchmarks, da AppsFlyer, 53% dos aplicativos de celular são removidos do device até um mês após a instalação. E, em 45% dos casos, a desinstalação acontece um dia após o download.

Aqui, é interessante pontuar que existe uma distorção nessa questão. Isso porque é limitado o número de aplicativos de celular que são quase que unânimes nos aparelhos da população.

O top 10 dos apps mais baixados no mundo, por exemplo, é dominado pelos aplicativos de celular de redes sociais. Para se ter ideia, em 2020, os 10 apps mais baixados no mundo, segundo a empresa de inteligência Apptopia foram:

  • TikTok – 850 milhões de downloads
  • WhatsApp – 600 milhões
  • Facebook – 540 milhões
  • Instagram – 503 milhões
  • Zoom – 477 milhões
  • Messenger – 404 milhões
  • Snapchat – 281 milhões
  • Telegram – 256 milhões
  • Google Meet – 254 milhões
  • Netflix – 223 milhões

O futuro dos Apps já chegou

No universo dos aplicativos de celular, uma tendência tem ganhado força e pode ser vista como o futuro dessa tecnologia. É o Progressive Web App (PWA). Trata-se de é uma aplicação desenvolvida em linguagem web para parecer e se comportar como um app nativo.

Instalável e otimizado, o PWA une alcance e engajamento em um só pilar. Ao se utilizar de pré-cache, não necessita de internet para funcionar.

O potencial dessa inovação é grande. Tanto que foi capaz de unir as gigantes Google e Microsoft. Levando em consideração que 9 em 10 usuários de smartphones no Brasil utilizam o sistema Android e que, atualmente, já é possível baixar um PWA na Google Play – mas não na Apple Store –, varejistas precisam estar atentos para não perder as oportunidades que esta aplicação traz.

A verdade é que, no atual contexto de aumento das conexões – e das transações – a distância, a telinha do mobile guarda um mundo inteiro bem na palma de nossas mãos!

*Natane Silva é redatora na Wejbump e uma das responsáveis pela implantação do Núcleo de Diversidade e Inclusão na empresa.

Comentários


Veja Também



Voltar