Política

Tite e Palacio podem se unir e escantear Auricchio




Plano de aproximação entre o prefeito de São Caetano, Tite Campanella (Cidadania), e o ex-prefeiturável Fabio Palacio (PSD) foi deflagrado com objetivo de unir forças entre eles e escantear o grupo ligado ao ex-prefeito José Auricchio Júnior (PSDB) caso haja nova eleição no município.

Nas últimas semanas, emissários dos dois lados – rivais no pleito de novembro – foram enviados na tentativa de desarmar os líderes dos blocos. A costura estaria sendo capitaneada, inclusive, pelo prefeito de São Bernardo, Orlando Morando (PSDB), padrinho político de Palacio.

Tite é prefeito em exercício desde o dia 1º de janeiro, uma vez que Auricchio, o mais bem votado na eleição de novembro, teve os votos anulados pela Justiça Eleitoral, por condenação por captação irregular de doação eleitoral no pleito de 2016. Enquanto o tucano recorre no TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Tite, eleito presidente da Câmara, administra a cidade. Uma nova eleição depende da rejeição de recurso movido pela defesa do ex-prefeito. A expectativa é a de que, na volta do recesso do Judiciário, em agosto, o tema entre na pauta dos ministros do TSE.

Não é de hoje que Tite estreita diálogo com adversários de Auricchio. Exemplo mais cristalino dessa postura foi com a nomeação de Thiago Tortorello (ex-PRTB), prefeiturável no ano passado na raia oposicionista ao auricchismo, como secretário de Desenvolvimento Econômico. Thiago deixou claro que, se houver nova eleição, apoiaria Tite.

A ideia dos entusiastas da parceria é ter Tite como prefeiturável e Palacio na vice. O primeiro ficaria na cabeça da chapa por ter bom trânsito junto à classe política com habilidade e capacidade de aglutinar forças que torcem o nariz para Auricchio ou ao pessedista, além de carregar sobrenome histórico no município (seu pai, Anacleto Campanella, foi prefeito por dois mandatos nos anos 1950 e 1960). Palacio emprestaria o recall de duas eleições seguidas ao Executivo, além da possibilidade econômica à campanha que Morando pode trazer.

Seria a construção de um bloco, uma virada de página na política da cidade que também interessa Morando, que teria no governo de São Caetano um pilar para candidatura à reeleição de Carla Morando (PSDB), sua mulher e atual deputada estadual. No prisma atual, o Palácio da Cerâmica trabalharia pela recondução de Thiago Auricchio (PL), filho de Auricchio, à Assembleia Legislativa.

Há algumas semanas, segundo apurou o Diário, a publicitária Luciana Patara, recentemente exonerada do cargo de secretária de Comunicação da gestão de Paulo Serra (PSDB) em Santo André, conversou com interlocutores de Tite. Professora concursada da USCS (Universidade Municipal de São Caetano), ela se colocou à disposição de ajudar o chefe do Executivo no setor. O diálogo foi um sinal do baixar a guarda por parte do núcleo palaciano – Luciana é casada com Juan Muñoz, um dos principais articuladores políticos de Palacio.

Muñoz também enviou mensagens de paz para Tite, abrindo campo para uma composição. Vereadores que têm trânsito com os dois lados reforçaram as articulações. A saída de Regina Maura Zetone (PSDB) do cargo de secretária de Saúde foi mais um ingrediente que temperou o caldo político de uma eventual junção de forças. Regina é uma das figuras mais próximas de Auricchio na política do município, vinha se estranhando com Tite a respeito dos protocolos durante a pandemia de Covid-19 e, ao sair da pasta, não garantiu retorno após cumprir 30 dias de licença-prêmio à qual tem direito – Tite disse que a quer como uma espécie de conselheira para pensar a gestão.

Ontem pela manhã, o deputado federal Alex Manente (Cidadania), de São Bernardo, esteve no gabinete de Tite – postou, inclusive, a foto em suas redes sociais. A imagem foi interpretada como mais um passo a favor da aliança, já que Alex hoje está próximo de Tite e de Morando – por outro lado, a união de décadas com Auricchio anda meio estremecida. Nos bastidores, Alex vinha trabalhando composição entre Tite e o presidente da Câmara, Pio Mielo (PSDB), como vice, se houver nova eleição.

Alex, entretanto, negou veementemente que tenha conversado sobre uma aliança entre Palacio e Tite. “Falamos sobre emenda para compra de base móvel da GCM (Guarda Civil Municipal) e dos festejos do aniversário da cidade”, disse. São Caetano celebra 144 anos na quarta-feira.

Ao Diário, Tite assegurou que seu foco exclusivo é a administração de São Caetano. “Até porque não há eleição no horizonte, não teria motivos para discutir isso. Meu trabalho é gerir a Prefeitura de São Caetano e trabalhar pelos moradores.”

Palacio disse que “ninguém tem autorização” para falar por ele. “E se houvesse alguma proposta, ele (Tite) teria de ser meu vice, não o contrário. Quem recebeu 30,4 mil votos fui eu.” 

Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários


Veja Também



Voltar