Memória

As crônicas ritmadas do professor Martins. As formigas da Cabeça Ativa. Os novos livros da Editora Matarazzo.




Da cidade de São Vicente, Memória recebe o número 53 da revista Cabeça Ativa, obra-prima dos editores Claudia Brino & Vieira Vivo.

De São Paulo, os mais recentes lançamentos da Editora Matarazzo: um livro de memórias da infância da menina Thais Matarazzo e outro de poesia de Glafira Menezes Corti, os dois brilhantemente ilustrados por Camila Giudice, o primeiro em parceria com Alexandre de Morais Almeida.

CONTATOS
Ateliê Editorial:
www.atelier.com.br;
(11) 4702-5915.
Cabeça Ativa: livroscostelasfelinas@gmail.com; (13) 9-8139-1967.
Editora Matarazzo: www.editoramatarazzo.com.br; (11) 3991-9506.
“Ficaram umas notas de rodapé aqui reunidas sob a forma de crônicas tardias...”

No Limiar da Noite – Crônicas Suburbanas (Cotia, SP: Ateliê Editorial, 2021), professor Martins faz recordar trabalhos seus publicados pelo News Seller no começo da década de 1960, quando o estudante chefiava a sucursal do futuro Diário do Grande ABC em São Caetano; claro, hoje com a tarimba de quem já viajou por tantos e tantos trabalhos sociais e literários no Brasil e no mundo.

APRESENTAÇÃO
Para que explicar o inexplicável do invisível e do inacabado? O perceber de soslaio, o visto de relance? O nós que somos não sendo?

MINHA RUA
De minha rua ficou na lembrança o estranho silêncio da noite, ritmado pelo coaxar dos sapos no brejo dos terrenos baldios, pelo ressonar de operários cansados escoando pelas frestas das venezianas, com cheiro de sono e de suor.

ROSEIRA
A roseira antiga de minha avó ainda floresce no meu jardim.
Exala o perfume que perfumou sua vida dura. Que lhe mostrou todas as manhãs de sua longa vida que havia um lá adiante, depois das cercas e dos limites.

Com as emoções proporcionadas pela prosa-poesia do professor Martins, folheamos Cabeça Ativa do casal 20 de São Vicente:
Ninguém dá bola, mas as formigas adoram coca-cola
Ricardo Silvestrin

Na noite preta, sobre uma mesa de mármore preto, uma formiga preta. Deus a Vê!

Provérbio árabe
Ao atingirem o orgasmo, as formiguinhas concluíram: “Realmente, mordida de amor não dói”.
Becê Ataíde

Formigas carregam cores para seu escuro.
Cláudio Feldman

Minha maior vitória foi não esmigalhar a formiga que ia à frente, mesmo podendo fazê-lo.
Benilson Toniolo

O que a menina Thais nos traz?
De uma caixa de brinquedos tiro sonhos e segredos e descubro o que é mesmo ser feliz...
Thaisinha, como é chamada pela sobrinha Giovanna, 2 anos, traz doces lembranças dos anos 1980, 1990, quando a internet principiava e ela ganhou um videogame do que não gostava: preferia livros, gibis e brincadeiras tradicionais.
Tais brincadeiras se espalham pelo livro Thaisinha: Causos da Minha Infância, em cada cantinho em branco que sobrou: o barquinho de papel, o aviãozinho (também de papel), a bicicleta com a cesta de flores pendurada no guidão, o trenzinho caipira.
De repente o leitor sente o cheiro e o sabor de uma rosquinha doce frita servida com café.
Nas memórias da menina paulistana, um generoso espaço para a Cidade da Criança, de São Bernardo, que quase chegou ao fim bem recentemente. Thaisinha esteve várias vezes no parque. Guarda fotos num álbum de recordações. Agora, outro dia, teve um calafrio ao ler no Diário do Grande ABC que a Cidade da Criança correu o risco de chegar ao fim.
Sabe,Thais, eu acho que este livro deveria ser lido pelas “otoridades” de São Bernardo. Imagino que elas também foram crianças e frequentaram a sua Cidade.
Mas cadê a sensibilidade de cada um? Eles não têm o seu jeito meigo de voltar no tempo?
Lindo o seu livro, viu?

Próximo livro, a poesia de Glafira Menezes Corti.
A força do meu amor alivia a grande ausência, torna real o carinho, obedece ao coração
Versos Verdes, da professora Glafira, pela Editora Matarazzo. A autora possui uma linda biografia, que passa pelo Programa de Educação de Adultos da Prefeitura de São Paulo.
Sua obra, Versos Verdes, exala paixão.

APRESENTAÇÃO
As palavras, pactuadas com as letras e sílabas, abandonam o acanhamento quando querem traduzir a transformação do sentimento em versos e prosa.

REVELAÇÃO
Amar é ser nobre sem título, ser cego deslumbrado, desprezar a razão, ficar desengonçado, ter a ousadia de sorrir azul royal, conversar e o pensamento sabotar.

GEMIDOS DO CORAÇÃO
Solidária, guerreira e honrada, te fiz um ser de fibra e determinação.

Diário há meio século
Domingo, 18 de julho de 1971 – ano 13, edição 1590
Mauá – Monsenhor Alexandre Arminas quer oficializar a igreja matriz Imaculada Conceição como ponto de atração turística.
Segundo o pároco, trata-se do único templo religioso do Brasil totalmente revestido com pedras coloridas.

Santos do dia
Áurea. Espanhola. Irmã dos santos mártires Adolfo e Juan
Arsênio
Serafim de Sarov

Municípios do dia
29 cidades aniversariam em 19 de julho, entre as quais a paulista Turiúba.
Também aniversariam: Abaré (Bahia); Assaré (Ceará); Barreiros (Pernambuco); Bom Jesus (Santa Catarina); Encruzilhada do Sul (Rio Grande do Sul); Jacuí (Minas Gerais); Novo Gama (Goiás); Santana do Maranhão (Maranhão); e União do Sul (Mato Grosso).

Hoje
Dia Nacional do Futebol, data celebrada desde 1976 em homenagem ao time mais antigo do País em atividade, o Sport Club Rio Grande, fundado em 19 de julho de 1900. 

Comentários


Veja Também



Voltar