Cena Política

Orlando Morando joga vereador ao fim da fila




O prefeito de São Bernardo, Orlando Morando (PSDB), capitalizou politicamente a medida da Prefeitura em jogar para o fim da fila da vacinação o morador que escolher o imunizante na sua vez de receber a dose. Com série de entrevistas, o tucano jogou para o fim da fila os vereadores da base de sustentação. Ele havia prometido iniciar no dia 1º discussão sobre realinhamento da bancada com o Paço, acolhendo sugestões e indicações no Executivo. Por isso, três semanas de armistício foram vistas no Legislativo, período no qual o governo viu aprovado projeto de lei que extingue o Imasf (Instituto Municipal de Assistência à Saúde do Funcionalismo) mesmo sem prévio debate. Não foram poucos os vereadores contrariados com o que classificaram como manobra do prefeito. Principalmente porque, pelo menos por ora, nenhum movimento para encurralar Morando pode ser feito, já que a Câmara está em recesso.

Alerta de cilada
Não faltou quem alertasse a bancada de sustentação, em especial alguns integrantes do G-10 (grupo que busca se desgarrar do situacionismo), que votar às pressas o projeto de lei que extingue o Imasf seria passaporte para o prefeito Orlando Morando protelar a discussão sobre a participação do Legislativo no governo de São Bernardo. Mesmo assim, a votação foi tranquila, inclusive com voto de petista à proposta duramente criticada pelo Sindserv (Sindicato dos Servidores Públicos e Autárquicos) e pelo conselho eleito do Imasf.

Cargo
Ex-primeira-dama de Ribeirão Pires, Flávia Dotto (PSDB) está nomeada como diretora técnica da diretoria regional de assistência e desenvolvimento social do Grande ABC, setor vinculado à Secretaria Estadual de Desenvolvimento Social. O salário líquido da tucana é de R$ 5.725,20, conforme o Portal da Transparência. Flávia é casada com o ex-prefeito Adler Kiko Teixeira (PSDB), atualmente secretário de Administração do governo do prefeito de São Bernardo, Orlando Morando (PSDB). O salário de Kiko é de R$ 22,9 mil.

Candidatura
Por falar em Flávia, ela é presidente do PSDB em Ribeirão Pires e tem seu nome cotado para concorrer a deputada federal na eleição do ano que vem. A estratégia seria para dobrar com a primeira-dama de São Bernardo, a deputada estadual Carla Morando (PSDB), em território ribeirão-pirense. Em 2018, com Kiko no comando do Paço, Carla recebeu 2.841 votos na cidade. Agora, com Clóvis Volpi (PL) como prefeito, o candidato da máquina tende a ser o deputado estadual Thiago Auricchio (PL).

Nomeações
O governo do prefeito Clóvis Volpi (PL), de Ribeirão Pires, segue, aos poucos, tirando a força da oposição. Nesta semana, formalizou a nomeação de Miguel Luis Filho, ex-comandante da Defesa Civil e secretário adjunto de Trânsito na gestão de Adler Kiko Teixeira (PSDB). Lú, como é conhecido, será diretor na Secretaria de Meio Ambiente. Outra contratação formalizada foi a da ex-vereadora Cléo Meira – futura chefe de unidade na pasta de Juventude, Esporte, Lazer, Cultura e Turismo.

Possibilidade
O alto escalão do governo do prefeito de Santo André, Paulo Serra (PSDB), discute se vale a pena lançar o secretário de Desenvolvimento e Geração de Emprego, Evandro Banzato, a deputado federal no ano que vem. Banzato está no time do tucano desde o primeiro mandato e enfrentou as urnas em 2008, quando se lançou a vereador pelo PSDB e recebeu 959 votos. Na ótica de alguns governistas, ele tem bom perfil para concorrer à função e por ser ligado ao setor econômico da cidade.

Visita
O prefeito de Diadema, José de Filippi Júnior (PT), visitou a vereadora Lilian Cabrera (PT), que retomou o mandato após dois meses e meio afastada lutando contra a Covid-19. 

Comentários


Veja Também



Voltar