Memória

Dois selos, duas simbologias - Exercícios de tiro Um violinista na Avenida Dom Bosco


 Em 9 de abril de 1916, começavam exercícios de tiro e evoluções militares em Santo André. 

Tropas de soldados paulistanos, sob a direção do capitão Vicente Massa, embarcaram pelo trem das 3h da madrugada na Estação Luz. Vieram se encontrar com os colegas do Tiro de Guerra 34 de Santo André. Não havia loteamentos entre as áreas que abrigam, neste ano de 2021, os distritos de Utinga e Capuava. Tudo era muito deserto. Ali que se realizou o treinamento militar, mais de um século atrás.

INTERCÂMBIO

Desde 1896, com instalação em 1897, Ribeirão Pires, no então município de São Bernardo, se constituía no segundo distrito de paz do atual Grande ABC. Santo André ainda não era distrito. E quando Ribeirão Pires, em 1901, realizou mais uma festa de São José, em louvor ao seu padroeiro, coube à banda musical do Ipiranguinha, regida pelo maestro andreense Artur Magini, animar os festejos de Ribeirão, “executando excelentes peças do seu vasto repertório”.

No início do século passado – o XX – a crise financeira rondava os primeiros tempos da República, com reflexos na região.Para que a banda do Ipiranguinha pudesse se apresentar em Ribeirão Pires, o tenente-coronel Agenor de Camargo – hoje nome de rua – dispensou os músicos do trabalho, já que eram todos operários da sua fábrica de tecidos, a Tecelagem Ipiranguinha.

A história local se entrelaça pelas sete cidades. ‘Grande ABC’ e ‘Setecidades’, títulos perpetuados pelo Diário e que sintetizam uma história de transformações, do ir e vir.

UM MÚSICO

O alemão Bruno Kunze era professor. Lecionava música em São Paulo e tocava na orquestra da Rádio Gazeta. Ele residia com a mulher, Catarina Kunze, na Vila Utinga Velha, hoje Avenida Dom Bosco. Uma belíssima chácara, de pomar diversificado e lindos jardins.

O casal Kunze foi o primeiro das imediações. Quando estava em casa, Bruno lidava com terra e com as plantações. Fazia de tudo.

Quem o conheceu, lembra: Bruno tinha mãos divinas, era um excelente violinista. Faleceu em 1951.

O Trabuco: censurado, jamais calado...

Filho de Domenico Guerino Leporace e Marianna Graman, imigrantes italianos, Vicente Leporace nasceu no Sul de Minas Gerais, na cidade de São Tomas de Aquino, porém, foi criado em Franca, Interior de São Paulo. <EM>Leporace foi um dos jornalistas de rádio mais inteligentes e de maior prestígio em sua época, tendo se iniciado em 1941 na Rádio Clube Hertz de Franca, depois esteve na Mayrink Veiga do Rio, Cruzeiro do Sul, Record e Bandeirantes, as três últimas de São Paulo. 

Era um profissional completo, tendo inclusive participado de alguns filmes da Vera Cruz e da Atlântida. Também compunha e na televisão apresentou um dos programas mais populares da década de 50, a Grande Gincana Kibon da TV Record. 

Em 1962, na Rádio Bandeirantes, ele lançou O Trabuco, um jornal matinal que consistia na leitura diária das notícias veiculadas nos principais periódicos do País, seguidas de seus comentários duros e, ao mesmo tempo, carregados de um humor inteligente. 

Ele também escrevia, tinha coluna em diversos jornais. 

Já apresentei em outras ocasiões dois programas Memória sobre Leporace e neste fim de semana voltarei a focaliza-lo em razão do aniversário de sua morte, 43 anos, no próximo dia 16. 

Trechos de entrevistas com ele e trechos de O Trabuco, incluindo programas que foram confiscados pela censura do regime militar de 64.

EM PAUTA – Rádio Bandeirantes AM (840) e FM (90,9) – Vicente Leporace e O Trabuco. Produção e apresentação: Milton Parron. Hoje, sábado, às 22h, com reprise amanhã, domingo, às 7h, e durante madrugadas da semana.

Diário há meio século

Sexta-feira, 9 de abril de 1971 – ano 13, edição 1507

Religiosidade – Naquela Sexta-Feira Santa, a Rádio Diário levava ao ar exclusiva programação de páginas musicais orquestradas, especialmente selecionadas para a data.

n O Diário não circulou em 10 de abril de 1971, sábado de aleluia.

Em 10 de abril de...

1966 – Com a presença do prefeito Fioravante Zampol, é fincada a primeira estaca no terreno da antiga chácara Bastos, onde será erguido o Paço Municipal de Santo André.

1986 – Prefeito Newton Brandão contrata os primeiros 34 guardas municipais. Nascia, efetivamente, a Guarda Municipal de Santo André, num trabalho da Acisa (Associação Comercial e Industrial) e, em particular, do seu presidente, Antonio Carlos Guirelli.

Hoje

Dia do Engenheiro Metalurgista 

Dia da Arma de Engenharia Militar

Santos do Dia

Macário da Antioquia

Municípios Brasileiros

No Estado de São Paulo, hoje é o aniversário de Álvares Florence (1949), Ariranha (1918), Artur Nogueira (1904), Juquiá (1829), Pontes Gestal (1964) e Serrana (1890).

Entre as cidades brasileiras, aniversariam em 10 de abril: Aperibé, Areal e Rio das Ostras (Rio de Janeiro); Atílio Vivacqua (Espírito Santo); Bocaina (Piauí); Colinas e Parnarama (Maranhão); Guajará-Mirim (Rondônia); Itatiba do Sul e Riozinho (Rio Grande do Sul); Jaupaci (Goiás); e São Felix do Xingu (Pará). 

Comentários


Veja Também


Voltar