Política

Paulo Serra critica falta de diálogo do Estado




Presidente do Consórcio Intermunicipal do Grande ABC e prefeito de Santo André, Paulo Serra (PSDB), criticou o que considerou falta de diálogo por parte do governo de São Paulo, sob comando de João Doria (PSDB), especificamente em assuntos que impactam diretamente a região, a exemplo da implementação do BRT (transporte rápido por ônibus, na sigla em inglês) e no anúncio de antecipação da vacinação nos municípios.

De acordo com Paulo Serra, o governo estadual tem tomado decisões dentro do Palácio dos Bandeirantes e não tem informado aos municípios, que, na visão do prefeito, têm mais interesse em atuar para que as ações sejam executadas. “É mais um pedido do que crítica. Gostaria que o governo do Estado informasse as ações aos municípios. Muitas vezes (medidas) são decididas dentro do Palácio dos Bandeirantes e quem tem que executar (municípios) não fica nem sabendo”, declarou o tucano. “Peço um pouco mais de humildade e senso de lealdade”, emendou.

O Consórcio formalizou ontem solicitação de esclarecimentos à Secretaria de Transportes Metropolitanos do Estado, chefiada pelo secretário Alexandre Baldy, sobre o contrato para implantação, manutenção e exploração do sistema BRT à Metra, além da prorrogação da concessão dos serviços de transporte coletivo intermunicipal por ônibus e trólebus no Corredor ABD.

“É claro que a região quer a Linha 18-Bronze (que foi renomeada para BRT ABC) com qualidade e com integração às linhas de Metrô, mas a questão é que existe um distanciamento, um descaso (por parte do governo do Estado) na comunicação. Este é um pedido para que o Palácio dos Bandeirantes dialogue com os municípios”, pontuou Paulo Serra.

O governo estadual ampliou a concessão do Corredor ABD à Metra em 25 anos, ou seja, até 2046. Em contrapartida, a empresa teria que concretizar o modelo de BRT no Grande ABC, além de outros investimentos. A companhia ainda irá administrar as linhas intermunicipais que hoje estão a cargo da EMTU (Empresa Metropolitanas de Transportes Urbanos) na região, também conhecida como Área 5, cujos lotes são explorados a título precário por 16 viações e que será extinta em um ano.

O tucano, por meio do Consórcio, requereu informações aprofundadas sobre planejamento e execução do BRT, o que incluiria o escopo dos corredores exclusivos, estudos de impacto em relação ao sistema viário local, desapropriações e interfaces de operação de trânsito local e do corredor, além de outras demandas.

O BRT foi idealizado em 2019 como alternativa à Linha 18, via monotrilho, que foi descartada pelo Estado. Baldy alegou, à época, que a troca do tipo de transporte se deu devido aos valores envolvidos, uma vez que a previsão de conclusão do atual modelo representava 10% do projeto original.

O Estado sustentou que Baldy vai agendar visita ao Consórcio para conversar com os prefeitos impactados pelos assuntos questionados, porém, sem estimar data.

Tucano pede planejamento em vacinação

No quinto ano à frente do Executivo andreense, Paulo Serra adotou também tom crítico à postura tomada pelo governo do Estado em antecipar fases da vacinação contra Covid-19 sem informar os passos às cidades, que vão preparar a logística e realizar a aplicação dos imunizantes.

O prefeito questionou, por exemplo, se não há algum tipo de planejamento inicial a cada procedimento, elaborado pelo Palácio dos Bandeirantes, que possa ser repassado aos municípios com antecedência, visando que estas cidades tenham tempo para organizar os equipamentos de acordo com a demanda.

“Hoje (ontem) vimos a antecipação da vacinação para os profissionais da educação. Todos querem ser vacinados. Mas será que não há um planejamento? Lembrando que o governo do Estado não aplica as vacinas, ele só distribui os imunizantes”, pontuou o tucano.

Paulo Serra ainda avaliou que há “desrespeito” com o Grande ABC também em outras ações encabeçadas pelo governo e que acabam afetando os municípios. “Há essa falta de comunicação também em outras iniciativas, como o Plano São Paulo, por exemplo”, afirmou.

O Estado anunciou em coletiva de imprensa realizada ontem a antecipação do início da vacinação para os profissionais da educação acima de 47 anos para hoje. O começo da imunização estava previsto anteriormente para segunda-feira. A expectativa é a de que 350 mil profissionais recebam doses do imunizante. Indagado sobre as manifestações a respeito da vacinação, o governo não se posicionou sobre o assunto. 

Comentários


Veja Também



Voltar