Palavra do Leitor

Fôlego para ONGs


O enfrentamento da Covid-19 traz inúmeros desafios e expõe o quanto a pandemia causada pelo novo coronavírus é avassaladora na vida das pessoas menos favorecidas e mais vulneráveis. Estamos falando da população ribeirinha, de refugiados que escolheram o Brasil para ter nova chance, do morador em situação de rua independentemente do motivo, de grupos que incentivam empreendedorismo em favelas, das pessoas com HIV carentes de apoio jurídico e que dependem de apoio assistencial, e tantos outros no nosso Brasil. Cenário de muita instabilidade e incerteza, mas que ajudou a acender a luz para que olhássemos para as organizações filantrópicas. Questão humanitária. No dia a dia, são as organizações assistenciais que ajudam a financiar projetos de diversas ONGs (Organizações Não Governamentais) e chegar a essas pessoas necessitadas. E o desamparo dessas entidades que estão na linha de frente 365 dias do ano pode ter grande impacto social.

Desde março de 2020, início da pandemia, organizações não fecharam as portas. Pelo contrário. Continuaram oferecendo serviços de apoio. Isso porque é da essência do povo brasileiro ser solidário. Mas é bem verdade que, apesar dos esforços e tentativas, essas entidades estão captando cada vez menos recursos que possibilitem o oferecimento destes trabalhos comunitários. Porém, doações das empresas privadas caíram drasticamente no ano passado. Ao mesmo tempo, após um ano de pandemia, o efeito econômico impactou mais esta população vulnerável. Em 2020, o impacto nos projetos com HIV/Aids, LGBT, mulheres, com movimentos negros e também de população trans foi significativo e fez com que o Fundo Positivo financiasse projetos de Covid-19. No entanto, neste ano, a preocupação se acentuou ao perceber que a rede de apoiados era impactada, a ponto de ter sua missão organizacional ameaçada pela falta de recursos.

E por essa razão que o Fundo Positivo, organização que financia há seis anos mais de 120 organizações sem fins lucrativos em todo o Brasil, ofereceu apoio financeiro de forma emergencial. Assim, entidades filantrópicas conseguem manter em dia despesas com folha de pagamento, aluguel, contas de água e luz, neste período de pandemia de Covid. Foram escolhidas 20 ONGs e cada uma recebeu repasse de cerca de R$ 40 mil. Traz alento para nós saber que neste momento refeições estão sendo servidas à população que mais necessita, adolescentes do Estado de São Paulo que vivem com HIV-Aids têm condições básicas e estão mantidos na faculdade. E outras milhares de pessoas estão com as vidas impactadas de forma positiva. Devemos incentivar, praticar a solidariedade e acreditar que o desenvolvimento social inspira atitudes positivas.

Harley Henriques é coordenador geral do Fundo Positivo.

PALAVRA DO LEITOR

Dia do Jornalista
Pelo transcorrer do Dia do Jornalista, 7 de abril, parabenizo toda a equipe de profissionais do jornalismo deste Diário pelas informações e boas notícias diariamente necessárias. Cordiais Saudações.
Rafael Rabinovici
São Bernardo


Caos total
Em País no qual as pessoas não respeitam o isolamento físico por causa da pandemia; nas vendas de gêneros alimentícios, de higiene, combustíveis etc, cada um determina seu preço; pessoas que acreditam em Papai Noel, Coelhinho da Páscoa, Saci-Pererê, torcem para a volta da corrupção, da roubalheira geral e a política de quanto pior, melhor, só há um tipo de governo para dar basta nessa situação. E esse tipo de governo é o que a maior parte da população brasileira tanto deseja, para se restabelecer a ordem e o progresso da Nação. Mas, ao que parece, os chefes do poder preferem deixar do jeito que está, para ver como é que fica. Se é que dará tempo de ver como vai ficar. Acorda, Brasil.
Sérgio Antônio Ambrósio
Mauá


Concordo!
Concordo plenamente com o leitor Leopoldino Lopes Conceição (Sem esquerda, dia 7). Este Diário tem dado muita guarida a esquerdistas, sem esquecer o colunista Carlos Brickmann (Política), que só sabe falar mal do atual governo, sempre mencionando a mansão adquirida pelo filho do presidente. Mas não vejo uma linha sobre o Lulinha, que, de tratador do zoológico, esta ‘biliardário’, com várias fazendas e gado. Talvez eu deva usar as mesmas armas do senhor Leopoldino.
Jair Pistoia
São Bernardo


Discordo!
Que mentalidade triste e limitada a do leitor Leopoldino Lopes Conceição, expressada nessa conceituada coluna Palavra do Leitor. Quer dizer que ele prefere viver em ditadura? Quer dizer que só a direita pode divulgar suas ideias? Será que ele gostaria de ser impedido de manifestar suas próprias ideias? Creio que ele não gostaria, assim como ninguém gosta. Todos nós pagamos impostos e temos os mesmos direitos. Portanto, aprenda a conviver com a esquerda, com a direita, com o centro e com quem não se encaixa em qualquer um desses rótulos. Meu desejo é que pessoas assim, como o citado leitor, sejam cada vez mais raras em nossa sociedade. Só mais dois detalhes: o ex-presidente Lula não é condenado. E este Diário sempre foi veículo democrático. Para finalizar, não sou petista nem esquerdista, no segundo turno votei no atual presidente, e já me arrependi profundamente do meu voto.
Fábio Durante
Santo André


Fora, Bolsonaro! – 1
Assino embaixo a missiva da leitora ‘batateira’ Tânia Teixeira, publicada neste prestigioso periódico Diário (Parcialidade, dia 5). Fora, Bolsonaro!
João Paulo de Oliveira
Diadema


Fora, Bolsonaro! – 2
Negacionismo! Quem não providenciou vacinas, continua defendendo a cloroquina. Assuma seus atos, presidente Bolsonaro!
Tânia Tavares
Capital


Fica, Bolsonaro!
Lendo esta coluna de segunda-feira, deu para ver que o presidente Bolsonaro incomoda a muitos, e o que escrevem contra ele não tem nexo nem lastro (Opinião, dia 5). Uns parecem crianças ao falar de política; outros despejam seus dramas e ressentimentos. Que coisa feia! De sete cartas, três o atacaram. Respeito é bom e todo mundo gosta. Ganhou a eleição em 2018. Somos democratas ou não? Eu sou. Mas acredito que também leram a entrevista de Joyce Hasselmann (Política), a maior criadora de fake news dos últimos tempos. Pouco se aproveita da entrevista. Mas para os que estão descontentes e atacando o presidente da República, sigam a orientação dela: ‘O melhor caminho é o aeroporto’. Portanto, aproveitem e voem – Cuba e Venezuela os receberão de braços abertos. A China pode ser também. O sistema de governo é o mesmo nos três países.
Ângelo Marchi Neto
Mauá 

Comentários


Veja Também


Voltar