Memória

EXCLUSIVO - O frei que não pôde ser bispo


CEBs. Carestia.
Fundo de Greve

Texto: Eliana Borges Cardoso

Abril de 1979. Na intervenção militar no Sindicato dos Metalúrgicos de Santo André, frei Luiz teve papel fundamental, com apoio de dom Cláudio Hummes, bispo diocesano de Santo André. 

Ele acolheu por quase um mês toda a diretoria cassada pela ditadura, no salão paroquial da igreja do Bonfim, já que havia certa garantia de que neste espaço religioso não haveria invasão das forças de repressão.

As assembleias eram realizadas no salão no mesmo horário da missa. Os trabalhadores entravam pela porta da igreja como se fossem à missa e saiam pelos fundos da sacristia para acessarem a assembleia. 

Frei Luiz celebrava a missa concomitantemente com a assembleia e controlava o seu final com o final da assembleia, para que trabalhadores e fiéis pudessem se misturar na saída da igreja e, assim, confundir os militares que estavam do lado de fora, na praça da Igreja do Bonfim.

Naquele ano de 1979, frei Luiz, com as CEBs (Comunidades Eclesiais de Base) e os movimentos contra a carestia, organizou arrecadações de alimentos no Parque das Nações para abastecer o fundo de greve.

QUASE BISPO

Naquela época, com 45 anos, o nome do frei Luiz circulava nos meios eclesiais como possível nomeação para bispo. Mas sob o pontificado de João Paulo II a Igreja conheceu um retrocesso no que tange às pastorais sociais e à Teologia da Libertação.

O nome de frei Luiz chegou ao Vaticano e foi barrado, como contou posteriormente um seu amigo que trabalhava em Roma. 

Na ficha de frei Luiz constava tarja vermelha com a escrita “sciopero”. Ou seja, “greve”.

A atuação de frei Luiz nas greves do Grande ABC o marcou junto aos padres da linha conservadora. Idem o movimento dos sem-terra no Paraná. Episódios que barraram seu nome para o episcopado.

NOTA DA MEMÓRIA

O Diário do Grande ABC, mantendo a sua linha independente, cobriu cada momento das greves históricas dos metalúrgicos, incluindo as assembléias realizadas na igreja do Parque das Nações.

O Banco de Dados do Diário preserva o conjunto de negativos fotográficos do movimento sindical, desde as greves históricas da virada dos anos 80 para 90 até os dias atuais, juntamente com as edições publicadas.

Enquanto que, em São Bernardo, os metalúrgicos tinham o apoio da Prefeitura (administração Tito Costa), que cedia a Praça Cívica do Paço Municipal e o Estádio da Vila Euclides para as assembleias dos trabalhadores, em Santo André faltou o mesmo apoio da administração Lincoln Grillo, por sinal, ex-dirigente sindical, ligado aos bancários.

Tentou-se o Estádio Bruno Daniel. Pedido negado. Tentou-se a Praça Cívica do Paço Municipal, um ou outro encontro ali foi realizado, mais ou menos na raça, e por ocupação espontânea da categoria.

Sem um lugar para as reuniões, os metalúrgicos da linha Santo André a Rio Grande da Serra tiveram na Igreja, e na ação do pároco Luiz Favaron, o apoio de que necessitavam.

Este relato da professora Eliana, em especial para a Memória, incluído no documento Breve Resumo da Vida de Frei Luiz Favaron, reconstituí um dos momentos mais delicados, humanos e comoventes da história do Grande ABC.

A íntegra do trabalho de Eliana está sendo publicado no Face da Memória, cujo endereço aparece no alto da página.

Diário há meio século

Domingo, 4 de abril de 1971 – ano 13, edição 1503

São Bernardo – Engenheiro Murilo Flaquer deixa o cargo de diretor de Obras da Prefeitura.

Nota – A propósito, acolhemos mensagem do advogado-memorialista José Carlos Soares de Oliveira, que oferece novos elementos sobre a origem da construção do Paço de São Bernardo, tema tratado por Memória em 29 de março último:

Murilo Flaquer foi diretor de Obras na administração do prefeito Hygino de Lima, quando da construção do Paço Municipal.

A primeira ideia era construir o Paço Municipal no bairro Nova Petrópolis.

O arquiteto Jorge Olavo dos Santos Bonfim foi diretor de Planejamento da Prefeitura, com equipe maravilhosa, essa mesma que projetou o Paço.

A Diretoria de Planejamento funcionou nas antigas dependências da atual Câmara de Cultura Antonino Assumpção, na Rua Marechal Deodoro.

O planejamento desenvolvido em São Bernardo serviu de exemplo a Curitiba. Equipe daquela capital veio a São Bernardo e daqui levou, até mesmo, modelos de pontos de ônibus.

O arquiteto Héctor Juan Arroyo, argentino de Rosário, integrou a equipe municipal de planejamento, mas veio para São Bernardo bem depois.

Daquela equipe maravilhosa temos como remanescente Ettore Leonel.

Arte hoje (Enock Sacramento) – Grave este nome: Hans Suliman Grudzinski

Nota - Trata-se de um artigo maravilhoso sobre o grande artista mauaense, focalizando a obra daquele que se colocava na constelação dos gravadores brasileiros – daí o trocadilho no título.

Grudzinski vivia no Brasil desde 1947. Era iugoslavo. Estaria completando 100 anos de idade neste 2021.

Enock Sacramento encerra seu artigo com uma crítica ao poder público de Mauá, terra escolhida por Grudzinski: “Não o prestigiando, Mauá perde a oportunidade de reconhecer e promover um de seus maiores patrimônios culturais. Mais importante do que os homens que têm conduzido os destinos da cidade e ignorado os valores que vivem nela”.

Em 5 de abril de...

1901 – A Intendência de São Bernardo (hoje seria Prefeitura) assinou contrato com o governo do Estado de São Paulo para a conservação da Estrada do Vergueiro, via de comunicação entre Santos e a Capital. Custo da obra: 60$000 por quilômetro.

Lisboa, 27 – Por ordem do governo, foram fechadas as igrejas dos beneditinos, jesuítas e franciscanos.

1956 – O governador Jânio Quadros assina decreto que regulamenta na Universidade de São Paulo a lei federal que dispõe sobre o desdobramento dos cursos de geografia e história nas Faculdades de Filosofia, Ciências e Letras.

A indústria paulistana Filizola, fábrica de balanças com artigos espalhados por todo o Brasil, inclusive no Grande ABC, completava 70 anos. Ou 14 lustros: 1886-1956.

Santos do dia

- Derfl Garden
- Etelburga de Lyminge
- Geraldo de Sauve- Majeure
- Alberto de Montecorvino
- Juliana de Monte Cornillon
- Catarina Thomas de Palma
- Maria Crescência Hoss
- Ferbrita

Municípios brasileiros

- Hoje é o aniversário de Anagé, Caetité, Dom Basílio, Érico Cardoso e Planalto, na Bahia.
- Araquari e Camboriú, em Santa Catarina.
- Dom Expedito Lopes, no Piauí.
- Godoy Moreira, no Paraná.
- Marabá, no Pará.
- Novo Hamburgo, no Rio Grande do Sul.
- Pureza, no Rio Grande do Norte.
- Timbiras, no Maranhão.

Comentários


Veja Também


Voltar