Palavra do Leitor

A Páscoa em tempos de pandemia


Em meio a tanto sofrimento, chega a Páscoa, que será comemorada neste domingo, 4 de abril, sendo a data mais expressiva do cristianismo. Oportunidade para relembrar o maior de todos os sacrifícios já feitos e também a maior promessa cumprida. Neste ano, assim como no ano passado, mesmo em meio à pandemia, por conta do coronavírus, a data é oportunidade de celebração e de reflexão única. O fato de as confraternizações terem que ser canceladas, no entanto, não faz com que este dia perca seu significado. Todavia, tais comemorações deverão ser adaptadas para contribuir com o cumprimento da quarentena e ajudar na redução da transmissão da Covid-19. Não será possível nos reunirmos nas igrejas. Muitos não poderão estar entre os familiares. Temos que entender que a Páscoa deve acontecer, primeiramente, dentro de cada um de nós. Por isso, as celebrações virtuais precisam ser priorizadas para que não haja aglomerações.

É momento propício para reconhecer a impotência humana diante de situações incontroláveis e incompreensíveis para a nossa mente. É tempo de reflexão e quebrantamento diante do Criador, como forma de superar o questionamento e buscar humildemente a reverência a Deus para se chegar aos propósitos mais importantes desta pandemia. Mesmo com o isolamento físico, a Páscoa deste ano é chance para aprendermos o valor da fé, da esperança, do amor e da vida.

Seguramente vivemos tempo único na história da humanidade. Ninguém foi capaz de exteriorizar os sentimentos de milhões de pessoas nesta época de isolamento físico. Fomos desafiados a nos recolher não somente em nosso coração, mas em nossas casas, comunidades, e viver de modo intenso a partir de nossos lares. As nossas vidas já mudaram. Não é possível dizer que somos os mesmos ou que seremos os mesmos.

Com o agravamento da pandemia do coronavírus em todo o País, a Prefeitura de São Caetano contratou médicos e outros profissionais de saúde e reabriu o hospital de campanha, além da abertura de dezenas de novos leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva). Foram instaladas barreiras sanitárias em entradas e saídas da cidade e aferição de temperatura para restringir a circulação de pessoas. A medida estará em vigor, pelo menos, até o fim dos feriados prolongados, somada às demais ações de restrição, como o fechamento do comércio não essencial, o distanciamento físico, o uso de máscaras e a higienização das mãos, entre outras, enquanto não atingirmos a vacinação em massa.

Que esta pandemia tenha um fim. Que esta Páscoa, marcada pela dor, medo e angústia, possa ser desafiada pela renovação da vida.

Pio Mielo é professor, vereador e presidente da Câmara Municipal de São Caetano.


PALAVRA DO LEITOR

Maju Coutinho
Atire a primeira pedra quem nunca cometeu ato involuntário ao dizer isso e o interlocutor entender aquilo.
João Paulo de Oliveira
Diadema


Irresponsabilidade
Eu, há mais de um ano enclausurado, tentando evitar contrair o vírus da Covid-19, saindo somente para comprar o necessário para sobreviver, com o parco dinheiro que consigo trabalhando em casa como autônomo, vi ontem, em plena Sexta-Feira Santa, meus vizinhos, todos jovens, enchendo os porta-malas de seus carros com churrasqueira, bebidas e roupas de cama. Todos sem máscaras e fazendo algazarra esfuziante! Depois a culpa é do presidente...
Marcos José Vieira
São Caetano


Vacina
Quero aqui parabenizar os funcionários da Prefeitura de São Bernardo pela organização na campanha de vacinação contra a Covid19. Minha mulher foi designada para o Ginásio Poliesportivo, às 16h de ontem. Fui acompanhando-a, fomos bem recebidos e em menos de dez minutos ela já havia sido vacinada.
Wilson Luiz Cordeiro
São Bernardo


Na vila
Secretário de Desenvolvimento Econômico e Turismo de Santo André, Evandro Banzato disse neste Diário: ‘Trata-se de um pacote pós-Covid’ (Economia, dia 23). Como se você soubesse a data de término desta pandemia, e os valentes moradores de Paranapiacaba pudessem esperar esta passar. Vocês já deveriam ter agido há muito tempo na vila. Pergunto: 300 mil visitantes por ano, 25 mil ao mês, 6.250 no fim de semana. É tudo isso mesmo? Como foi feita essa medição? Tem as planilhas para mostrar? Como faço para ver os estudos de projeto de demanda e oferta da vila? Enquanto nossos políticos, de todos os partidos, continuarem optando por empregar amigos, sabujos, gente sem conhecimento nas áreas afins, continuaremos a gastar muito e realizar pouco. Desde janeiro de 2002, portanto 20 anos, acompanho com afinco Paranapiacaba, e muito pouca coisa mudou. Provérbio: ‘Se você não mudar a direção, terminará exatamente onde partiu’.
Marcel Martin
Santo André


Insensível
O governo de São Paulo juntamente com os prefeitos lançaram a campanha Vacina Contra a Fome. O nome correto deveria ser ‘Vacina contra a falta de vergonha’. Falta sensibilidade a esses governantes, que pedem tanto dinheiro ao governo federal, aumentam seus salários, cortam o passe dos idosos, reajustam impostos sobre alimentos, remédios etc e agora conclamam a população a ajudar famílias em situação de vulnerabilidade. Mais honesto seria fazer a mea-culpa e ajudar essas famílias, que estão passando fome, vivem nas ruas, não têm emprego por culpa de administradores incompetentes, que olham para seus bolsos. E quem vai ajudar é o povo? Acredito que o povo vem fazendo sua parte, ajudando como pode. Mas em momento crítico da pandemia ver Doria pedir ajuda da população é muita cara de pau. Nunca é demais lembrar que essas vacinas são pagas pelo cidadão. Qual foi o sacrifício imposto aos políticos que comem do bom e do melhor, têm excelentes hospitais e médicos, e assistem a seus irmãos morrendo sem atendimento por falta de gestão séria e responsável? Algum tem coragem de dizer?
Luciana Lins
Campinas (SP)


Ditadura
Entre casos de corrupção dos militares da ditadura estão Capemi, Coroa Brastel, Transamazônica, Usina Itaipu, Lutfalla, Caso Delfin e tantos outros. O AI-5 (Ato Institucional número 5), que prometia dureza contra corruptos, serviu para proteger militares e seus aliados corruptos. Fui uma das vítimas da ‘doutrina de segurança nacional’ – condenado a oito anos de cadeia e a dez anos de exílio – e me sinto novamente como vítima de história que se repete como tragédia com este governo genocida, e que já tem incorporado ao sistema de governo mais de 7.000 integrantes das Forças Armadas. Que Deus tenha piedade de nós!
Cido Faria
Santo André


Mamata
O presidente Bolsonaro gastou um total de R$ 2.452,586,11 no período de 18 de dezembro de 2020 a 5 de janeiro de 2021, quando viajou de férias. Os valores foram apurados por um deputado federal do PSB de Goiás. E, então, como justificar esse procedimento? Por que o privilégio? Mais um fato lamentável.
Uriel Villas Boas
Santos (SP)


Covid-19
A Covid está se espalhando como as seitas religiosas se proliferaram. O ser humano foi criado para se aperfeiçoar. Em não se aperfeiçoando, o ser humano busca, a todo custo, ser autossuficiente, o que o faz por meio do direito positivo, que ocupa o lugar do direito natural. O ser humano foi criado para ser amigo de Deus, obediente, justo e honesto, o que não aconteceu, e é protelado com medidas improvisadas para fugir da obediência ao direito natural. A prepotência, a ganância e a vaidade estão levando a humanidade ao extermínio. Gozam de bem-estar e de boa saúde aqueles que se mantêm ligados ao espírito, ligados a Deus. Infelizmente o pretensioso homem quer ser autossuficiente, o que jamais será sem se voltar para Deus. Quer ser autossuficiente a todo custo, relegando a pandemia ao segundo plano, não procura se conservar isolado, menospreza o uso da máscara, não se refrata, não higieniza as mãos. Atente-se para o modo como o presidente encara esta pandemia. O direito positivo, vida e morte do ser humano, é um câncer na vida do homem.
Bilac de Almeida Bianco
São Caetano 

Comentários


Veja Também


Voltar