Internacional

Portugal prorroga estado de emergência por 15 dias




O governo de Portugal anunciou, nesta quinta-feira, 25, a extensão da emergência em todo o país por 15 dias. No entanto, caso os números de infecções apresentarem queda, é possível que museus, restaurantes e mercados sejam reabertos antes do previsto.

De acordo com a legislação portuguesa, o estado de emergência é limitado a 15 dias, mas pode ser prorrogado indefinidamente por períodos de duas semanas. O país começou a afrouxar as restrições em 15 de março, reabrindo livrarias, creches, pré-escolas, escolas primárias e cabeleireiros.

Os ministros irão se reunir na sexta-feira, 26, para revisar os planos atuais para facilitar o bloqueio. Por medida acordada em meados de março, os portugueses não podem se deslocar entre os municípios entre amanhã e 5 de abril, durante o período que é tradicionalmente movimentado por causa do feriado de Páscoa.

Segundo a última atualização do país de hoje, Portugal reportou 423 novos casos por covid-19. Na tendência de intensificar as medidas de restrição na Europa, o Ministério da Saúde da Alemanha anunciou que todas as pessoas que chegarem ao país devem apresentar um teste de covid-19 negativo antes da partida a partir de domingo, 28. Segundo o anúncio, o exame deve ter menos de 48 horas e ser pago pelo passageiro.

As companhias aéreas estão fazendo centenas de voos extras para lidar com o aumento na demanda, pressionando o governo para encontrar maneiras de garantir que os turistas que retornam não piorem a propagação da covid na Alemanha. A medida visa a alta movimentação do feriado de Páscoa.

Esta será a primeira vez que a Alemanha está introduzindo uma obrigação de teste geral para todos os passageiros com destino ao país. Anteriormente, apenas aqueles vindos de áreas de risco eram obrigados a fazer quarentena ou a realizar o teste antes de entrar no país.

Na última atualização de hoje, a Alemanha relatou 22.657 novos casos e 228 mortes por covid-19 em 24h. O registro representa a maior contagem de casos diários desde 14 de janeiro. Para ter a flexibilização, a ideia da nação era reduzir para 50 novos casos semanais a cada 100 mil residentes.

A União Europeia afirmou que pelo menos 80% das pessoas com mais de 80 anos do bloco devem ser vacinadas até o final de março, enquanto um mínimo de 70% da população adulta deve ser vacinada "até o verão de 2021". A divulgação dos dados veio um dia depois que o primeiro-ministro da Itália, Mario Draghi, reclamou que as 20 regiões do país não estavam seguindo as diretrizes do governo para dar prioridade aos idosos.

Enquanto isso, a Dinamarca suspendeu, por três semanas, a aplicação da vacina da AstraZeneca. Segundo Tanja Erichsen, da Agência Dinamarquesa de Medicamentos, a suspensão temporária é uma medida de precaução contra a possível formação de coágulo como efeito colateral do imunizante. A medida será extinta após a agência avaliar que não há relação entre eles.

"Gostaria de enfatizar que não estou falando sobre coágulos sanguíneos comuns", disse Erichsen. "Não se trata de coágulos sanguíneos nos braços, pernas e pulmões. Não se pode descartar a existência de uma conexão entre a vacina e os casos muito raros de coágulo sanguíneo", destacou.

A Noruega e a Suécia também interromperam o uso da vacina AstraZeneca. Na contramão, vários países europeus que haviam suspendido o uso da vacina voltaram a administrá-la depois que o regulador de medicamentos da União Europeia disse que era seguro.

Comentários


Veja Também



Voltar