Cena Política

Gabriel Maranhão retorna em clima nebuloso


Ex-prefeito de Rio Grande da Serra e atual secretário de Obras de Ribeirão Pires, Gabriel Maranhão (Cidadania) retornou às atividades no governo de Clóvis Volpi (PL) após mais de dez dias em recuperação do quadro de saúde. O político, 49 anos, voltou ao trabalho no dia 15 de março, de acordo com a Prefeitura, sem alardes. Há quem diga que a retomada se deu em clima de receio, ainda nebuloso diante do crime do qual foi vítima no dia 3 deste mês. A Delegacia de Suzano investiga suposta extorsão mediante sequestro. Na ocasião, ao encerrar o expediente no Paço, ele foi baleado próximo de sua residência, no Jardim Lavras Mirim, em Suzano, na divisa do município que exerce o cargo no alto escalão. Ele recebeu alta dois dias depois, quando deixou o Hospital Ribeirão Pires, da Rede D’Or, onde passou por intervenção. Teve o tempo de reabilitação necessário e também período para “arrumar a vida”, concedido por Volpi, que não cogitou substitui-lo do posto. A averiguação sobre as causas do episódio, em análise pelos órgãos oficiais, não foi concluída – o que deve levar ao menos 30 dias.

Posse
Ex-parlamentar e ex-secretária de Educação de São Caetano, Magali Aparecida Selva Pinto (Cidadania, foto) assumiu na terça-feira cadeira de vereadora na Câmara, ocupando a vaga do presidente do Legislativo, Tite Campanella (Cidadania), atualmente prefeito em exercício. Para exercer o mandato, ela teve ontem portaria publicada no Diário Oficial do município que registra a exoneração do cargo comissionado de diretora do departamento municipal de administração da educação – ela, que obteve 1.374 votos em 2020, é também funcionária efetiva de carreira da Prefeitura, o que a obrigou a pedir, de praxe, afastamento particular, com prejuízo dos vencimentos. Deve permanecer na casa até julgamento do processo do ex-prefeito José Auricchio Júnior (PSDB), que venceu nas urnas, mas aguarda pedido de reversão de indeferimento da candidatura na Justiça Eleitoral – solicitação sem prazo para análise.

Benefício
A Câmara de São Caetano deu aval, em dois turnos, a projeto de lei do Executivo que altera a lei número 5.580, de 9 de novembro de 2017, que institui o programa Auxílio Uniforme Escolar, atualizando o valor do benefício para R$ 250, além de incorporar máscaras faciais como um dos itens que podem ser adquiridos com a medida. Foi apresentada uma emenda à proposta, de autoria da vereadora Bruna Biondi (Psol), do mandato coletivo Mulheres por Mais Direitos – o texto modificativo, entretanto, foi rejeitado.

Isenções a comerciantes
O vereador Márcio Colombo (PSDB), de Santo André, protocolou na terça-feira uma indicação ao governo municipal em que solicita a implantação de pacote de medidas para apoio ao comércio e trabalhadores prejudicados pelas ações de contenção da crise sanitária. De acordo com o texto, sugestão aponta isenção do pagamento de IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) e ISS (Imposto Sobre Serviços) a comerciantes afetados durante o período de restrições mais duras para combate à pandemia na cidade. A proposta alega que empresas ficaram impedidas de prestar serviços.

Furar fila
Em meio a caos na saúde pública no País e com reflexos diretos nas cidades do Grande ABC, há denúncias de participação de vereadores para colocar aliados a furarem fila, na “boa e velha carteirada”. Em Ribeirão Pires, por exemplo, servidores municipais têm alertado sobre parlamentar que aparece dia sim e outro também em unidades de saúde com “eleitores”, brigando com profissionais da área e tentando furar a fila de atendimento, inclusive no hospital de campanha montado na cidade. Informações dão conta de que o tensionamento acontece até na questão da vacinação. 

Comentários


Veja Também


Voltar