Memória

Um símbolo e uma união de esforços


Da Pró-Memória, Pedro Cordeiro sugeriu, ontem, a adoção do coqueiro jeribatiba como símbolo ambiental de Ribeirão Pires e do Grande ABC – o que esta página Memória assume como bandeira; Octávio David Filho, também da Pró-Memória, fala das origens de antigo loteamento da cidade, onde há jeribatibas em profusão até hoje. 

Marcilio Duarte, diretor do museu de Ribeirão Pires, envia à Memória o inventário do acervo fotográfico da instituição, formado por 472 imagens e de onde selecionamos a foto de hoje.

Do Departamento de Artes do Diário, o infografista Agostinho Fratini incorpora ao logotipo da Semana Ribeirão Pires – por ele criado anos atrás – a foto de um jeritiba, de autoria de Pedro Cordeiro.

Sítio Cotovelo.

Cota 25.

Sitio do Francês

Texto: Octávio David Filho

O Sítio do Francês foi criado em uma gleba de terra que pertenceu a meu avô, José Maria de Figueiredo. Ele teve desapropriação de terra pela ‘Light and Power’ para a formação da Represa Billings. O local era conhecido como “Cota 25”, referência ao nível das águas. Está localizado ao lado da Rodovia Índio Tibiriçá, margeando a represa.

O bairro tem essa denominação por ter sido o loteamento feito pelo francês Henry Renée Marie Gantier. Foi aprovado em 1959, na gestão do segundo prefeito de Ribeirão Pires, Francisco Arnoni.

Naquela época não existia a rodovia. O aceso era feito pela antiga Estrada da Servidão, que passava pela ponte da Light. A Rodovia Índio Tibiriçá só foi inaugurada em 1970.

Na abertura do loteamento Sítio do Francês, o Sr. Henry nos deixou uma planta da área para que vendêssemos os lotes. Não vendemos nada, pois, embora baratos, as pessoas achavam longe e sem futuro. Somente com a rodovia é que foi instalada a energia elétrica e o local se valorizou.

Antes do loteamento, o Sítio do Francês era conhecido como Sítio Cotovelo, onde o Sr. Henry e a mulher, Dona Suzanne, passavam os fins de semana.

A estreia de Murici

Texto: Milton Parron

O programa Memória deste fim de semana destacará alguns momentos marcantes na história do futebol de São Paulo que tiveram cobertura da Rádio Bandeirantes. Momentos tristes, alegres e inusitados. 

No rol dos inusitados, o jogo entre Corinthians e Cruzeiro no mês de dezembro de 1988. Estava 1 a 0 para o Corinthians e, quando o Cruzeiro empatou, a euforia dos torcedores foi tamanha que um deles caiu sobre a cobertura das cabines de rádio, que, não suportando, veio abaixo com torcedor e tudo. O barulho da queda foi captado pelos microfones e o susto do narrador Ennio Rodrigues com o torcedor ensanguentado, estatelado a seu lado, por pouco não atingindo o locutor na hora da queda, são momentos inesquecíveis. 

Outro lance que será revivido é a fratura de perna do jovem lateral-esquerdo do São Paulo Osmar, que estreava naquele dia, em 1973, contra o Coritiba. 

Garoto ainda, recém-contratado ao Juventus, foi entrevistado antes do jogo, afinal, era uma das grandes revelações do ano, e alguns minutos mais tarde seu choro de dor e desespero foi captado pela reportagem quando o atleta era colocado na ambulância, que o levou ao hospital. 

No mesmo ano, o lado alegre, outra revelação do mesmo São Paulo, aos 17 anos, estreando no time principal, uma 

revelação da base do tricolor o jovem Muricy Ramalho. 

Entrevistado naquele dia, e participando do programa hoje para fazer um contraponto. E tem muito mais...

EM PAUTA – Rádio Bandeirantes AM (840) e FM (90,9) – Momentos do Futebol. Produção e apresentação: Milton Parron. Hoje, sábado, às 22h, ou após o futebol, com reprise amanhã, domingo, às 7h, e durante madrugadas da semana.

Diário há meio século

Sábado, 20 de março de 1971 - ano 13, edição 1490

Manchete – Franceses aguardam Pelé com as honras de Estado

Paris (AFP) – Graças à presença de Pelé, o encontro Santos x combinado francês está se convertendo num evento. “O rei Pelé será recebido em Paris como um chefe de Estado”, destacou o jornal Le Figaro.

Ribeirão Pires – O prefeito Antonio Simões inaugurou ontem (19 de março de 1971) o Paço Municipal Prefeito Artur Gonçalves de Souza Junior.

João Sasaki, que se ausentara em sessões anteriores, compareceu à Câmara Municipal, interrompendo a possibilidade de extinção do seu mandato.

Em 20 de março de...

1921 – Começa o Campeonato do Interior da Apea, com times de Amparo, Caçapava, Itu, Jundiaí, Ribeirão Preto, Rio Claro, São João da Boa Vista, São Roque, Sorocaba, Taubaté, Votorantim e nenhum da região, o futuro Grande ABC.

Na rodada de estreia, em 20 de março de 1921, os dois primeiros campeões desse certame foram derrotados: o Taubaté, campeão de 1919, perdeu do Caçapavense por 2 a 0; e o Paulista, de Jundiaí, campeão de 1920, foi derrotado pelo Rio Claro por 1 a 0.

Em Santo André, dois amistosos naquele domingo: o Corinthians local receberia o Radium da Capital; e o União jogaria com o Brás Palestra.

Santos do dia

- Bem-Aventurado Ambrósio Sansedoni de Sena

- São José (Josef) Bilczewski 

Comentários


Veja Também


Voltar